• Decifrando o código de pontuação feminino - O que é uma boa nota?



    Para novos fãs da ginástica, uma das coisas mais difíceis para se entender é o novo sistema de pontuação. Antes mesmo de chegar até o âmago da questão de saber sobre pontuação E, pontuação D e requisitos de composição, é bom saber que tipo de referência você está procurando. Então, o que exatamente é uma boa nota hoje em dia? Costumava ser o mais próximo possível de dez, certo? Isso, entretanto, não é mais o caso.

    Ginástica era um esporte que costumava ser amplamente entendido a partir de um sistema de pontuação 10,0. Devido a isso, seguidores ávidos e fãs casuais tinham algum tipo de idéia do que era ótimo, e que não era tão bom. Perto de 10 significava uma melhor série (ou algo parecido). Tudo isso mudou em 2006. Agora as coisas são muito mais complicadas!

    Então, deixe-me tentar acabar com isso para você. Notas nas competições de elite da ginástica costumam ficar entre 13 e 16 pontos. Estas irão variar dependendo de aparelhos e competição, mas ainda podemos facilmente saber se estas pontuações estão indicando uma série boa ou ruim.

    Pontuações variam ligeiramente aparelho para aparelho (salto e barras tendem a pontuação mais alta do que solo, por exemplo). Então, antes de passar para lhe dizer como as pontuações são discriminadas, e que os juízes procuram em uma série, aqui está uma repartição dos tipos de notas que você pode esperar de cada evento.

    Salto


    Salto é um bom lugar para começar a entender as notas. No salto, qualquer nota próxima a 16 é o equivalente a um 10 (do antigo código). Perto de 15 é uma ótima nota em todos os sentidos, mas não astronômica, e perto dos 14 é uma boa nota para muitas ginastas, mas geralmente não seria uma pontuação vista sendo dada para ginastas das nações mais fortes, nem a uma especialista de salto esperando por uma medalha. Qualquer nota abaixo de 14 normalmente indica uma queda, ou um mau salto, ou um nível de dificuldade muito baixo.

    O salto abaixo é realizado por McKayla Maroney e recebeu um astronômico 16.033. Este é um dos saltos mais difíceis sendo realizados pelas mulheres atualmente. Sua nota é tão alta por causa da grande dificuldade do salto, mas também porque ela cravou a chegada e executa muito bem as fases de vôo.



    Aliya Mustafina recebeu um 14.966 neste salto. É um salto de menor dificuldade, mas foi bom no ar, e com uma chegada bem sólida.



    Tan Sixin: 14.050. O salto da Tan é tão difícil quanto o da Mustafina, mas ela chega com o tronco muito baixo e é obrigada a dar um grande passo para o lado.




    Barras Assimétricas

    Barras Assimétricas é relativamente similar ao salto em pontuação – 16 ou mais é uma série difícil e muito bem executada, 15 é uma ótima série, mas não tão perfeita e/ou difícil, 14 é uma nota ok, mas nunca seria dada a uma das principais ginastas ou uma possível medalhista em grandes campeonatos.

    He Kexin tirou um, muito alto, 16.133 por essa série. Essa é a série com mais dificuldade entre todas as séries de Barras apresentadas nos últimos 4 anos.




    Jordyn Wieber: 15.050. Embora ela tenha uma dificuldade razoável, Jordyn Wieber tem alguns pequenos erros – ela nem sempre chega na vertical nos lançamentos, e tem pequenas “quebras de ritmo” durante a série.




    Aly Raisman: 14.200. Essa série foi uma “boa” série, mas tem pouca dificuldade, juntamente com muitos errinhos de execução (ou seja, pernas separadas, piruetas fora da vertical, piruetas deveriam ser executadas totalmente na vertical, ou realmente muito próximo a isso). 



    Trave

    Trave tem pontuação ligeiramente mais baixa que salto e barras. Ótimas séries de trave geralmente recebem notas um pouco acima dos 15, grandes séries de trave em meados de 14, enquanto séries menos espetaculares, ou grandes rotinas que contam uma queda, pontuam próximo aos 14,5.

    Sui Lu: 15.866. Essa foi a nota mais alta entre 2009-2012. Ela tem boa dificuldade e teve apenas um erro facilmente percebível, um pequeno desequilíbrio no segundo mortal.



    Sabrina Vega: 14.866. Sabrina tem uma dificuldade um pouco abaixo, e alguns pequenos desequilíbrios, então recebeu uma boa, mas não ótima, nota




    Rebecca Bross 14.100. Rebecca teve uma dedução de 1 ponto devido a sua queda; se não tivesse caído sua nota teria sido um alto 15.100.




    Solo

    Solo é o aparelho com as menores notas. Qualquer nota acima dos 15 pontos no solo é uma maravilhosa série, perto dos 14.5 é ótima. Séries com quedas, baixo grau de dificuldade, ou execução ruim geralmente pontuam abaixo dos 14 pontos.

    Ksenia Afanasyeva: 15.133. Ksenia Afanseyeva tem acrobacias muito limpas, e consegue controlar a maioria das suas chegadas, juntamente com saltos de dança e giros bem executados. Sua dança super criativa também não faz mal a série não.



    Beth Tweddle: 14.566. Beth tem uma série bem difícil, mas os erros em suas duas primeiras chegadas, bem como alguns errinhos em giros e saltos, dão à Beth uma nota mais baixa.



    Huang Qiushuang: 13.700. Huang teve um grande erro na sua primeira acrobacia, e tem pouca dificuldade, se comparado com as séries anteriores. Ela também teve duas acrobacias com pouca altura o que também gera grandes deduções.



    Aqui segue uma tabela com as melhores notas dadas em cada aparelho nos Mundiais ou Olimpíadas nos últimos 4 anos. Você pode notar o aumento de notas de ano para ano, de acordo com a preparação dos ginastas para os Jogos Olímpicos de 2012.



    Artigo de Bernard Vella, originalmente postado em http://www.thecouchgymnast.com/?p=7129 . Traduzido por Isadora Córdova.





  • You might also like

    10 comentários:

    1. Mustafina chegou a 15,7xx no Mundial de 210 com o amanar. Paralela da Vika em 2011, amo. Acho essa trave da Sui Lu over até hj e 14,200 pra Raisman e 15,05 pra Wieber é muita caridade.

      ResponderExcluir
    2. Nessa análise você já está considerando o novo código, pós-Londres? Ele entra em vigor esse ano ainda?

      ResponderExcluir
    3. Aonde voce quer chegar com isso? Se todo mundo fizesse a mesma serie identica receberia a mesma nota? Aham, Claudia. Senta lá. Por favor, nao tente iludir os novos fãs da ginastica.

      ResponderExcluir
    4. credik seila rs,

      divuda essa noticia http://esportes.r7.com/esportes-olimpicos/fotos/ex-ginasta-romena-vira-prostituta-de-luxo-veja-20120909-2.html#fotos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ah que triste ler isso...
        Não sei se ela entrou nesse caminho por necessidade ou por vontade própria (sinceramente, não creio...), mas me corta o coração ver uma atleta de tanta habilidade acabar assim. Para que não a conhece aí vai um link do solo dela:
        http://www.youtube.com/watch?v=0Q863olD3zg

        Realmente essa notícia merece um post individual. Não para tirar sarro da Leonida, mas para pontuar os perigos de a atleta se dedicar tanto tempo somente à ginástica e acabar descartada desse jeito. Não é a primeira, nem será a ùltima que acaba mal(vide Presecan, Milos, Pama, Van de Leur,...). Acho que tinha que ser obrigatório para as federações o custeio cursos técnicos ou superiores para ginastas adultos para que isso não aconteça mais.

        Excluir
    5. Mustafina no EF do mundial de 2010 fez 15.733 (ou foi 766) com o Amanar...

      ResponderExcluir
    6. Mustafina tbm fez DTY bem melhores nas olímpiadas chegando até a 15.233 no AA e TF. Espero vê-la voltar a saltar Amanares neste proximo ciclo, já que faz o DTY com tanta perfeição. Na minha opinião, melhor DTY olímpico.

      ResponderExcluir
    7. as notas de raisman e wieber nas paralelas eh pura caridade! elas são horriveis!

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.