• GBB em Tóquio: análise do 1o dia de competições




    O primeiro dia de competição desta etapa da copa do mundo teve um saldo bastante positivo, mas também trouxe algumas decepções. Segue uma análise da competição:

    No masculino
    Três aparelhos foram competidos: salto, cavalo com alças e argolas.

    Oleg Verniaiev no cavalo com alças.
    Fonte: http://www.tumblr.com/tagged/oleg%20verniaiev?before=19

    Infelizmente, segundo nota oficial da organização da competição, o ginasta americano Danell Leyva se retirou da competição após fortes dores, que já vinha sentindo em seu ombro antes de vir ao Japão, terem se intensificado durante os treinos de pódio para esta competição. Esperamos que não atrapalhe os planos de Leyva para a temporada.

    Em 7o lugar até o momento, Kazuhito Tanaka teve dificuldades com suas dificuldades. Uma afirmação quase redundante, se não fosse literal. Faltou fôlego ao ginasta Japonês em quase todas as suas séries. No solo, poderia ter pontuado mais se não fosse pela tripla baixa de saída; no cavalo, teve uma queda logo no início da série; e nas argolas sua saída de triplo mortal para trás foi aterrisada de rosto no tablado que causou apreensão na platéia presente. Ainda pode vir a ressurgir na segunda metade da competição onde estão seus aparelhos mais fortes, especialmente nas Barras Paralelas. Fica a expectativa do seu poder reação.

    Em 6o vem Marcel Nguyen da Alemanha. Um artigo recentemente publicado pela International Gymnast afirmava que Marcel estaria "esgotado", segundo palavras de seu técnico. Não pude evitar em relacionar sua performace com tal artigo, já que o ginasta alemão, presença constante no circuito de copas do mundo, apresentou uma série mais fraca de solo e teve falhas que não condizem com seu histórico de consistência nessas competições. Sua disposição fora do tablado entretanto estava em outra vibe, enquanto distribuia sorrisos durante os breaks entre aparelhos, também retribuía o carinho da torcida que levou até uma bandeira da Alemanha com seu nome.

    Em 5o lugar está Fabian Gonzalez que fez uma competição no geral bastante limpa. Sua série de argolas por ter uma nota de partida baixa deveria ter sido um pouco mais limpa, mas mesmo assim o ginasta fez bem o seu papel até o momento, e ainda tem chance de surpreender amanhã.

    O 4o lugar, a um passo do pódio, está nosso representante Sérgio Sasaki. Sua série de solo foi o destaque do dia no aparelho pela potência e pelas combinações originais (o duplo carpado pra frente bate barani levantou a torcida). O ginasta passou muito bem pelos seus aparelhos mais fracos, o cavalo e as argolas, e tem boas chances de uma medalha All Around inédita para um ginasta masculino do Brasil em uma copa do mundo.

    No Top3, em 3o, está o britânico Daniel Purvis. Sua performace no cavalo com alças atrapalhou seus planos de liderar a competição após o primeiro dia. Apesar do deslize, o ginasta foi muito bem nos demais aparelhos e segue como candidato ao ouro não apenas nesta copa do mundo, mas também no Campeonato Europeu de Moscou que acontece no espaço de duas semanas.

    O Japonês Ryohei Kato segue em 2o com uma performance sólida, mas claramente longe de seu grande potencial. Por vezes, tive a impressão que os gritos de sua torcida de amigos de clube ou de universidade o desconcentraram mais do que motivaram. Ele foi o único ginasta que usou quase todos os seus 30 segundos regulamentares de preparação antes de cada série, como se mentalmente tentasse não ligar para a torcida. Apesar desta conjectura, destaco suas dificuldades no solo (6.8) e no cavalo (6.5) para afirmar que ele está no caminho certo para brilhar no mundial deste ano.

    O líder ao final deste primeiro dia é Oleg Verniaiev da Ucrânia. Alguns problemas no solo não atrapalharam seu foco, e com a força de suas séries (que neste 1o dia teve o maior valor no somatório geral dos três aparelhos) seguiu arrancando notas altas, tendo sido o único dos competidores a ter duas notas acima de 15.000 pontos. Oleg estará no caminho de Purvis na batalha pelo ouro Europeu. Esta batalha promete!


    Ranking após o 1o dia
    1. Vernyayev UKR 45.025
    2. Kato JPN 44.300
    3. Purvis GBR 44.100
    4. Sasaki BRA 43.825
    5. Gonzalez ESP 43.750
    6. Nguyen GER 43.675
    7. Tanaka JPN 42.800

    No feminino
    Dois aparelhos foram competidos: salto e barras assimétricas.


    Peyton Ernst em competição.
    Fonte: http://www4.images.coolspotters.com/photos/1019765/peyton-ernst-profile.jpg

    Yu Minobe até o momento está apenas completando a lista de participantes, já que suas séries tem baixa dificuldade para este nível de competição e mesmo assim teve grandes problemas para executá-la. O último lugar que lhe parece inevitável, mas a ginástica é sempre imprevisível.

    Elisa Meneghini da Itália está na 7o colocação. A ginasta apresentou apenas um yurchenko com 1 pirueta, mas obteve nota de execução acima de 9.0, portanto fez valer a pena a escolha por um salto mais simples. A queda nas barras entretanto deixou suas chances de medalha um pouco longe, mas por ser novata, esta experiência fará parte de seu contínuo progresso por este ciclo olímpico. Trave e solo são sempre bons aparelhos para as italianas. Acredito que para sua auto-confiança, ela buscará se redimir no 2o dia de competições.

    Shang Chunsong, na 6a posição, foi a grande decepção do dia para mim. Uma ginasta que já iniciava sua jornada com boa reputação e tinha tudo para continuar dando o show que deu no Asian Games 2012 (vide seu aquecimento sem erros), acabou por sucumbir a pressão da competição. Sua prova de barras é uma das mais originais e difíceis do momento, porém inúmeros erros, incluindo uma queda, deixaram sua ginástica a desejar. Torço para que Shang consiga mostrar seu real potencial nos dois aparelhos que estão por vir, já que são suas especialidades.

    A britânica Charlie Fellows encanta com sua execução, sendo sua 5a colocação um reflexo disso. Sua evolução ainda deve levar alguns anos, mas já possui qualidades artísticas que a meu ver não se aprendem.

    Huang Qiushuang também não impressionou nesta etapa. Um 4o lugar que parece pouco pela ginasta que é mas que está em concordância com o que apresentou. Especialmente no salto onde optou pelo Yurchenko com 1 pirueta apenas. Seja por estar se poupando, ou qualquer outro motivo, o fato visto é que sua postura no salto não estava boa e sua altura não permitiria um salto mais difícil. Nas barras ela mostrou um pouco mais do que é capaz, mas ainda aquém de si mesma.

    Elsabeth Black foi a surpresa boa do dia. Lesão? Que lesão? A Canadense ocupa um 3o lugar merecidíssimo. A ginasta continua com sua reversão para frente no salto, e apesar de colocar "apenas" 1 pirueta, executou com qualidade e obteve uma nota E de 9.150. Barras não é seu forte, mas mesmo assim manteve sua garra e fechou a primeira metade da competição no top3. Espero que consiga se manter.

    A 2o colocação está com Asuka Teramoto do Japão. Ao mesmo tempo que a ginasta está 0.6 de distância da primeira colocada, sua posição também está a 0.6 da terceira colocada. Como uma boa all arounder, Asuka tem boas séries nos quatro aparelhos, entretanto necessitará de erros da primeira colocada, a americana Peyton Ernst, para vislumbrar a vitória.

    E falando em Peyton Ernst, a líder após a primeira metade da competição segue ratificando o domínio americano. Aparentemente qualquer ginasta nos EUA, novata ou veterana, tem o potencial de vencer o resto do mundo, mas não a competição dentro de seu país. Peyton fez séries com boas dificuldades e ótimas execuções. Nunca senti que lhe faltaria fôlego, altura ou potência em nenhuma de suas séries. Certamente a campeã se mantiver o desempenho.

    Ranking após o 1o dia
    1. Ernst USA 29.300
    2. Teramoto JPN 28.775
    3. Black CAN 28.125
    4. Huang CHN 28.025
    5. Fellows GBR 27.375
    6. Shang CHN 27.275
    7. Meneghini ITA 26.800
    8. Minobe JPN 25.625

    Resultados oficiais do 1o dia de competições podem ser conferidos no link abaixo:
    http://www.jpn-gym.or.jp/artistic/2013/result/pdf/13a_wct.pdf
  • You might also like

    12 comentários:

    1. Competição muito morna pelo jeito. EUA liderando pra variar, ta ficando sem graça isso, rs.

      ResponderExcluir
    2. Torcendo pro Sasaki levar uma medalha.
      Eu adorei que você ficou postando as notas dos participantes.
      Ps :No masculino você disse Salto .mas foi Solo

      ResponderExcluir
    3. Ainda torço muito pela Qiushuang! Sei que ela vai dar a volta por cima na trave e no solo!

      ResponderExcluir
    4. Não é essa americana Peyton que é forte (dificilmente fará parte do time A dos EUA que vai pros mundiais e Olimpíadas) são as outras ginastas que não são tão fortes.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. a americana é boa seria ginasta top em varios paises, mas a realidade é os estados unidos renovando e o resto do mundo sofrendo

        Excluir
    5. E deu Japão no Tokyo Cup - Asuka Teramoto ficou com o ouro, Peyton Ernst com a prata e Elsabeth Black com o bronze. Numa diferença minima, a prata da casa bateu a ianque por meros 275 centésimos. Nas demais colocações, o cenário ficou o mesmo. Prova que não há ginasta ou time imbatível neste novo ciclo.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. mas a peyton é time b americano e perdeu porque caiu, depois dessa falha não deve nunca mais voltar ao cenário internacional, nos estados unidos é ganhar ou ganhar perdeu dançou, tem substituta

        Excluir
    6. Gente na boa USA cada vez mais mostrando siperioridade na ginastica vai chegar o momento que seus campeonato interno se tornará maior que o mundial,como já acontece em alguns esporte.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Pode até ser pois os EUA são a principal pot~encia da ginástica feminina na atualidade.

        Mas essa Peyton, que ficou em segundo em Tókio, dificilmente fará parte da equipe A dos EUA, muito fraca para os padrões norte americanos.

        Excluir
    7. A superioridade do time britanico em Linz ficou visivel por conta da consistencia do time. O que chamou a atenção foram os aparelhos vilões - no feminino, a trave(ao ponto de uma ginasta cair e levantar durante toda a rotina) e o solo - ou encolheram o tablado ou estão imitando o tombo de Ariella Kaeslin em Doha - tanto feminino como o masculino caindo para fora do tablado, a sorte que em Linz é um ginasio indoor, nao era em uma plataforma como no Qatar. Se Arthur Zanetti estivesse competindo, iria ganhar nas argolas com um braço amarrado - boa parte dos competidores nao conseguiam cravar as saidas, levando tombos espetaculares. Melhor sorte em Moscou.

      ResponderExcluir
    8. A chinesinha mostrou a que veio na World Cup do japão hein!
      Série de trave impecável:
      http://www.youtube.com/watch?v=jGeheSYDMW0

      Se ela não caísse nas barras, fecharia a sua participação com chave de ouro! :
      http://www.youtube.com/watch?v=myNxWoJNXDo

      ResponderExcluir
    9. Enquanto isso Aly Raisman está arrasando na Dança dos Famosos dos EUA. Percebi que ela está visivelmente gorda, mas isso ela perde depois. Percebi também que a cada semana ela está se soltando mais e surpreendendo. Proponho uma discussão, será que e Dança poderá ajudá-la numa melhor coreografia no exercício de solo?? Dificuldade ela já tem, e de sobra.

      http://www.youtube.com/watch?v=rhw9D0-Uwjo

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.