• Copa do Mundo de Moscou - Por Lucas Rodrigues



    Terminou agora a pouco a estapa A da Copa do Mundo realizada em Moscow. Nessa estapa, apenas ginastas convidados poderiam participar. Para receber tal convite é necessário que os ginastas tenham se classificado entre os finalistas por prova no último mundial ou estar entre os melhores do ranking das etapas B da copa do mundo do ano anterior. A competição possui um formato bastante dinâmico, sendo que da classificatória apenas 4 ginastas melhores classificados competem a final.

    No solo, o ginasta francês Thomas Bouhail supreendeu o grego favorito Elefterios Kosmidis, atual campeão mundial, e ficou com a medalha de ouro. Jefrey Wammes ficou com o bronze e o americano Steve Legendre que havia sido o segundo na classificatoria ficou em quarto lugar.

    No cavalo com alças houve um show de especialistas, que mais uma vez foi liderado por Kristian Berki da Hungria. Em segundo lugar ficou o australiano Sellathurai Prashanth e em terceiro o croata Robert Seligman.

    Nas argolas os russos dominaram e fizeram dobradinha no pódio para alegria da platéia russa. Konstantin Plushnikov venceu por uma pequena diferença o compatriota Alexander Balandin, enquanto Yuri Van Gelder ficou em terceiro. Alguém sabe me explicar porque o nome dele estava Lambertus Van Gelder? Nesta final houve a participação de 5 ginastas, pois 3 empataram em terceiro na fase classificatória.

    No salto, Thomas Bouhail mais uma vez brilhou. Acertou os dois saltos que lhe rederam o título mundial na Holanda, em 2010, e venceu o sul-coreano Yang Hak Seon, que apresentou belíssimos saltos: reversão com dupla pirueta e meia e Tsukahara com 3 piruetas. O russo Anton Golotsutskov, que havia se classificado em primeiro, foi o terceiro colocado depois de duas aterrisagens baixas em seus dois saltos.

    Nas paralelas, o polonês Adam Kierzkowski subiu do segundo para o primeiro lugar em uma belissima final, vencendo até mesmo o grande Mitja Petkovsek da Eslovênia. Yann Cucherrat ficou em terceiro e Epke Zonderland em quarto. Gostei muito da série do Holandês, os elementos de piruetas foram belíssimos.

    Na barra fixa foi a vez de Epke Zonderland brilhar. O holandês voador mostrou todo seu potencial, alcançou a nota 16.05 e aumentou em 0.55 sua nota em relação à classificatória, ficando tranquilamente com o título. Em segundo, ficou Moznik da Croácia e em terceiro Kuksenkov da Ukrânia.

    No setor feminino a competição foi interessante, principalmente pela excelente atuação da ginasta Anna Dementyeva. A russa mostrou que sua vitória no campeonato europeu não foi apenas pela ausência da grande campeã Mustafina, mas também resultado de sua competência. Sozinha, Dementyeva terminou a competição com dois ouros e uma prata.

    No salto Chusovitina confirmou o seu favoritismo e levou o título com bastante folga. Kurbatova ficou em segundo, beneficiada pela queda que Jade barbosa sofreu no seu segundo salto. Claramente decepcionada, Jade foi consolada por Ricardo Pereira, seu técnico; mesmo com a queda Jade ficou em terceiro lugar, pois a chilena Makarena Pinto zerou seu segundo salto ao ter uma má entrada no trampolim e conseguir apenas realizar um rolamento sobre a mesa de salto.

    Jade teve uma lesão no outro punho que estava saudável. Agora ela terá de enfrentar mais esse desafio em sua carreira. Superar dificuldades sempre fez parte da vida desta ginasta, então vamos torcer para que no Mundial ela esteja muito bem, pois o Brasil precisa dela. Precisa muito!!! Só de estar em Moscow Jade já nos demonstra seu amor pela ginástica e a vontade de vencer acima das dificuldades que tem enfrentado.

    Nas paralelas Elizabeth Seitz não conseguiu manter a excelente apresentação que teve na fase classificatória e, dentre outros problemas, caiu no seu Ginger com pirueta, ficando assim fora do pódio. Bom para a tcheca Jana Sikulova, que herdou um terceiro lugar com uma série muito bem executada. Aliás, Jana quase desbanca a prata de Dementyeva, que venceu Sikulova por apenas 0,05 de diferença. A venezuelana Jessica Lopez ficou com o ouro depois de uma apresentação quase impecável, que incluiu uma nova sequência de oitava à parada com pirueta seguida de ginger e também a inclusão de um jagger estendido. Para finalizar, a ginasta cravou a saída em duplo grupado para frente e ficou com a melhor nota neste aparelho.

    Na trave, a belíssima ginasta grega Vasiliki Millousi, que havia se classificado em primeiro lugar neste aparelho, não repetiu o desempenho da classificatória e ficou a 0.025 de conquistar uma medalha. Essa, para mim, foi a maior decepção desta competição, pois essa ginasta sempre se classifica bem para as finais de trave mas, na hora da decisão, parece não conter os nervos e acaba tendo pequenas falhas que lhe custam muito no final. Anna Dementyeva ficou com o ouro depois de uma bela apresentação que lhe rendeu a nota mais alta da competição no feminino: 15,100. A jovem estrela foi seguida por Ksenia Afanasyeva, que está retornando depois de meses parada devido a uma lesão no joelho. Afanasyeva apareceu muito bem na competição e acredito que possa estar na equipe russa do próximo mundial. Yana Demyanchuk, da Ucrânia, apresentou uma boa série, porém, hesitou em algumas ligações de elementos e isso fez com que ela descesse uma posição em relação à classificatória: terceiro lugar para ela.

    No solo, Elizabeth Seitz teve altos e baixos em sua apresentação e terminou em quarto lugar. Jessica Lopez ficou em terceiro, apresentando suas belas piruetas e uma coreografia forte; mesmo assim tenho a impressão que ela pode muito mais neste aparelho. Em segundo lugar ficou Afanasieva, com uma série muito bonita e acrobacias muito difíceis como duplo estendido e a sequencia de dois flicks sem mãos seguidos de tripla pirueta. Além disso gosto muito dos giros em "attitude" e com perna em noventa graus. Esperava que ela vencesse, mas os árbitros preferiram Dementyeva, que com sua coreografia empolgante ganhou o público e os jurados.

    Na cerimônia de premiação estavam presentes Alexei Nemov, Elena Zamolodchikova e também Svetlana Khorkina, que estava servindo como uma espécie de apresentadora entrevistando alguns dos ginastas russos durante o evento. Foi muito bom vê-los e deu muita saudade da época que ainda usavam gel no cabelo e magnésio nas mãos.
  • You might also like

    2 comentários:

    1. otima analise. parabens cara. gostei muito do texto e das explicações. a gente vem aki e aprende um pouco. em outro texto seu aki ate falei q se as russas sem mustafina pegassem romenas, chinesas e americanas nao teriam grandes chances. porem eu nao sabia da lesao da ginasta. por esse lado, foram muito bem.

      no masc, achei q o frances contou com os erros dos outros eu torcia pelo grego no solo. ja no salto goste muito mais do salto do sul coreano. sei la acho esse frances metidinho hshs mas isso nao tem nada a ver. foi sim uma belissima prova.

      ja jade merece todo noso apoio e força. torcendo por ela sempre. sem duvida um dos maiores destaques atuais do brasil.

      ResponderExcluir
    2. Concordo com você, o Coreano foi incrível mesmo! mas na hora de dar a nota, alguns detalhes infelizmente acabam fazendo a diferença. O coreano desviou a direção do salto e acredito que isso foi o diferencial.
      Mas acredito que ele possa conquistar uma medalha no mundial. Ele faz os saltos numa facilidade tão grande que achei que ele tinha feito uma pirueta a menos em cada salto que ele fez na hora que assisti, acredita?
      obrigado pelo apoio e continue acompanhando o blog.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.