• O que a ginástica reserva para 2015? - Parte 2


    CHINA

    Wang Yan

    Forte e explosiva, Wang Yan foge ao estereótipo da ginasta chinesa, e com status de bicampeã olímpica juvenil, é “a luz no fim do túnel” pra seleção adulta, que sofre pela pouca renovação dos últimos anos. Yan é surpreendentemente especialista em três aparelhos, e promete elevar os somatórios da China no salto, apesar de pequena, e no solo; no primeiro, apresenta dois saltos de valor igual e superior a 6 pontos (Rudi e Tsukahara com dupla pirueta), e no segundo, duas passadas E – Tsukahara grupado e a sequência de 1.5 ao passo ligada indiretamente a tripla pirueta. Na trave, seguindo a tradição chinesa, apresenta elementos complexos (flic-flic-mortal esticado, mortal grupado pra frente com meia-volta e tripla de saída) com execução por vezes impecável. Nas barras, porém, não se destaca, especialmente pelo nível altíssimo de toda a equipe.



    Yao Jinnan

    No último Mundial, Yao Jinnan foi o maior nome da China. Liderou a equipe chinesa para a prata na final por equipes, além de terminar com o ouro nas barras assimétricas e quase beliscar uma medalha no individual geral, onde terminou na 5ª colocação. A ginasta também esteve na final de trave, onde acabou na última colocação. Jinnan possui a melhor série de barras da atualidade, além de contribuir bem com a equipe no salto (onde apresenta um yurchenko com dupla pirueta) e na trave.Tirando as fatalidades que ocorreram e podem acontecer para qualquer uma, Jinnan é um nome praticamente certo esse ano, exceto por uma possível lesão no ombro, de acordo com rumores que correm atualmente. Com certeza a ginasta faria muita falta para a equipe chinesa que, além de precisar muito dela, tem em Jinnan uma das maiores chances de medalha para o país.



    Huang Huidan

    Campeã mundial em 2013, Huidan continuou com um bom trabalho nas assimétricas em 2014 ficando com a prata, colada na sua compatriota Yao Jinnan. A ginasta competiu no Mundial de 2014 apenas nas assimétricas e na trave, mas pode ser considerada a ginasta mais consistente da equipe atualmente. Apesar de ter um solo relativamente fraco (D 5.2), talvez Huidan tivesse pontuado melhor nesse aparelho do que as ginastas que foram selecionadas para apresentá-lo no Mundial... A consistência dela no último Mundial foi essencial para que a ginasta seja apontada como um grande nome da China esse ano. Ela pode contribuir bem para a equipe novamente na trave e assimétricas além de ter grandes chances de ganhar mais uma medalha em seu principal aparelho.



    Bai Yawen

    Bai Yawen é uma ginasta extremamente agradável de assistir, sobretudo por seus limpíssimos exercícios de trave e solos com bom gosto, tanto na escolha musical quanto na coreografia. Bai, no entanto, é uma ginasta com poucas dificuldades no geral, tirando, claro, seu exercício de trave, que já teve 6.5 de nota de dificuldade em potencial, mas que por conta de simplificações se manteve apenas em 6.2 no Campeonato Mundial do ano passado, quando ela se tornou medalhista de prata na final desse aparelho. No salto a ginasta chinesa apresenta um simples, porém bem realizado, yurchenko com pirueta. No solo, seus elementos acrobáticos mais difíceis valem apenas D, deixando sua nota de dificuldade muito abaixo do que a China precisaria pra uma disputa por equipes. Sua série de barras é ainda mais simples, não conseguindo sequer cumprir todas as exigências do aparelho (saída de duplo carpado). Resumindo: a força na trave é tudo que manteve e pode manter Bai Yawen na equipe da China em 2015.



    Shang Chunsong

    Shang Chunsong é uma ginasta com dificuldades variadas e bastante originais em quase todos os aparelhos, tirando o seu ponto fraco: o salto sobre a mesa. Sua nota de dificuldade é na casa dos 5 com um simples yurchenko com pirueta. Sua fraqueza a impede de ser a ginasta mais completa da equipe, mesmo mostrando força na trave e solo, aparelhos nos quais ela foi campeã nacional em 2014. A pequena ginasta, no entanto, peca na consistência e execução desses aparelhos, com problemas de ponta de pé, joelhos relaxados e, em alguns casos, tronco muito baixo. Mesmo assim Shang tem grandes chances de se manter na equipe, já que no Mundial de 2014, em Nanning, ela foi a melhor ginasta chinesa no solo, conseguindo alcançar a marca dos 14 pontos. Se a atleta conseguir melhorar seus erros de execução, sua série de solo pode não só garantir uma final por aparelhos no Mundial como também tem nota D suficiente até pra medalhar caso acerte os elementos corretamente. A atleta tem pretensão de acrescentar um moreno (tripla pirueta e meia) + mortal carpado na série, algo que ela treina desde antes do Mundial. Recentemente, Shang se mostrou capaz de realizar mais upgrades nos elementos de dança: um triplo giro na posição cossaco (valor E) e um illusion ligado diretamente ao gomez, ligação que bonifica em um décimo. Com tudo que ela tem a intensão de colocar na série de solo, Shang poderia alcançar os 6.8 de dificuldade, algo muito acima do que já foi alcançado por uma ginasta no feminino enquanto vigora o atual código de pontuação (até hoje a maior nota D foi um 6.5). Sua série de trave também tem uma nota de dificuldade monstruosa em potencial: um 6.9, incluindo o flic + layout + layout que a chinesa não realizou no Mundial do ano passado e com todas as ligações e elementos devidamente validados. Nas barras, Chunsong também já alcançou 6.9 de nota D, mas está constantemente simplificando sua série ou errando alguma parte dela.



    Tan Jiaxin

    Tan Jiaxin fez uma ótima estreia em 2014 e o sucesso na equipe pode continuar em 2015. Ela fez um bom trabalho nas classificatórias, onde só não competiu na trave. Jiaxin é muito boa de solo e salto (ela conseguiu um 15.133 no yurchenko com dupla pirueta) - pontos fracos da atual equipe chinesa - e ainda contribui com mais de 15 nas assimétricas (D 6.9). Sua passada de pirueta e meia ao passo para tripla bonifica 0.2 e ainda pode ser incluído um mortal pra frente depois da tripla (como sua compatriota Chunsong faz), já que Jiaxin é consideravelmente explosiva se tratando de uma chinesa. Aumentar a dificuldade de sua série de solo a deixaria mais "lock" ainda no Mundial, já que a equipe chinesa está com um dos piores solos desde 2008.



    Texto de Cedrick Willian, Stephan Nogueira e Bernardo Abdo.
    Foto: Wagymnastics

    Esse é o segundo texto de 2015 da série " O que a ginástica reserva". Todo fim / começo de ano faremos postagens sobre os maiores nomes que competirão no ano seguinte. O último texto será exclusivamente escrito sobre ginastas do Brasil.
  • You might also like

    10 comentários:

    1. O brasil pode ficar na frente da china em 2015.

      ResponderExcluir
    2. Brasil a Frente da china ? humm não sei não viu! O Brasil tem Rebeca que pode pontuar muito bem no VT e FX, Flavia BB e FX ( desde que aumente a dificuldade do FX) Jade VT BB( se acertar) e FX ( se estiver inspirada), o Brasil e fraco na UB, pra passar as chinesas, elas precisam de um trave acima dos 15.000, e bons solos e de 2 Amanares ! ACHO DIFÍCIL !!

      ResponderExcluir
    3. Para mim também é possível um Brasil a frente da China. As brasileiras em tese não têm UB, mas as chinesas em tese não têm nem VT, nem FX. Por hora vejo o Brasil com vantagem. Se somos ruins na barra, as chinesas são tão ruins quanto no salto, e um desastre no solo.
      Bem que a Daniele podia se dedicar só as barras, e realizar o último milagre da carreira, mas daí já é sonhar demais. E não vejo nem Brasil nem China ameaçando as americanas não.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não acho que as Brasileiras passam a China, pra passar as chinesas, as Brasileiras deveriam ter o VT , BB E FX muito forte, mas infelizmente esses aparelhos não são tão fortes ! jade tem um boa dupla, e pelo que vejo não pretende tentar um amanar, Rebeca salta muito bem , e já vem realizando o amanar, Flavia treina uma dupla, mas todos sabem que Flavia não e explosiva, e se realizar uma dupla a pontuação não sera muito alta.

        Na trave as Brasileiras conseguiram passar dos 14.000 (se acertarem ) Flavia pode chegar as 15.000, mas o resto não.

        UB desastre total.

        FX passam dos 14.000

        Excluir
    4. Nossa como a Cheng Fei faz falta, salvaria a China no VT e FX.

      A China tem chance de bater a Rússia e Romênia na competição por equipes no Rio, desde que não caiam na UB. Quase todo ano é a mesma coisa, as chinesas caem nos seus aparelhos mais fortes (UB e BB), talento não falta, só precisam acertar na hora certa.

      Desculpa gente mas o Brasil não é ameaça nenhuma pra China. Nossos adversários são Austrália, Japão e Canadá. Na melhor das hipóteses vamos competir com a Itália e Grã-betanha que estão se tornando grandes potências na GAF.

      Que Deus proteja Rebeca, Flávia e Jade, são as nossas únicas esperanças pra 2015 e 2016 (precisamos da classificação). Muitas juvenis de 2012 parecem ter ficado só na promessa mesmo, uma pena. Do jeito que tá vejo Daniele na equipe em 2016.

      Elas tiveram camping no novo centro de treinamento semana passada, alguém tem alguma notícia?

      ResponderExcluir
    5. Gente, e esses carões da Chunsong no solo???????
      Morro quando focam nela depois que ela crava a TRIPLA+MORTAL

      KKKKKKKKKKKKKK

      ResponderExcluir
    6. China tem potencial suficiente para bater a atual Russia e conquistar o segundo lugar, porém, não oferece qualquer ameaça às Americanas. Acredito que esse ciclo fique EUA, China, Russia e Romênia e os outros países brigando pelas posições abaixo do pódio. Infelizmente não podemos idealizar uma competição na qual as Brasileiras fariam suas séries perfeitas e pouco descontadas, vale salientar também que equipes como Grã-Bretanha, Austrália, Japão, Itália e até mesmo a Alemanha estão preparando equipes com potencial igual ou até mesmo melhor que a nossa. Esse ano será muito importante para adaptar e fixar as séries do ano Olímpico das meninas, o que nos resta é torcer e apoiá-las. Ao meu ver, uma equipe competitiva seria composta por Jade, Rebeca, Flávia, Lorrane e Mariana. Elas possuem potencial olímpico e aparentemente possuem séries que possibilitam upgrades que as tornam mais competitivas. Em boa forma, inspiradas e em suas melhores fases, acredito que elas poderiam competir diretamente com a atual equipe da Romênia e até mesmo com a Russa, mas esse tipo de especulação ainda não cabe nesse momento, no mais, boa sorte para as meninas. Vai Brasil!

      ResponderExcluir
    7. Gente, alguem me explica porque a Bai yawen tirou menos de 9 de execução com essa série que foi postada aqui??

      Ela não desequilibrou nada..!! tudo com amplitude, altura e ponta de pé !!!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Como diria a Dedéia ''Ficar ali enrolando, disfarçando e mexendo os bracinhos pra respirar não é mais permitido''

        Excluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.