• Carta de uma mãe ginasta


    Muitos "fãs" criticam os ginastas, principalmente do Brasil, por resultados não esperados/alcançados. Pense um pouco: se você não ficou feliz com o resultado, imagina o atleta??? Se você for um desses "fãs", ler o que foi escrito por essa mãe te fará repensar as críticas numa próxima vez. Ginástica não se faz apenas dentro de um ginásio treinando um tsukahara para acrescentar um exercício de valor "E" na série... Ginástica se faz através de escolhas, escolhas que podem definir um futuro profissional cheio de alegrias construído por um passado de difíceis renúncias.

    "Queridos Meninos e Meninas do Intelligymnastics!!! (grupo de ginástica do Facebook)

    Oi Hugo, amei o vídeo, muitooooo obrigada mesmo, de coração. Você não imagina a felicidade de ver a nossa filha, é uma mistura de muitos sentimentos: saudade, orgulho, amor, carinho, felicidade, dor pela ausência, tristeza pela distância. Acho que tudo isso e mais um pouco resumem a minha necessidade de obter uma foto, um vídeo ou apenas uma notícia. 

    A ansiedade é grande, e o coração muito apertado. Minha filha era a minha companheirinha de todos os dias, do acordar ao dormir, minha melhor amiga, minha alegria, minha esperança. Estávamos sempre juntas. Era maravilhoso acompanhá-la em tudo sempre, levar à escola, aos treinos, nos terríveis trânsitos da cidade, nos shoppings, passeios, enfim... Coisas simples da vida que toda mãe tem com a sua filha. Mas um belo dia houve a necessidade de mudar de cidade, de clube, de vida, e de repente todas essas pequenas e tão importantes coisas simples, se tornaram só às vezes ou quase nunca. 

    É bem difícil, muito difícil... Acho que a gente com o passar dos anos se prepara para o crescimento dos filhos, cresce junto com eles e amadurece para isso. Mas nesse caso não, a Julie (Kim) saiu de casa criança, firme das suas convicções, com mil objetivos, abriu mão de toda uma estrutura, de uma vida, de um lar em busca de um sonho. Muitas vezes eu me pergunto: tem que ser muito gente grande para ter uma atitude assim, não é verdade??? Quantos de nós aos 13 anos (no caso dela), e outras até com bem menos, se sujeitam a isso? É muita coragem, muita determinação, muito amor a um sonho mesmo, não é? Quantos de nós abririam mão de tudo na vida por um esporte???

    É por isso que eu sempre digo: "Essas meninas, são crianças especiais sim, independente de qualquer medalha, classificação, já são campeãs da vida, nas escolhas, na perseverança, na fé que possuem, na luta constante em que vivem".

    Muitos me criticaram e criticam até hoje pelo simples fato de me acharem louca por ter aceitado deixar a minha filha partir, entregá-la a pessoas consideradas desconhecidas, e não estar ao lado na fase mais importante e difícil de sua vida. Às vezes me questiono sim por tudo isso, mas sei que é pelo bem, pela vida e sonho dela. Vivemos felizes por mais de 10 anos na Yashi, onde tudo começou, onde ela deu os primeiros passinhos e se desenvolveu nesse esporte, local que abriu todas as portas e consagrou esse sonho no coração dela. Dali, a grandiosa Yashi, só temos a agradecer.

    Hoje, no Flamengo, ela vive treinamentos mais intensificados com uma rotina bem mais pesada mas sempre feliz, ao lado de treinadores que hoje são como seus pais (Keli Kitaura e Francisco Porath), pois além de técnicos também fazem o papel de pai e mãe, o que não é fácil. E posso dizer que fazem da melhor maneira possível, pois entreguei a eles o meu maior tesouro e este está muito bem cuidado e criado. 

    Sou a mãe mais coruja do planeta, é um amor gigantesco, indescritível, vou acompanhá-la sempre, mesmo que de longe, vou estar perto, o mais próximo que eu puder. Agradeço muito a todos vocês: Hugo, Patrícia, Bernardo, Matheus, Thiago, Marcos, Bruno, Cedrick e tantos outros, que curtem esse mundo tão maravilhoso e lindo chamado ginástica, que nos colocam a par de tantas notícias, que acreditam nos nossos ginastas, e com isso divulgam e ajudam o nosso esporte crescer. Muito obrigadaaa!!!"

    Quem escreveu o texto foi Anita Rey, mãe da ginasta Julie Kim. Julie não é a principal ginasta juvenil do Brasil, mas é uma das principais atletas quem tem idade para 2016 e esteve presente no último Camping de Treinamento da seleção feminina de ginástica artística. Anita entende os sonhos da filha e sofre com os erros da filha, mas se alegra com as conquistas e vitórias. Anita é uma mãe ginasta.

    Quem garante que Julie estará presente nos Jogos de 2016? E quem garante que ela não estará? Seu julgamento em nada muda uma possibilidade que está bem longe de acontecer. O que todos sabemos é que a ginástica é uma caixinha de surpresas. Existem lesões, melhoras, pioras, mudanças de ideais, adaptações ao código de pontuação, crescimento ósseo, puberdade... Julie foi permitida por sua mãe a fazer escolhas muito sérias para simplesmente estar dentro dessa caixinha de surpresas. Na ginástica, nada é garantido.

    Essa é a história da Julie Kim, contada por sua mãe. Mas tem muitos pais de ginastas que têm uma história igual ou parecida para contar. É muito fácil sentar na frente do computador e apreciar uma série de ginástica, e julgar toda uma vida de renúncias e treinamentos em pouco menos de dois minutos. Agora eu quero ver você conseguir fazer um tsukahara bem executado! Acredite: essa provavelmente é a parte mais simples do treinamento de um ginasta.
  • You might also like

    23 comentários:

    1. Simplesmente,maravilhoso.
      Chorei.

      ResponderExcluir
    2. "Agora eu quero ver você conseguir fazer um tsukahara bem executado!",não faço pois não treino ginástica!
      A Julie não é exclusiva, toda ginasta e em todos os esportes se você não se dedicar não consegue resultados

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Jesus, você é um(a) retardado (a) profundo... Acompanho a Julie desde que a minha filha mais velha começou a treinar na Yashi - hoje já tenho a caçula de 7 la, treinando de 4 a 8 h por dia. A força de vontade, superação e suporte à dor dela e de suas amigas é inacreditavel!
        Ver a Julie Kim no solo era ver uma fada dançando... Ela é simplesmente divina.
        Tem razão, fazer um tsukahara é obrigação.. e é por isso que nós reconhecemos nossa obrogação de assumir que ela é uma vencedora com direito a post, fotos, notas e comentarios, e voce um(a) perdedor(a) escondido atraves do anonimato da internet, risos. Tadinho(a)...

        Excluir
    3. Meus Deus, o Brasil está perdido, se tsukahara é a parte mais simples e não vemos em séries brasileiras então...

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É por causa de idiotas como você que esse texto foi escrito.

        Excluir
      2. E mesmo assim parece que não adianta nada, continuam na mesma ignorância ou entendem e se fazem de bobos...

        Excluir
    4. Parabéns a essa mãe,cale a boca de pessoas que fazem críticas duras e as vezes até ofensivas a essas guerreiras. Não sabem o que é abrir mão de suas famílias,de seus estados e o mais sério,da infância, ignorar as dores que são muitas para correrem atrás de seus sonhos. Valeu!!!

      ResponderExcluir

    5. Se ser ginasta já não é fácil, imagine ser ginasta no Brasil. Essas meninas são guerreiras, e independente de qualquer resultado merece nosso respeito .

      ResponderExcluir
    6. O salto dessa foto ta um espetáculo!!!

      ResponderExcluir
    7. Nossa que Texto hein!

      Primeiramente gostaria de parabenizar a mãe da Julie, e a própria Julie pela simples fato de abrir mão de um da relação mãe/filho, visando um futuro. Uma atitude que certamente é muito complicada de se tomar na vida. Anita uma coisa você pode ter certeza que você certamente tomou a decisão correta (geralmente mães fazem isso hehe), deixou sua filha buscar o que ele realmente quer, embora isso custe muito tanto para você quanto pra ela, mas tenha certeza que uma hora ou outra isso tudo vai valer a pena!
      Segundo quero parabenizar o GBB por postar este texto, diferente de tudo que já vimos por aqui!
      Terceiro, espero que daqui pra frente algumas pessoas pensem duas vezes antes de escrever e postar comentários ofensivos sobre as ginastas, independente de cidade/estado/país, pois como diz o texto é muito fácil criticar, porém geralmente você que critica não consegue fazer melhor...

      ResponderExcluir
    8. Um "CHUPA" pra galerinha noob que só sabe criticar a ginástica brasileira. Todos sabem, só não temos uma país de elite nessa modalidade de esporte porque hoje ele é, infelizmente, tratado com descaso, raramente se vê um investimento relevante. Tempos melhores estão por vir, agora temos Alexandrov para ajudar na construção de uma nova história, na evolução de um novo ciclo, o ciclo RIO 2016! Sou otimista, confiante, raça nessa meninada toda, e fé, assim teremos ainda mais orgulho de toda essa 'determinação precoce' da juventude, que é o principal ingrediente para o sucesso de um atleta, seja ele como uma medalha no pescoço, seja ele com sua realização pessoal em praticar o esperto pelo amor.

      ResponderExcluir
    9. Linda estória, me reconheci, neste texto,sei exatamente,o que está falando. Parabéns pela matéria.parabéns para mamãe.

      ResponderExcluir
    10. Clarissa Bello Costa23 julho, 2013 14:43

      Lindo! Me identifico como ex atleta e como técnica. Parabéns a Julie e à sua mãe pela dedicação e por acreditar no seu sonho. Torço, de coração, pra que Julie esteja na equipe olímpica de 2016, pois sou admiradora da ginástica dela há tempos. Sucesso!

      ResponderExcluir
    11. Ok, então não quero ver ninguém criticar em outros posts as brasileiras, só quero ver daqui pra frente todos falando coisas boas, nem pensar em reclamar que a Jade ainda salta dty e lopez, que a Daniele tem a mesma paralela de sempre, que a Leticia não evolui, e principalmente renovação, reclamar pra que né? Afinal, todos ficamos muito felizes com a equipe em Londres, sabemos que elas estavam ótimas, que não cairam, fizeram o maximo de dificuldades, com a execução perfeitam, infelizmente so nao foram melhores porque as outras 11 equipes, sei la, tiveram um collant mais bonito, ou os arbitros dormiram na apresentação do Brasil! Que venha 2016!

      ResponderExcluir
    12. Nossa, que lindo. Não sei quem é mais guerreira na história, a mãe ou a filha. Trocar toda uma fase da vida por uma incerteza! Isso é espírito esportivo.

      ResponderExcluir
    13. O título correto não deveria ser "Carta da mãe de uma ginasta"?

      ResponderExcluir
    14. parabens a Julie e a sua mae,somos de Americana e conhecemos a historia dela,sou pai de uma ginasta que ainda está dando seus primeiros passos na ginastica e acaba de ser selecionada pela primeira vez para seleçao brasileira pré infantil.Adivinha que é sua ídolo na ginastica?: Julie. Continue assim,Julie e sua mãe,voces sao verdadeiras guerreiras!!!!

      ResponderExcluir
    15. Fabiano Araújo23 julho, 2013 19:21

      Muito bonito!

      ResponderExcluir
    16. Prezada mãe (Anita),sou treinador da G.A.F,e sei muito bem o que é deixar uma filha ir treinar em outro clube e principalmente em outo estado, por isso, quero parabenizá-la, pois o futuro de sua filha só você sabe, o futuro que os outros escolheram para seus filhos é outro. Também já tive uma atleta que treinava em Curitiba no Centro de Excelência na responsabilidade da Kelly e do Chico, hoje também tenho uma atleta no Flamengo, treinando com a Kelly e com o Chico e como voce bem sabe, sobre eles não cabe qualquer comentário, eles são simplesmente demais em todos os sentidos. desejo a voce e a Julie Kim muito sucesso e sejam felizes. Os outros são os outro e só. Um grande abraço.

      ResponderExcluir
    17. Fui uma Mãe Ginasta por 7 anos e acredito, sim, que todo empenho é passível de méritos! Parabéns à Julie, que quando criança era sempre parceira de pódio de minha filha nas competições em que se encontravam. Ela realmente é uma ginasta com muito talento, garra e muita vontade de chegar lá! Torço por ela!

      ResponderExcluir
    18. Texto muito bom e parabéns a mãe da Julie e a própria por terem essa força de vontade, determinação e garra... continuem nesse caminho.... Todos nós aqui, que acompanhamos a ginastica sabemos o quão é dificil evoluir e continuar nesse esporte, sabemos o quanto é desvalorizado e difícil, mas o que um Anonimo falou ali é verdade todo esporte no Brasil com exceção do futebol, nao tem investimentos e mesmo assim alguns conseguem ter varios resultados bons, nao estou falando que o Brasil nao tem, é só olhar pras copas que tivemos resultados com Jade, Diego, Adrian e Arthur...mas a gente quer ver resultados em Mundiais, Olimpiadas, a gente quer series de solo com valores de dificuldades bons, chega de DC, DG, queremos uma equipe acrobática forte e nós temos sim ginastas potentes pra isso.. enfim minha opinião. Um abraço !

      ResponderExcluir
    19. Imagino como deve ser difícil pra uma mãe deixar a sua filha partir em busca de seus sonhos,só nisso daí ambas já são guerreiras e campeãs.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.