• O que a ginástica reserva para 2014? - Parte 1


    Dezembro chegou, e com ele chegaram também mais alguns posts da série "O que a ginástica reserva..." Você já se pegou perguntando o que a ginástica reserva para 2014? Bom, pensando nisso, o Gym Blog Brazil preparou uma lista cheia de bons motivos para você esperar ansioso pela temporada do ano que vem. Os posts da série inclui atletas já conhecidas e também aquelas que prometem estrear em 2014 com o pé direito! Então, leia com atenção e decore todos esses nomes, porque você provavelmente ainda irá ouvi-los muitas vezes!

    ESTADOS UNIDOS

    Amelia Hundley

    Principal aquisição da equipe adulta norte-americana do próximo ano, é treinada por Mary Lee Tracy, na Cincinatti Gymnastics Academy, e tem em sua versatilidade e considerável consistência trunfos para chegar a grandes competições internacionais representando a maior potência mundial da atualidade. Integrante das seleções juvenis desde 2011, a ginasta foi um dos destaques da categoria no decorrer deste ano - 3ª colocada no P&G Gymnastics Championships. Seu ponto alto é o solo, onde consegue boas notas com um duplo esticado muito bom.



    Nica Hults

    Atleta do Texas Dreams, é um dos highlights de barras e trave do time de debutantes dos EUA. Vem conquistando posições de expressão nos Nacionais, sobretudo por suas pontuações superando os 14,500 em ambos os aparelhos. Hults é muito boa de trave e crava tudo, só não tem um mortal esticado muito bom. Confira essa série de 14.900.



    Polina Shchennikova 

    Nasceu em Moscou, mas se mudou ainda muito nova para os Estados Unidos com sua família. Polina, como sugere o nome, não foge à regra das grandes “UB workers” russas, atingindo um potencial de 6.3 de partida nesse aparelho. Entretanto, sua inconsistência tem sido um dos entraves para possíveis convocações a eventos internacionais pela seleção. Assista a série de Polina na paralela. Muito difícil, mas cheia de pequenos errinhos.



    Kyla Ross

    Depois de ter se afastado do individual geral e optado por competir como especialista para garantir uma vaga na equipe olímpica, Kyla voltou a competir em todos os aparelhos. Mais acostumada ao seu novo corpo, que passou por um estirão de crescimento, Kyla competiu na Antuérpia sem todas as duas dificuldades. Entretanto, com execuções que chegaria aos 10 pontos se ainda vivêssemos nos anos 90, Kyla conseguiu excelentes resultados no Mundial: foi prata no individual geral, prata na trave e prata na paralela. Tudo leva a crer que, protegida de lesões, Kyla será peça fundamental na equipe americana no ano que vem.



    Simone Biles

    Biles passou como um furacão em 2013, e mostrou que não tinha apenas um amanar para mostrar ao mundo. Com um potencial acrobático sem limites, batizou um novo movimento no solo (duplo esticado com meia volta), foi campeã individual geral no Mundial, campeã de solo, prata no salto e bronze na trave. A trave é seu pior aparelho (e acredito que não tenha merecido o bronze no Mundial), enquanto no salto ela ameaça ocupar o lugar até da própria McKayla Maroney. Além do fortíssimo amanar, Biles já apresenta o cheng em treinos, que também é excelente. Com certeza é uma ginasta garantida da equipe americana no ano que vem, com chances de repetir o ouro no individual geral e no solo e, quem sabe, conseguir mais um no salto.



    McKayla Maroney

    Maroney mostrou que pode ser boa em todos os aparelhos. Prestes ao Mundial começar, substituiu Brenna Dowell na trave e na paralela (por ordens de Martha Karolyi), e acabou competindo no individual geral. Terminou em 6º lugar com erros grandes na trave. Não fosse a regra de 2 ginastas por país, teria se classificado para a final do individual geral. Era esperado Maroney na final de solo mas, por causa de um erro da organização, que aplicou uma penalidade indevida por falta de atenção, acabou ficando de fora. No salto, Maroney mais uma vez foi campeã mundial, onde sua principal adversária foi outra americana. Sua personalidade forte e experiência nos leva a crer que será a capitã da equipe americana no Mundial do ano que vem.



    Elizabeth Price 

    Price tem a explosão como principal qualidade e característica apresentada em sua ginástica. Realiza com consistência e facilidade o amanar,sendo o terceiro melhor salto da equipe americana atualmente. Seu explosivo potencial também a ajuda a realizar uma série de solo com um duplo com dupla (H) e um duplo mortal esticado (F), ambos muito seguros e realizados com facilidade (D de 6.1). Mesmo tendo um biotipo atipicamente comum para uma especialista de barras, Price apresenta muito potencial nesse aparelho, treinando uma série de 6.8 de dificuldade, o que pode ajudar (e muito!) sua equipe no Mundial do ano que vem, pois trata-se do aparelho mais fraco da equipe norte americana.


    Brenna Dowell 

    Dowell destaca-se por sua praticamente impecável postura no solo e salto, seus melhores aparelhos. A ginasta é uma das únicas na história da ginástica artística feminina a realizar um duplo mortal carpado frontal no solo, elemento que ainda não está no código de pontuação feminino, e que se caso for realizado por ela no Mundial de 2014, receberá o nome ''Dowell'' e provavelmente valerá F. Brenna também consegue executar um tsukahara esticado na mesma série, exercício de valor máximo e que abre sua série de solo que tem uma nota de dificuldade de 6.2 em potencial. Seu salto também é um amanar e costuma ser o quarto melhor dentre as norte-americanas da atual geração. Na paralela é bastante original, porém muito inconsistente: uma largada Tweddle (realizada por apenas outras duas ginastas até hoje em competições) ligada diretamente a um voo para a barra baixa de costas, bonificando em dois décimos, além de outras duas variações de tkatchev vindo do giro de sola, montam uma série de 6.4. Ponto fraco: trave, que sempre compromete sua somatória no individual geral.



    Peyton Ernst

    Peyton Ernst pode ser considerada como a nova boneca de porcelana da atual ginástica americana. Sua doçura, leveza e flexibilidade, além de cativar o público, também ajudam a dar um "up" no que é considerado a sua especialidade: a trave de equilíbrio. Atualmente, com o número baixo de americanas consistentes e limpas, e com séries realmente difíceis nesse aparelho, Peyton pode garantir uma vaga para o Mundial com uma certa facilidade, caso ela apresente o que ela consegue fazer na trave em 2014. Sua série tem uma excelente nota 6.7 de dificuldade em potencial, sendo 0.8 em bonificações. Sua inconsistência nesse aparelho, no entanto, é um ponto bastante crítico. O salto de Peyton é um limpo yurchenko com dupla pirueta, salto comum entre as americanas e que pode não é necessário para a equipe em uma final. Suas séries de barras e solo são regulares, sem grandes notas de dificuldades e nem execuções excepcionais, mas que contribuem para que ela seja uma das cinco melhores "all arounders" americanas na atualidade.


    Texto de Bernardo Abdo, Stephan Nogueira e Cedrick Willian.

    Esse é o primeiro texto de 2013 da série " O que a ginástica reserva". Todo fim de ano faremos postagens sobre os maiores nomes que competirão no ano seguinte. O último texto será exclusivamente escrito sobre ginastas do Brasil.
  • You might also like

    44 comentários:

    1. Adoro as americanas !!

      São fortes e consistentes, diferentemente do russas que gelam e falham na hora H

      Go USA !!

      ResponderExcluir
    2. "a nova nastia" parece mais a Dementyeva kkkk

      the black power PRICE - BILES - DOUGLAS razô!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Está referindo a Bailie Key ( que vira sênior em 2015)

        Se sim, ela em nada parece com Dementyeva,que sempre foi pereba !!

        Saltando Amanar e melhorando sua coreografia no solo, Bailie Key tem tudo pra ser uma das melhores AAs do mundo !!!

        Excluir
      2. me refiro a Polina DÃÃ! russa representando USA!

        Excluir
      3. A sim !! Mas jamais a Polina foi comparada com Nastia.

        Sem comparação...kkk....Polina tem tudo pra ser uma ginasta B dos EUA, tipo uma Peyton Ernst

        Excluir
    3. Das júniors norte-americanas que virarão sêniors em 2014, acho que nenhuma têm chances de figurar entre as principais para 2016.

      Suas principais júniors virarão sênior em 2015 e 2016

      ResponderExcluir
    4. Cedrik, você é D+ !!

      Parabéns pelo post, e já na espera das outras partes...romenas, russas, chinesas, brasileiras, canadenses !!

      ResponderExcluir
    5. Cedrick, me corriga se eu estiver errado. No caso da apresentação de solo da McKayla Maroney no Mundial, a dedução de 1 décimo se deu pelo fato dela ter ultrapassado o tempo limite de 1'30'' e não por uma falha da organização.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sim, foi por isso, mas soltaram o cronometro antes da música começar. Eu estava lá pessoalmente, vi isso acontecer infelizmente. Ninguém entendeu.

        Excluir
      2. Cedrick, no Gymnastics Coaching alguns fãs se propuseram a cronometrar o solo da Maroney com base nos vídeos feitos pelo público, e todos chegaram ao tempo de 1 minuto e 31 segundos.

        Excluir
    6. não gostei o titulo deveria ser o que as ginastas AMERICANAS reserva para 2014, e opinando aqui já , tudo indicada que serão imbativeis em 2016, ja que nao vi nenhum pais ao seu nível em equipe, ainda estao longes, como em londres longe de alcançá-las, flavinha saraiva bora dificultar esse salto , barra e solo , que pra mim são de dificuldade baixa ! uma vez que no gymnasiade o brasil ganhou no solo e trave por causa do erros de russas e inglesas... nessa séries e bem superior ao brasil em questão de dificuldade. #impressionado com a ousadia da russia e inglaterra

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Essa é apenas a primeira parte, você leu o título do post?

        Excluir
      2. Sim . Mas o termo ginastas e aberto pode ser qualquer uma dai so tem americas... entendeu

        Excluir
      3. Você que não entendeu cara... Isso é uma série com análises das principais ginastas, dos principais países entitulada "O que a ginástica reserva para 2014". Como fica bem explicado no texto, as primeiras são as americanas e posteriormente as outras. Não tem absolutamente nada de errado com o nome da série ou que cause confusão quanto a ele... É "apenas"
        o nome da série...

        Excluir
      4. Aprende a escrever primeiro antes de criticar!

        Diego

        Excluir
    7. Muito bom!!

      A equipe americana sempre com renovações impressionantes a cada ano! É surpreendente a quantidade de novas atletas de ponta. No entanto é uma ginástica que não enche os olhos de muita gente (assim como os meus). Na TF do mundial 2014 e finais de salto e solo, é quase certo o lugar mais alto do pódio para elas. Mas, as outras equipes tbm vão encarar pau a pau essa encrenca.
      Na minha humilde visão, vejam o que tiraria algumas medalhas das americanas:

      No AA :
      Mustafina dificultando o VT para acima dos 6.0, executando a mesma BB da TF de stuttgart 2013, a mesma UB e solo do AA do mundial 2013 é certeza de ouro.

      BB EF: Larissa já é campeã (se não cair)

      UB EF: Yao Jinnan é o nome a ser batido na UB em 2014.

      Tem também atletas que podem surpreender, como a Komova, Afanasieva, Iordache...

      Vamos ver...

      Ansioso pelo próx post. Tem data para postar?

      Diego

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não acho que Mustafina sera campeã do AA, da mesmo forma que ela ira atualizar as suas series, as americanas também atualizaram, o solo de biles parte de 6.5 e ela tem condições de fazer um duplo com dupla esticado porque ela tem muita altura em seus vôos! Ano que vem agente vai vê

        Excluir
      2. você estar muito errado, a única que pode ser bater uma americana no AA É JUSTAMENTE KOMOVA , mustafina não tem mais chance , ao meu ver ela não ganha nem da kyla

        Excluir
      3. Como assim a Komova pode surpreender? Ela é o nome a ser batido, umas das melhores da atualidade, ela voltando a treinar e ocorrendo tudo certo, é um grande nome para o ouro no AA...

        Excluir
      4. Também temos katelyn Ohashi como uma das melhores na trave, até melhor que a Larissa Iordache.

        Excluir
      5. A Valentina Rodionenko também falou que a Mustafina estava acabada para a Ginástica qndo ela teve a lesão em 2011 e o que Aliya mostrou para ela: 04 medalhas olímpicas e 3 mundiais. Acho que ela briga pelo AA com ctza, tem uma UB fantástica e está mais confiante no BB, dificultando o VT vai brigar de igual para igual com as Americanas. Quanto à ganhar da Kyla, acho que no Mundial se o resultado fosse justo ela teria ganhado, a nota do salto da Kyla foi inflada e a nota da Mustafina na trave foi mto inferior, isso pq ela competiu lesionada, se tivesse 100% era um salto para mais de 15 e uma UB de 15,500 para cima. Agora se a komova voltar em alto nível vai ser o nome a ser batido, só falta a ela confiança pq ginástica ela tem de sobra. Mas não podemos esquecer que no próximo ano temos Gabby, Aly e Jordyn voltando, então a briga vai ser bem maior do que pensamos, acho que vai ser um ano incrível e a ginástica reserva mtas surpresas... quem pensaria que a Iordache não seria campeã da trave? ou que Afanasyeva e Bulimar não participariam do mundial... tudo depende das lesões...

        Excluir
      6. Biles acertando tudo no AA, acho difícil alguém vence-lá.

        Excluir
      7. Katelyn Ohashi praticamente não existe mais,não sei se você sabe...

        Excluir
      8. Sobre a Komova,ela tem talento pra isso,assim como a Mustafina.Agora se uma delas ou ambas estarão prontas para serem campeãs mundiais no AA,só saberemos com o tempo

        Excluir
      9. Ohashi melhor que Iordache????????????????? kkkkkk
        É DOIDO!!!

        Excluir
      10. Ohashi tem séries de dificuldade na trave que passam dos 7.0... e pode sim brigar e vencer a Iordache...

        Excluir
      11. Olhem só essas séries da Ohashi:

        http://www.youtube.com/watch?v=hyPjVXELCbQ
        http://www.youtube.com/watch?v=Fe8zg_mzHnc
        http://www.youtube.com/watch?v=wnuD1cX9Q3w

        essa última não sei se esta correto o score d...
        mas mesmo assim séries excelentes...

        Excluir
    8. Vai ter um das russas

      ResponderExcluir
    9. falou da kyla. acho que faltou algo sobre as outras campeãs olímpicas e algo sobre as que não foram pra Olimpíada mas eram tops, tipo a mykayla skinner e sarah finnegan. alguma notícia da linda da katelyn ohashi?

      o texto ficou muito bom e nos faz criar muita expectativa. espero que as máquinas norte-americanas não se lesionem.

      ResponderExcluir
    10. Ah, a fabrica de ginastas chamado Estados Unidos.

      ResponderExcluir
    11. USA sempre andando na frente,as outras equipes tem que realmente correrem para alcançar.

      ResponderExcluir
    12. Essas ginastas americanas são as favoritas para estarem em 2015 e 2016,gostei do post,mas acredito que a equipe de 2016 se tiver alguma veterana, vai ser maroney ou a biles,daqui pra lá só Deus e martha karoly sabem!
      As americanas sempre começam inconsistentes,pra isso é realizado 2 torneios no próprio país,para tirar as dúvidas dos técnicos e quando chegam em mundiais e olímpiadas olhem o que elas fazem!
      Isso deveriam acontecer em nosso país quem sabem ñ teriamos uma ginastica melhor!

      ResponderExcluir
    13. SIMONE BILES tem tudo pra ser bi campeã mundial ela não tem concorrente ao altura que possa vence-la em se ela certar tudo

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. discordo..Komova soma mais de 61 bricando!...se num amarelasse!

        Excluir
      2. Acho que a Biles tem concorrente no próprio país, pensando na equipe olímpica americana até a Aly Raisman (que era a 3ª AA americana) compete com a Biles, tem a mesma partida da Biles no solo e uma execução melhor, é pior que a Biles na paralela mas compensa na trave e salta amanar tbém, agora se a gente pensar em Jordyn e Gabby que são melhores ainda, podemos concluir que a Martha Karoly tem uma dor de cabeça ótima para montar o time do próximo ano.

        Excluir
      3. Komova, Jordyn Wiebber e Douglas vão destrui-la se voltarem !

        Excluir
    14. Invejo a potência dos Estados Unidos em produzir ótimas atletas e dar a assistência devida para que elas possam triunfar em meio as outras delegações. Como eu queria que aqui no Brasil fosse assim. Produzimos boas atletas, mas que, na minha opinião, não podem mostrar todo o seu potencia por medo de acabarem prejudicando a sua capacidade física por falta de equipamentos devidos e da assistência que o governo deveria dar a todos os atletas que defendem o país. Lastimável, mas é a realidade. Porém, sempre estarei na esperança de que, mesmo com todos os desafios, a ginástica tanto masculina quando a feminina, consiga produzir mais alguns "Zanettis" e "Daianes" que possam encher nossos corações com muitas emoções. Muito bom o post Cedrick! Estava ansioso para ver estes posts assim como foi no ano passado! Esperando pelos meus xodós russas, romenas e brasileiras, claro! Grande abraço!

      ResponderExcluir
    15. Se Komova melhorar o Amanar e a consistência geral será capaz de bater a Biles... já Marroney acho que não dura muito tempo, Simone tá alcançando seu programa no salto e ainda sendo AA. Mustafina... enfim... vai ter que melhorar o salto, será que ela volta ao nível de Roterdã?

      ResponderExcluir
    16. Ano passado vi "O que a ginástica reserva para 2013" e realmente não dei importância para Kyla Ross (o que essa garota ainda tem pra fazer?)... Não deu outra, prata no AA, na trave e nas barras

      ResponderExcluir
    17. As ginastas norte americanas são a maior potência porque tem investimentos milionários nesse esporte lá, além de que os melhores treinadores europeus do mundo também são quase todos contratados por eles deslumbrados com a dimensão do investimento que recebem. Criou-se um monopólio norte americano na ginastica artística hoje imbatível!

      ResponderExcluir
    18. ah, mas hoje nao existe mais time ingenuo na ginastica - onde veriamos há alguns anos sul-africanas subirem em podios, egipcias fazendo amanares, desastrosos é verdade, mas fazendo e paises como suiça, norte da europa e até mesmo a grande surpresa do ano, MONACO, isso mesmo, Monaco ganhando certames importantes? sem falar que os EUA, a grande sereia dos mares ginasticos, está perdendo o encanto para os euros e os petrodólares que estáo contratando treinadores do leste europeu com gordos salarios e estruturas de cair o queixo? 2014 veremos o que vai resultar disso.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.