featured Slider

Destaque

Translate

França anuncia equipes olímpicas


Confira os ginastas que vão compor as equipes olímpicas da França nos Jogos Olímpicos!

Equipe masculina

Samir AIT SAID
Axel AUGIS
Julien GOBAUX
Danny PINHEIRO RODRIGUES
Cyril TOMMASONE
Zachari HRIMECHE (reserva)

Equipe feminina

Marine BOYER
Marine BREVET
Loan HIS
Oréane LECHENAULT
Louise VANHILLE
Anne KUHM (reserva)

Uma boa escolha foi feita. As duas equipes podem competir bem e, dependendo dos erros dos adversários, conquistarem uma vaga na final, principalmente a feminina, que mostrou uma evolução grande nesse ciclo.

Individualmente, alguns ginastas tem chances de conseguir vaga nas finais por aparelhos. No masculino, Samir tem chances de final de argolas, Axel na paralela e Cyril no cavalo com alças. No feminino, Boyer já fez ótimas séries de trave, Brevet também já fez ótimas séries no trave e no solo e Loan His está com uma série de barras assimétricas muito difícil.



Depois do Campeonato Francês e antes da seleção olímpica oficial, Youna Dufournet anunciou oficialmente sua aposentadoria. A grande ginasta que fez sucesso em 2009 conquistando uma medalha no mundial acabou tendo sua carreira pautada por lesões e nunca mais conseguiu voltar à antiga forma.

Post de Cedrick Willian

Fonte: FFGym
Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil

Copa do Mundo de Ginástica - Etapa de Anadia - Resultados e análise


Bastante concorrida e com a participação de ótimos ginastas, terminou hoje as finais da penúltima etapa da Copa do Mundo de Ginástica Artística. Em Portugal, várias ginastas que estarão nos Jogos do Rio tiveram a chances de testar suas séries a menos de cinquenta dias da competição.

Sérgio Sasaki impressionou com sua boa forma. O ginasta melhorou consideravelmente desde o Evento Teste no Rio de Janeiro. Ainda continuou tendo problemas na barra fixa, mas mostrou notas excelentes e até melhores do que conseguia antes da lesão. No cavalo com alças alcançou 15,150 e se classificou para a final desse aparelho, ótima nota para o individual geral. No salto, ficou com a prata com 15,212, nota que pode colocá-lo numa final olímpica. Lembrando que Sasaki está com um salto mais difícil praticamente pronto para competições, um duplo mortal carpado de frente com meia volta de valor 6,4. Na paralela, também se classificou para a final com 15,600, outra nota de possível finalista olímpico nesse aparelho. Pelos resultados obtidos, Sasaki mostrou que num dia inspirado e sem erros poderá passar dos 90 pontos no individual geral. Os erros cometidos nas finais talvez demonstrem a falta de ritmo competitivo, algo a se trabalhar até agosto.

Pela seleção feminina, competiram Lorrane dos Santos, Rebeca Andrade e Flávia Saraiva. Lorrane competiu e se classificou para a final de barras assimétricas, finalizando em 5º lugar com 13,550. Ainda apresentou a mesma série com os mesmos erros de lançamento à parada, que baixam a nota de execução da sua série consideravelmente. Flávia e Rebeca se classificaram para as duas finais que competiram, trave e solo, e terminaram com ouro e prata, respectivamente em ambos aparelhos.

A recuperação de Rebeca parece que realmente só será completa mais próxima dos Jogos Olímpicos. Apesar das boas notas, ambas acima de 14, as séries apresentadas nessa competição não representam todo o potencial que a ginasta possui. Ao mesmo tempo, Flávia se mostra mais firme para a conquista de uma final olímpica na trave de equilíbrio: na final de hoje fez uma série excelente e conseguiu ultrapassar os 15 pontos.

Finais masculinas

As finais de solo e argolas foram relativamente fracas. O especialista Alexander Shatilov, israelense campeão de solo, conquistou o ouro com apenas 15,100, enquanto Samir Ait Said, francês também especialista e campeão nas argolas, conquistou o ouro com 15,600. Talvez, nos Jogos Olímpicos, ambos fiquem fora da final com essas notas.

No cavalo com alças, o chinês Weng Hao se firma como uma das principais chances de medalha do país nos Jogos Olímpicos, com grandes chances de ouro. Com uma leveza e limpeza incríveis, o ginasta foi extremamente consistente e conquistou o ouro com 16,100 (havia conseguido 16,200 nas classificatórias); com certeza o principal concorrente do britânico Max Whitlock num futuro confronto. Outra medalha de ouro para a China veio com Yu Cen, que obteve 15,375 para dois saltos de linha e postura corporais perfeitas.

Na paralela, após os pequenos erros do cubano Manrique Larduet, que terminou com o bronze, o caminho para ouro e prata ficaram mais fáceis para Oleg Stepko (15,800) e Josimar Calvo (15,625). Toda vez que Stepko conquista uma boa nota como essa fica claro a falta que o ginasta faz para a equipe ucraniana, que poderia ainda estar lutando pelas primeiras posições em finais por equipes importantes.

Josimar Calvo fechou as finais com mais uma medalha: foi ouro na barra fixa com uma série muito difícil, mas que pecou na execução, principalmente na retomada de suas largadas. Pequenos problemas para corrigir nos próximos dias.

Finais femininas

Marcia Videaux, única representante feminina de Cuba nos Jogos do Rio, está em numa boa fase. Com dois saltos na casa dos 6 pontos e com a nota final de 14,925, é possível que consiga uma final nesse aparelho. Precisa melhor ainda mais a execução, mas o que já apresenta é um bom trabalho. Uma surpresa nas barras assimétricas: a australiana Rianna Mizzen conseguiu bater as chinesas Yufen Xie e Jiaqi Lyu.

Na trave e solo, o Brasil mostrou sua superioridade técnica com Flávia Saraiva e Rebeca Andrade conquistando ouro e prata respectivamente. Na trave, Flávia conseguiu 15,125 pontos para o ouro e Rebeca 14,125 para a prata; no solo, ambas com a mesma nota de dificuldade, Flávia conseguiu 14,350 e Rebeca 14,100. O Brasil está num ótimo momento, e o sonho de todo "gymfan" brasileiro é que esse momento perdure após os Jogos Olímpicos.

A italiana Vanessa Ferrari competiu nas finais de solo e trave e parece pronta para ajudar a equipe italiana. Os resultados individuais para Ferrari nos Jogos do Rio provavelmente não serão os melhores da sua carreira: é a segunda vez que ela se lesiona próximo a uma edição dos Jogos. Uma surpresa: a mexicana Alexa Moreno, única representante na ginástica feminina no Rio, abriu o solo com uma diagonal de duplo com dupla e surpreendeu.

Resultados completos.

Post de Cedrick Willian

Muita ginástica no fim de semana


O fim de semana está com a agenda cheia para a ginástica artística, com ajustes finais para alguns e com importância definitiva para outros. Confira!

U.S. Olympic Team Trials – Men’s Gymnastic

Última chance para se classificar para a equipe masculina americana. Ao término da competição serão nomeados os 5 ginastas ais 1 reserva que representarão os Estados Unidos nos Jogos do Rio.

A competição começa hoje, com o primeiro dia de competição, e termina dia 25, com o segundo dia de competições. Confira os horários:

23/06 - 21h
25/06 - 21h

Link para transmissão: https://www.youtube.com/user/usagymnasticsorg
Live score: https://myusagym.com/meets/live/57560/

P&G Gymnastics Championships

Última chance de qualquer ginasta americana se classificar para o U.S. Olympic Trials feminino. Nesse campeonato serão definidas as campeãs americanas de 2016 e sairão os nomes da seleção americana que farão parte do Trials, que acontecerá no dia 09 de julho.

A competição começa amanhã, com o primeiro dia de competições, e termina no domingo, com o segundo dia de competições. Confira os horários:

24/06 - 21:30h
26/06 - 21:30h

Link com transmissão: https://www.youtube.com/user/usagymnasticsorg
Live score: https://myusagym.com/meets/live/57559/

Copa do Mundo de Ginástica - Etapa de Anadia

Penúltima etapa da Copa do Mundo de Ginástica antes dos Jogos Olímpicos, porém a mais disputada. Essa será a última competição internacional do Brasil antes dos Jogos e um processo final de definição das séries.

Jade Barbosa  e Arthur Nory estavam listados para a competição mas acabaram não competindo. Sérgio Sasaki, Flávia Saraiva, Lorrane dos Santos e Rebeca Andrade são os que atualmente estarão competindo. Confira os horários programação!

23/06 - Desde as 11h - 1º dia de classificatórias
24/06 - 11h - 2º dia de classificatórias
25/06 - 11h - 1º dia de finais
26/06 - 11h - 2º dia de finais

Sérgio Sasaki já conseguiu vaga na final de cavalo com alças com 15,150 e Lorrane dos Santos conseguiu uma vaga na final de barras assimétricas com 13,500.

Transmissões ao vivo (talvez tenha que mascarar o IP): http://www.rtp.pt/play/direto/rtp2
Transmissões no SporTV: dia 25 às 16h / dia 26 às 19:30
Live score: http://liveresults.sytes.net/anadia2016/
Site do evento: http://www.anadiachallengecup.pt/

Nacional Holandês 2016

Mais um campeonato importante acontecendo no fim de semana. Servirá, inclusive, para a escolha final da equipe feminina que competirá nos Jogos do Rio. A ginasta Noel Van Klaveren, que estava voltando de lesão e almejando uma vaga olímpica, acabou se machucando novamente e está fora da disputa.

Para acompanhar o evento, acesse: http://www.kngu.nl/nieuws/fantastic-gymnastics-nk-2016

Post de Cedrick Willian

Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil

Últimos ajustes das seleções antes dos Jogos Olímpicos


As seleções brasileiras de ginástica terão um fim de mês tumultuado: as seleções masculina e feminina farão estágios de treinamento e competições para ajustes e últimos testes antes dos Jogos Olímpicos. Sem dúvidas essa será a melhor participação do Brasil em uma edição dos Jogos. A preocupação e o cuidado que estão tendo com as séries e equipe - isso talvez porque somos sede dos Jogos - nunca foi tão boa.

Pela seleção feminina, as ginastas Lorrane dos Santos, Rebeca Andrade, Flávia Saraiva e Jade Barbosa estarão representando o Brasil na etapa de Anadia da Copa do Mundo de Ginástica. Rebeca e Flávia irão competir no solo e trave; Jade compete no salto e paralela; Lorrane compete apenas na paralela.

Após a competição, as ginastas se juntam a Daniele Hypólito, Carolyne Pedro, Milena Theodoro e Julie Kim e continuam em estágio de treinamento até o dia 06 de julho, quando embarcam todas para a Holanda para participarem de uma competição amistosa. O retorno ao Brasil está marcado para o dia 10 de julho.

Pela seleção masculina, Arthur Nory e Sérgio Sasaki representam o Brasil em Anadia. Sasaki compete em todos os aparelhos e Arthur também em todos exceto nas argolas. Como no feminino, após a competição eles partem em um estágio de treinamento, dessa vez na Suíça, com Francisco Barreto, Caio Souza e Lucas Bittencourt. Essa seria uma equipe sem especialistas.

Treinos intensos e necessários nessa última fase de preparação: faltam menos de 50 dias para os Jogos Olímpicos e seria muito bom para a ginástica se o Brasil tivesse um bom resultado em casa. É notório o investimento feito em todos os esportes e mais notório ainda seria um resultado significativo desses investimentos.

A ginástica artística é um esporte com muitas finais e, consequentemente, muitas possibilidades de medalhas. O Japão, por exemplo, é um país em que a maioria de suas medalhas olímpicas provém da ginástica artística. Se os investidores se atentarem para isso, poderiam entender que, com mais ajuda ao esporte as chances não estariam apenas na final de argolas do Arthur Zanetti como nas outras 13 finais só da ginástica artística.

Só que no Brasil o resultado tem que vir primeiro. Sempre. Então, já que, historicamente, o investimento é anterior aos resultados, o que nos resta é torcer para que nossas seleções façam o melhor possível. Não dá para evitar o medo de, passado os Jogos Olímpicos, todo o belo trabalho feito durante esse ciclo ser descontinuado.

Post de Cedrick Willian

Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil

Conheça as campeãs europeias 2016


Com duas medalhas de ouro, a suíça Giulia Steingruber foi e ginasta mais condecorada das finais, sendo a melhor no solo e no salto. A campeã de barras assimétricas foi a britânica Becky Downie, enquanto Aliya Mustafina, campeã mundial em 2013, levou o ouro na trave.

Giulia elevou seu país a outro patamar na ginástica, é a ginasta de maior sucesso que o país já teve e, mais do que importante, está sendo espelho para várias crianças suíças, o que consequentemente evolui a ginástica do país. A equipe juvenil já está com bons resultados e vai fortalecer a equipe adulta daqui a alguns anos. Que o sucesso seja continuado e que essa diversidade de países na disputa por medalhas continue sempre!

Steingruber apresentou no salto a reversão com pirueta e meia e um yurchenko com dupla, e ainda possui uma dupla de frente, já executada em treinos, como arma para a conquista de uma medalha no salto na final olímpica. Sua série de solo partiu de 6,4 e ainda pode evoluir. Dessa vez ela apresentou o duplo mortal com dupla pirueta, tsukahara esticado e tsukahara grupado, com um duplo esticado para incluir ou colocar como última linha acrobática. Giulia ainda não apresentou nenhuma acrobacia ligada à saltos de dança de valor A, que bonificariam 0,1. Todas as acrobacias que ela apresenta em sua série atual dão ligações com saltos e aumentam a nota de dificuldade da série.

Favoritas ao ouro nas barras assimétricas, as russas não contavam que Becky Downie acertasse sua série depois do erro na final por equipes. Entretanto, Becky foi brilhante e acertou todas as difíceis combinações que sua série possui. Prata e bronze ficaram com Daria Spiridonova e Aliya Mustafina, que continuam na corrida em busca do pódio olímpico ao lado de Downie. A final de barras assimétricas no Rio será disputadíssima, e incluíra as chinesas que não estão pra brincadeira.

Na trave, Mustafina fez uma série não muito difícil, mas com fluidez e limpeza típicas. Sua nota de execução é sempre a responsável pelos bons resultados que apresenta nesse aparelho. Depois do título mundial em 2013, esse é o título mais importante da ginasta no ciclo. Mesmo sem ter a série mais difícil - na realidade a série dela é relativamente fácil, só que muito bem montada -, pode surpreender como aconteceu em 2013 e conquistar um lugar no pódio desse aparelho nas finais olímpicas.

Catalina Ponor conquistou duas medalhas para a Romênia, e com erros na trave e com uma boa série de solo, terminou as duas finais com o bronze, únicos resultados do país no campeonato. França também não saiu de mãos abanando, e teve a novata talentosa Marine Boyer conquistando a prata na final de trave.

Confira as séries campeãs!

Salto - Giulia Steingruber - 14,983



Assimétricas - Becky Downie - 15,500



Trave - Aliya Mustafina - 15,100



Solo - Giulia Steingruber - 15,200



Para mais vídeos acesse Full Gymnastics. Confira os resultados completos: salto, assimétricas, trave e solo.

Post de Cedrick Willian

Foto: EC Artistic Gymnastics Bern 2016, Andrea Oberholzer e Jasmin Schneebeli

Reparando erros, russas vencem Campeonato Europeu


Nesse sábado, a equipe russa reparou os erros cometidos nas classificatórias e venceram a final por equipes do Campeonato Europeu. Com o reforço de Aliya Mustafina, que não competiu no mundial do ano passado, e Angelina Melnikova, conquistaram 175,512 e venceram as britânicas, que foram as melhores nas classificatórias.

Na final foi a vez das britânicas errarem, resultando em péssimas notas na trave. Finalizaram o aparelho com menos de 40 pontos, enquanto as russas, contando com o erro de Seda Tutkhalyan, fizeram mais de 43. O único aparelho que atualmente está complicado para a Rússia (e tranquilo para a Grã-Bretanha) é o solo.

Ksenia Afanasyeva não se apresentou e tem o melhor solo da equipe mas, sem ela, o melhor solo da final foi o de Melnikova, que pontuou um simples 14,133. Estão conseguindo sustentar essa diferença sempre nas barras assimétricas, onde as boas séries sempre somam mais de 45 pontos.

Apesar dos erros britânicos, a nota de 170,312 foi suficiente para a prata, deixando as francesas com o bronze. Ótimo resultado para a França, que em 2014 nem conseguiu avançar à final por equipes. Com a chegada à categoria adulta de juvenis talentosas e com as boas séries de barras assimétricas que atualmente a equipe apresenta, o resultado foi merecido e coloca o país como um possível finalista por equipes nos Jogos Olímpicos.

Contando com duas quedas, não foi dessa vez que a Suíça conquistou uma medalha no Europeu, mas o 4º lugar de hoje foi histórico. Fica a torcida para o próximo ciclo, quando essa equipe pode acabar surpreendendo no Campeonato Europeu e conquistando até mesmo uma vaga para os Jogos de Tóquio. A equipe romena terminou em 6º, com uma participação brilhante de Catalina Ponor, que conseguiu 15,066 no salto, 14,600 na trave e 14,566 no solo. Confira os resultados completos e os vídeos da competição.

Post de Cedrick Willian

Foto: EC Artistic Gymnastics Bern 2016, Marco Mosimann, Andrea Oberholzer e Jasmin Schneebeli