Jake Dalton passa por cirurgia


Depois de muitas especulações, o motivo real de Jake Dalton não ter participado do último Campeonato Nacional Americano foi conhecido: o ginasta passou por uma cirurgia no ombro e está fora da temporada.

Jake já não havia sido convocado para a equipe de treinamento do Mundial, provavelmente porque a cirurgia já estava marcada. O ginasta fez boas competições no individual geral esse ano e era tido como nome certo para a equipe americana em Glasgow.

A intenção é que o ginasta se recupere a tempo de lutar pela conquista de uma vaga na equipe americana que competirá as Olimpíadas do Rio. Um trabalho de musculação foi feito mesmo antes da cirurgia e pode ser que o ginasta consiga boa forma a tempo dos Trials em junho do ano que vem, última e decisiva chance para integrar a equipe olímpica.

Post de Cedrick Willian

Foto: Instagram do ginasta

VÍDEOS DE DESTAQUE


Brittany Rogers pode fazer o primeiro amanar do Canadá em competições!

Um vídeo publicado por Brittany Rogers (@brittyrogers) em

Li Qi tem o melhor mortal esticado na trave do ciclo???



Vídeo de Mary-anne Monckton durante os treinos no Universiade.

Elementos das séries masculinas podem diminuir de 10 para 8


Steve Butcher, americano presidente do Comitê Técnico Masculino Internacional, confirmou a intenção que o comitê tem em reduzir a contagem atual dos 10 maiores elementos das séries masculinas para 8.

Chegou-se ao consenso de que o número alto de exercícios faz as séries serem mais difíceis e exige muito do ginasta. Durante as séries de solo, por exemplo, os ginastas tem apenas 1:10 minutos para executar sua série. Isso faz com que os ginastas corram para acelerar a série, podendo resultar em menos segurança.

"Isso pode resultar em diminuição das lesões. Melhorar a segurança é minha maior prioridade. Reduzindo a quantidade de elementos também pode fazer as notas D dos ginastas serem mais próximas, levando a decisão para uma série mais limpa numa final", disse Butcher.

O Comitê Técnico Feminino, que usou a contagem de 10 elementos no ciclo 2005-2008, diminuiu a contagem para 8 elementos logo em 2009. Para a presidente do comitê Nellie Kim o impacto foi positivo: as ginastas se lesionaram menos e tiveram mais tempo para a parte artística no solo e na trave.

No próximo encontro do Comitê Técnico Masculino, que acontecerá em setembro na Polônia, a decisão pela mudança será definida. Depois disso, o Comitê Executivo da Federação Internacional precisa aprovar a decisão, que entrará em vigor no próximo ciclo olímpico.

Post de Cedrick Willian

Fonte: FIG
Foto: Divulgação

Iordache volta a competir em setembro


A ginasta Larisa Iordache, que esteve fora de todas as competições esse ano, voltará a competir no mês que no Nacional Romeno. Durante os últimos 8 meses, esteve fora da sua capacidade máxima de treinamento por conta de dores fortes no tornozelo.

A participação de Iordache no Mundial está programada e é completamente necessária. O Mundial será muito forte e a equipe precisa dela, que esse ano divide a responsabilidade com Catalina Ponor e Diana Bulimar - se Bulimar não tiver uma lesão de última hora como foi nos últimos dois mundiais.

O Nacional Romeno será entre os dias 24-27 de setembro em Bucareste e terá transmissão ao vivo pela TVR.

Post de Cedrick Willian

Fonte: Larisa Iordache
Foto: Laura Cristache

"Como ser mãe solteira me inspirou a voltar à ginástica de elite"


O canal Universal Chanel começou uma série de entrevistas com atletas que tinham uma história inspiradora para contar. A ginasta britânica Lisa Mason foi a primeira da série de entrevistas e contou como ser uma mãe solteira a inspirou a voltar aos treinamentos de ginástica.

Lisa começou a fazer ginástica aos 5 anos. Com 2 semanas de ginástica já executava exercícios que outras crianças demoravam 2 anos para aprender. Aos 10 integrou a equipe de desenvolvimento britânica e aos 14 anos foi a ginasta mais nova a ser campeã britânica na categoria adulta.

Entretanto, desde sempre as coisas não foram fáceis para Lisa: aos 12 anos, durante o Campeonato Britânico Juvenil, teve uma queda nas assimétricas e quebrou o braço e acabou fazendo uma cirurgia que resultou em 2 placas e 12 pinos. Todos pensaram que sua carreira tinha terminado mas 6 meses depois ela já estava de volta aos treinos.

Num tempo em que ginastas tinham seu pico de treinamento aos 15/16 anos, aos 18 anos Lisa era muito velha para continuar. Encerrou sua carreira nessa idade, tendo participado de uma Olimpíada (Sydney 2000), 3 campeonatos europeus e mundiais e com 2 medalhas de ouro nos Commonwealth Games.

Com a impressão de que ainda não tinha feito tudo que podia, resolveu voltar em 2004, 4 anos depois de haver desistido da ginástica. Foi quando descobriu que estava grávida de 3 meses. Teve que parar e dedicar a sua mais nova carreira: ser mãe solteira.

Ao mesmo tempo em que todos pensaram - inclusive ela - que um filho poderia atrapalhar seus planos, Lisa buscou em sua filha Yarlana inspiração para retomar o seu sonho. E decidiu voltar novamente em 2013. Como aconteceu quando quebrou o seu braço aos 12 anos e quando decidiu retornar em 2004, ninguém a apoiou e acreditou em seu retorno. Lisa, que atualmente tem 31 anos, sentia que ainda conseguia fazer muitos exercícios mas agora, que já havia sido mãe, seu corpo tinha mudado muito.

Durante os 6 primeiros meses de treinamento teve que fazê-los sozinha, começando devagar e apenas em 2 aparelhos: salto e trave. No Campeonato Inglês de 2013, venceu a final de salto e terminou em 4º no Campeonato Britânico, nada mal para 5 meses de treinamento. Atualmente, Lisa trocou de clube, treina os 4 aparelhos e espera conseguir uma vaga na equipe que competirá o Mundial esse ano e Olimpíadas de 2016.

Uma mãe solteira que cuida da sua filha sozinha e paga suas próprias contas. Tem dias que mal consegue andar para levar sua filha na escola de tanta dor no tornozelo, mas é a sua filha que a coloca pra cima. Sobre o apoio dela, Lisa disse: "Quanto eu tenho péssimo dia, ela faz uma xícara de chá e me diz que tudo vai ficar bem. Ela vê tudo que eu faço e agora, se eu desistir só porque as coisas começaram a ficar difíceis, eu não estaria sendo um bom exemplo, concorda? Eu digo pra ela o que eu digo pra mim mesma: nunca deixe que ninguém lhe diga que você não vai conseguir."

Lisa terminou o Campeonato Britânico desse ano com a medalha de bronze no solo, pontuando 14.200. Terminou a final de trave em 8º e a final do individual geral em 7º. Independente de conseguir ou não a vaga que sonha, Lisa merece o respeito e admiração de todos.



Post de Cedrick Willian

Fonte e foto: Huff Post / Universal Channel

VÍDEOS DE DESTAQUE - Jossimar Calvo


Porque quando o vídeo é bom ele vem sozinho! Jossimar Calvo treinando um novo elemento que levaria seu nome e seria a saída mais difícil da paralela: um duplo mortal com dupla pirueta. Lindo e incrível. Confira!



Post de Cedrick Willian

Foto: Divulgação

 
Gym Blog Brazil © 2012 | Designed by caioflorindo.com