• Equipe romena começa a usar protetor palmar


    O uso de protetores palmares nas paralelas assimétricas é um assunto controverso. Algumas equipes usam, outras não. Entretanto, o uso não é obrigatório: não existe uma regra no código que defina o uso de protetores. Nos Estados Unidos, por exemplo, todas as ginastas usam o protetor palmar. Na China as ginastas preferem um protetor menos largo, que não dificulta os giros e trocos com empunhadura cubital. Enquanto isso, em equipes como Romênia e Brasil é raro de se encontrar alguma ginasta que utilize algum tipo de proteção.

    Mariana Bitang, da Romênia, começou a mudar essa história. Ela declarou que, pensando em melhorar o ponto fraco da equipe - a paralela - para o próximo ciclo olímpico, todas as ginastas começaram a usar, obrigatoriamente, o protetor palmar.

    A equipe já havia tentado isso antes, mas não deu certo. Algumas se adaptaram e outras não, e isso se tornou algo difícil para a preparação da paralela durante um campeonato. As ginastas que usavam o protetor, gostavam de passar mel, magnésio e água na barra, mas isso era o terror para as ginastas que competiam sem protetor e acabavam com medo de escorregar. Assim teriam que preparar a barra para cada série de cada ginasta. Imagina a confusão! Optaram por deixar o protetor de lado.

    Só que agora é sério. Mariana Bitang disse que Diana Bulimar está sendo resistente e dizendo que é impossível treinar paralela com o protetor. Sabe a resposta de Bitang? "Mesmo que treinar com o protetor signifique que você esteja fora dos próximos campeonatos, nós não vamos tirá-lo". Tenso.

    Quer saber minha opinião como especialista, ginasta e treinador? Mariana Bitang está corretíssima. Ainda mais depois de ver esse vídeo e entender que o trabalho foi estendido para a base. A Romênia vai melhorar nesse aparelho e as competições internacionais ficarão mais acirradas.


  • You might also like

    11 comentários:

    1. Soube que parte do dinheiro destinado à compra dos "grips" veio de fãs romenos de todo o mundo, que financiaram um projeto que tinha como destinatários os clubes de jovens ginastas do país. Inclusive no caso da Iridon (e das demais "Deva Angels"), a iniciativa partiu de fora da Federação aparentemente (para as mais novas).

      ResponderExcluir
    2. Falando em equipe romena, depois de Catalina Ponor se tornar sra.Tommy Ramos, Sandra Izbasa vai se tornar a sra.Andrew Bitang. Tudo em familia.

      ResponderExcluir
    3. Andrew Bitang era marido de Silvia Stroescu. Os romenos buscam dois treinadores chineses para treinar as romenas nas assimétricas, ou pretende-se que suas ginastas façam estagios na China, querem melhorar as assimétricas de qualquer forma!

      ResponderExcluir
    4. caro anonimo, eram noivos, mas desmancharam o noivado pela distancia,entre outros motivos. O presidente do Comite Olimpico Romeno na entrega dos premios aos medalhistas, em agosto, declarou que o numero de medalhas foi pífio(as mesmas do Brasil, a diferença que eles tiveram dois ouros - um da Sandra, outro no tiro)e vão chamar os treinadores romenos que atuam ao redor do planeta para fazer intercambio com quem ficou na Romenia. E nada melhor para supervisionar esse trabalho que empossar Octavian Belu como Secretario de Iniciação ao Esporte. Como se sabe, Bellu coloca resultados acima de tudo. E nao só na Romenia, outros paises da Europa e suas federações de ginástica já estão pensando longe - em 2020 e 2024 para quebrar a supremacia americana e russa no pódio olimpico. Os campeonatos regionais estão revelando TIMES INTEIROS - nao apenas um ou outro talento pontual - que limpam a banca de medalhas. Assim como no futebol, tambem nao tem mais bobo na ginástica.

      ResponderExcluir
    5. Os romenos vão ter que visar 2020 em diante, porque neste próximo ciclo EUA (principalmente) e Rússia devem dominar mundiais e Olimpíadas.

      ResponderExcluir
    6. Brasil precisa de um técnico especialista em barras urgente. Não esperem minha gente que em 2016 veremos melhoras, pois mesmo sendo leigo, acredito que barras é um aparelho onde o progresso é mais lento, e por isso precisa de um período tão grande de adaptação.
      A Romênia está certa de fazer esse sacrifício, mas acredito que largadas partindo da tubital serão cada vez mais raras de se ver.

      ResponderExcluir
    7. Concordo que o uso desses protetores pode fazer alguma diferença. Mas enquanto eles não contratarem um técnico decente de barras(sei lá um ucraniano, um russo, um chinês), a Romênia vai passar longe de voltar aos anos de glória no AA e TF.
      Algumas meninas que participaram daquele torneio escolar têm potencial de serem boas UB workers, mas ai chegam pra treinar com a equipe nacional e viram VT,BB e FX especialistas como sempre.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Se for alguem excelente em VT BB E FX, conseguindo notas altas e mesmo com alguma deficiencia em UB, seria mesmo assim uma excelente all arounder. Toda ginasta tem uma deficiencia, as americanas também são o terror das UB mas vivem levando AA e TF, simplesmente porque elas compensam a deficiencia sendo excelentes nos outros 3 aparelhos. O problema das romenas é que geralmente elas são excelentes em apenas 2 aparelhos, ao invés de 3 e um meia boca. vide Izbasa e Ponor, por exemplo.. ótimas em FX VT, FX BB respectivamente porém Izbasa é ruinzinha na BB também e Ponor deixa a desejar no VT.. esse é o grande problema delas. Se conseguissem pelo menos alguém com 3 excelentes aparelhos, mesmo ruim em UB seria competitiva. Mas ainda há Larissa Iordache, há uma esperança pra Romenia.

        Excluir
      2. Queria que as romenas fossem então o terror na ub igual as americanas.
        A Ponor deixa a desejar no VT??? Tirar só acima de 14,9 com DTY é deixar a desejar???! porraaaa, tadinha da Jade que pena pra tirar 14,8/14,7

        Enfim, as romenas precisam de melhorar na UB e esse sempre foi o problema delas desde o início da ginástica.

        Excluir
      3. Sim as romenas são fracas na UB e precisam melhorar, e o salto da Ponor é ótimo pra alguém que não é especialista em tal aparelho, só que dizer que as UB sempre foram um problema delas desde o início da ginástica eu considero um equivoco, lembre-se, Nadia Comaneci (início da ascensão romena na ginastica)e Daniela Silivas são romenas...

        Excluir
    8. O corolário de péssimas noticias vindas de Bucareste parece nao ter fim em 2012. No dia em que completou 51 anos, Nadia Comaneci recebeu um presente indigesto - o Gazeta Sporturilor publicou uma materia sobre o primeiro treinador de Nadia, que seria Marcel Duncan e sua esposa Rodica, e nao os Karolyi. Uma vasta entrevista com fotos da época em que treinavam Nadia. A frase de chamada é sintomática - "Quando acordo, tenho 60 por cento de indiferença e 40 por cento de ira quando penso em Nadia, mas se pudesse encontra-la, apenas diria "como voce está bonita!" E a materia termina com uma pergunta pertinente - "Porque os EUA receberam Karolyi como um superheroi se eles sabiam que ele nao tinha descoberto a Nádia?" Que mais falta pra acontecer? Ou ser revelado? Enquanto isso, países sem tradição na ginástica vão descobrindo talentos, montando times, fazendo competições dia sim, dia também....

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.