• Raisa Ganina fala sobre Aliya Mustafina


    Reportagem bem interessante feita com Raisa Ganina e Aliya Mustafina um pouco antes do Mundial da Antuérpia, no ano passado. Tradução de Marina Aleixo para o vídeo abaixo.



    Aliya Mustafina é uma das melhores ginastas do mundo. A campeã mundial e européia no individual geral em 2010 sofreu uma lesão que ameaçou o fim de sua carreira em 2011. Seu retorno e performances de destaque nas olimpíadas de Londres no ano passado confirmaram seu status como uma das ginastas mais talentosas e determinadas de sua geração.

    Raisa Ganina: "Ela tem a técnica, é uma ginasta brilhante. Ela é uma daquelas que você pode dizer que nasceu com um collant. Claro, ela é teimosa de vez enquando, mas eu não penso que seja porque ela não quer fazer algo, mas porque há muita pressão aqui. Ela está se preparando para o Campeonato Mundial no momento (referindo-se à Antuérpia, 2013) e esta é uma enorme responsabilidade, porque ela quer se sair muito bem."

    Mustafina é conhecida por sua força de vontade e determinação. Em um esporte onde longas e intensas sessões de treinamento são a base do relacionamento entre atleta e treinador, a atleta de 18 anos é conhecida por chegar a ficar sem conversar com seu treinador por dias seguidos.

    Aliya: "É difícil para o treinador trabalhar comigo, pois todo mundo diz que eu tenho uma personalidade difícil, o que pode ser complicado de lidar."

    Raisa Ganina: "Trabalhar com grandes ginastas não é fácil. É interessante, uma enorme responsabilidade, mas muito complicado. A personalidade da Aliya está agora completamente formada... Ela não é mais aquela menininha que era quando nos conhecemos em 2003. Ela entende a ginástica extremamente bem agora. Às vezes acontece de discutirmos um pouco, e às vezes estamos em paz... Mas sempre estamos ali para dar suporte uma a outra, e quando nossos problemas emergem, tentamos resolvê-los de maneira construtiva."

    Uma especialista de paralelas, Aliya tem genes de atleta. Seu pai ganhou uma medalha de bronze para a União Soviética como lutador greco-romano nas olimpíadas de Montreal em 1976, e sua irmã mais nova, Nailya, também é uma atleta sênior da Rússia. Mas sua técnica pessoal vê o talento de Aliya como 'único'.

    Raisa Ganina: "Ela é uma atleta excepcional. Há apenas uma ou duas outras ginastas como ela nascidas a cada 100 anos. Seus músculos são extraordinários, ela não esquece de nada. Tivemos um incidente recentemente, antes dos jogos da Universíade, onde Aliya ficou de cama com gripe por uma semana. Colocaram ela no soro, ela tomou injeções, mas ainda assim participou da competição uma semana depois... e ganhou! Seu corpo não esquece uma coisa sequer. Ela é uma ginasta, uma ginasta com "G" maiúsculo."

    Essa não foi a primeira vez que Aliya superou uma adversidade. Depois de se estabelecer como uma força dominante de seu esporte, ganhando ouro com seu time e no individual geral no Campeonato Mundial de 2010 em Rotterdam aos 16 anos de idade, um desastre a atingiu no ano seguinte: nas finais do salto no Campeonato Europeu, Aliya caiu, rompendo seu ligamento cruzado do joelho esquerdo. Com uma lesão que ameaçava o fim de sua carreira, foi necessária cirurgia imediata. Na época, Mustafina era a atleta mais bem ranqueada do mundo. As suas esperanças para as Olimpíadas de Londres foram tiradas de questão por muitos.

    Aliya: "Voltar daquela lesão foi muito difícil... Especialmente pelos primeiros 4 meses, quando eu não podia fazer nada. Eu estava no centro de treinamento o tempo todo, assistindo as outras meninas treinarem e se prepararem para as Olimpíadas, eu queria tanto me juntar ao time... poder pular, fazer qualquer coisa, mas estava proibida. Aí, comecei a saltar de novo e a recuperar o fitness... e não foi fácil! Foi como começar de novo, desde o princípio, mas valeu a pena."

    Aliya saiu das Olimpíadas de Londres como a ginasta mais condecorada dos jogos entre os homens e mulheres. Individualmente ela ganhou o ouro nas paralelas, assim como medalhas de bronze no solo e no individual geral. Foi também crucial para a medalha de prata da Rússia por equipes. Um ano depois das Olimpíadas, nós encontramos com o time russo enquanto elas se preparam para o Campeonato Mundial que está por vir (referindo-se à Antuérpia, 2013). O time mora e treina no centro de treinamento nacional, que é situado no subúrbio de Moscou.

    Ksenia Afanasyeva: "Aliya é uma menina legal, nós somos boas amigas. Nos encontramos com frequência fora do ginásio, e saímos também. Nós nos falamos no telefone sempre... Mesmo que ela seja um pouco mais nova que eu, temos muitos interesses em comum. Ela é uma menina inteligente, e eu acho interessante estar com ela. Somos todas amigas aqui, e tudo é ótimo."

    Aliya: "Somos como uma família e oponentes ao mesmo tempo. Quer você queira aceitar ou não, temos competições pessoais para nos preocupar, e não apenas as do time. Nós somos oponentes quando temos que ser, mas como uma família quando realmente importa."

    2013 foi um ano de sucesso sem parâmetros para Aliya Mustafina. Mantendo a coroa de campeã russa no individual geral, ela também ganhou o Campeonato Europeu, tanto no individual geral como nas paralelas. Nos jogos do Universíade, em sua terra natal, ganhou o ouro por equipes, individual geral, paralelas e uma prata na trave. Cada vez mais ela vem sendo mencionada ao patamar da última russa de extremo sucesso, Svetlana Khorkina.

    Raisa Ganina: "Claro, é inevitável, nós todos lembramos de Svetlana Khorkina, ela foi uma ginasta brilhante e nós sempre a levantamos como exemplo. Ela mesma diz que ela e Aliya são parecidas em algumas coisas. Elas são similares no frescor, e na força de espírito... é o que eu diria. Mas não gostam de serem comparadas desse jeito, a atitude é: "Eu sou Svetlana Khorkina" e "Eu sou Aliya Mustafina". Mas eu também trabalhei com a Khorkina como coreógrafa, e diria que "conquistar seus objetivos" é algo que ambas sabem como fazer. Elas irão sempre completar as tarefas que alinharam para si mesmas."

    Com o Campeonato Mundial de ginástica de 2013 prestes a começar na cidade belga de Antuérpia, a próxima tarefa para a rainha da ginástica russa é clara: reconquistar as coroas do time e o individual geral, que ela obteve pela última vez a três anos atrás. Nós a desejamos sucesso.

    Nota do GBB: Aliya Mustafina saiu da Bélgica com um ouro na trave, um bronze no individual geral e outro bronze na paralela. Foi a única ginasta russa a conquistar medalhas no Mundial de 2013.

    Foto: Up Photos
  • You might also like

    2 comentários:

    1. Alya , mais uma vez campeã russa!
      Parabéns!

      ResponderExcluir
    2. Ela é a ginasta mais linda e elegante do momento, torço sempre por ela!

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.