• O que a ginástica reserva para 2015? - Parte 7 - Seleção feminina do Brasil


    Estamos quase chegando ao fim da nossa série "O que a ginástica reserva" de 2015, com o tão esperado post sobre a seleção feminina, que teve a maior e melhor renovação dos últimos anos. São várias as ginastas que sobem para a categoria adulta esse ano. Tentaremos falar um pouco sobre a maior parte delas e, claro, sem esquecer as veteranas!

    Flávia Saraiva

    Primeira medalhista olímpica da ginástica feminina do Brasil, Flávia fez história nos Jogos Olímpicos da Juventude em 2014. Não apenas competiu muito bem como levou para casa 3 medalhas: ouro no solo, prata na trave e individual geral. Com uma série de barras assimétricas ainda um pouco fraca, Flávia mostra que pode muito nos outros aparelhos: já apresentou, em treinos, uma série de trave com potencial de mais de 6.5 de nota D; um yurchenko com dupla pirueta no salto e uma sequência de pirueta e meia de costas + dupla pirueta de frente no solo. Tem como ponto forte a sua parte artística, que é incrível! Flávia esbanja simpatia e é extremamente limpa. Ela não só executa uma série de solo, ela interpreta uma coreografia que deve dar um certo orgulho a quem criou. Conquistou a simpatia do Brasil e do Mundo, assim como dos árbitros e juízes que tiveram a oportunidade de julgá-la. Sem dúvidas estará na equipe esse ano assim como não há dúvidas de que seu sucesso já é uma realidade.



    Rebeca Andrade

    Talvez uma das melhores ginastas da atualidade, Rebeca chega a categoria adulta gerando muitas expectativas em todos que acompanham a ginástica de perto. De acordo com as séries que já apresenta, pode figurar entre as 5 melhores ginastas de individual geral do mundo. Possui um amanar no salto com pouquíssimos erros de execução; já conseguiu um 14.100 nas assimétricas em uma competição internacional; tem uma trave com boa dificuldade, apesar de ainda insegura; solo com acrobacias e ligações muito difíceis e muito bem executadas. Nesse último aparelho possui um leque de acrobacias: duplo mortal com dupla pirueta em fase de treinamento; duplo esticado; tsukahara grupado; flic sem mãos + tripla pirueta; dupla pirueta e meia de costas + pirueta de frente. Está evoluindo também nas assimétricas, onde já apresenta algumas ligações e treina um exercício muito difícil: o nabieva, até hoje executado apenas pela ginasta russa que o nomeou. Para as finais de salto tem um podkopayeva como segundo salto, mas sua potência leva todos a acreditarem que esse salto pode evoluir para outros mais difíceis. Sem querer colocar a ginasta em uma situação de pressão, Rebeca Andrade é indispensável para a equipe no mundial desse ano, onde acontece a classificação do Brasil para os Jogos do Rio.



    Milena Theodoro

    Especialista de trave e solo, Milena chega à seleção adulta com chances reais de figurar entre as escolhidas pro Mundial de Glasgow. Com exercícios de dificuldade e boa execução em seus melhores aparelhos, pode facilmente se destacar, precisando apenas controlar os nervos da competição. Na trave, alguns de seus elementos e combinações são rondada + mortal esticado, cortada com meia-volta, reversão + estrela sem mãos, rondada + flic + duplo grupado de saída; no solo, duplo twist grupado, dupla e meia + pirueta, duplo giro em L. Nas barras e no salto, ainda não é uma das fortes concorrentes, apesar de treinar elementos difíceis no primeiro (pelo mostrado no ano passado, alguns probleminhas de postura precisariam ser corrigidos pra que seja considerada em uma possível lineup).



    Thauany Araújo

    Mais uma das promessas do Flamengo conduzida por Keli Kitaura, Thauany possui potencial visível no salto e nas barras, além de dinamismo e elementos interessantes na trave (sissone + estrela sem mãos, giro em L, rondada + flic + duplo grupado). No primeiro, compete desde bem nova um Yurchenko com pirueta e meia, que veio melhorando com o passar do tempo; no segundo, faz exercícios de bom valor, incluindo a combinação de Maloney + shootover, Tkachev e saída em duplo pra frente. O solo é atualmente seu aparelho menos competitivo, apesar da coreografia super expressiva e de elementos de dança muito bem feitos. Lesionada, passou uma parte considerável do ano afastadas das competições, sendo esse o motivo, provavelmente, pra menor quantidade de upgrades apresentados em competição.


    Lorenna Antunes

    Formada pela base do Flamengo, Lorenna é hoje uma das integrantes da equipe do Cegin, e tem conseguido resultados expressivos desde que foi treinar em Curitiba. A melhora é visível em todos os aparelhos, sendo agora uma das concorrentes a vaga na equipe que disputa o Pré-Olímpico na Escócia. No salto, já apresenta um Yurchenko com pirueta e meia, precisando apenas de consistência. Nas barras, tem elementos interessantes (Maloney + Pak, Tkachev, duplo pra frente), mas parte do que foi mostrado no Brasileiro Juvenil do ano passado deve melhorar em execução. Na trave, tem entrada em mortal layout e saída em duplo grupado, e no solo, duplo twist grupado, triplo giro e outros dois duplos mortais.



    Julie Kim

    Julie foi uma das promessas juvenis a fazer sua estreia na categoria adulta no ano passado. Logo no começo do ano, foi medalha de bronze no individual geral do Campeonato Sul-Americano. Depois disso conquistou com a equipe a prata no Campeonato Pan-Americano e ainda conseguiu entrar para a final de trave, de onde saiu com a prata com uma série muito limpa e polida. Essas podem ser duas grandes características de Julie: limpeza e polidez. Apesar de não ter se saído tão bem no Mundial - talvez por conta do cotovelo que já a incomodava -, Julie deve continuar na equipe e contribuindo bem. Em treinos ela mostra muitos exercícios interessantes na paralela, como um shaposhnikova ligado a um shoot over e um ótimo jaeger. Na trave também treina uma sequência acrobática de 3 elementos (flic + layout + flic) e no salto há rumores de que pode saltar um rudi esse ano (reversão com pirueta e meia pra frente, valor 6.2).



    Jade Barbosa

    A torcida do mundo inteiro por Jade esse ano é a mesma: que Deus a guarde de lesões. Fora do Mundial de 2013 por conta de uma lesão no pé e do Mundial de 2014 por conta de uma lesão no joelho, Jade estava em plena forma quando os dois inconvenientes aconteceram. No Brasileiro do ano passado, mostrou sua melhor ginástica desde 2007, quando foi 3ª no individual geral do Mundial. Depois de anos competindo com menos do que havia aprendido até 2008, começou a inserir novos e antigos elementos em suas séries. A principal mudança foi nas barras assimétricas, mostrando que, mesmo não sendo mais uma "new senior", poderia continuar evoluindo sua ginástica. Melhorou a postura em seus duplos esticados (no solo e na saída das assimétricas), apresentou ligações de bonificação na paralela e na trave, trouxe de volta o "dos Santos", apresentou elementos de dança valor D no solo e está com uma das melhores coreografias da atualidade nesse aparelho. Tudo aponta para Jade Barbosa liderando a equipe feminina no Mundial esse ano e nos Jogos do Rio no ano que vem. Muita saúde e zero lesões é o que desejamos para essa grande ginasta!



    Texto de Cedrick Willian e Bernardo Abdo.
    Foto: Sergio Moraes / Reuters

    Esse é o penúltimo texto de 2015 da série " O que a ginástica reserva". Todo fim / começo de ano faremos postagens sobre os maiores nomes que competirão no ano seguinte. O último texto será exclusivamente escrito sobre ginastas do Brasil.
  • You might also like

    20 comentários:

    1. Faltou a Lô Cedrick! Parece que ela estará de volta com tudo até as próximas competições! Achei bem empolgante a trave dela no HNI.
      https://www.youtube.com/watch?v=xYXvgugBURc

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. vc entendeu que este é o penultimo texto? hahahahaha...

        Excluir
      2. O último texto será da seleção masculina. Esse ano não falamos da Lorrane.

        Excluir
      3. Entao faltou ela. Se bem que ela eh uma incognita, mas tem mto potencial.

        Excluir
      4. Gente é só ler O que a ginástica reserva para 2014? O texto da Mariana e da Lorrane é quase a mesma coisa para este ano! Lógico com as informações que temos! Isso não impede da duas surpreenderem ou fazerem parte da equipe!

        Excluir
      5. Faltou muita gente, Mariana Oliveira, Lorrane, Daniele Hipolipo que pelo q sei ainda esta treinando e várias outras que estiveram no mundial. O que a Thauany fez ano passado pra ser citada, e as outras nao ?? Não desmerecendo a ginasta pois tem suas qualidades. Começo a duvidar da credibilidade deste blog.

        Excluir
    2. Estamos hoje numa situação confortabilíssima.
      Só de pensar que nas últimas olimpíadas nossa melhor ginasta que carregou o time nas costas foi a ETHIENE FRANCO já é motivo de erguer as mãos glorificar de pé

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ethiene fez o q? Kkkkkkkk. Só pq num teve nenhuma queda? Anônimo menos leseira por favor!

        Excluir
    3. E Daniele Hypolito, se afastou?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não! Mas tem outras que podem surpreender mas esse ano do que ela.

        Excluir
      2. Você sabe que Daniele Hypolito não se afastou, ela não foi colocada em pauta porque existem ginastas com mais potencial, se ela estará na equipe ou não o tempo dirá, esse quadro vem trazer as surpresas que a ginastica Brasileira reserva para esse ano.

        Se a Dani estiver na equipe, definitivamente não sera um bom sinal, até porque e visível que ela não rede mais, nem no AA nem em finais por aparelhos, ela pode sim ajudar a equipe, mas com aquelas eternas series que nunca mudam fica complicado né?

        Claro ela não deve ser desprezada, se apresentar dificuldades, ou se os técnicos verem que e melhor leva-lá, deve ser respeitado a decisão, contudo, ela não apresenta nada demais, aqui no BRASIL ela e DIVA, mas chega em grandes competições não passa de FIGURANTE, ter ela como parâmetro de modelo não em relação a series e dificuldades E UM ERRO, vamos ser realistas né?

        Antonio Carlos

        Excluir
      3. Flavia e um primor, deve se especializar na BB e UB, onde são os pontos fracos do Brasil, na verdade o ponto fraco do Brasil esta sendo em todos os aparelhos,
        Ela pode competir no AA também, mas a realidade e que Flavia não e explosiva, isso impede que ela brilhe no solo, e no AA em 2016 trazendo uma possível medalha, em contrapartida, a trave e o seu aparelho de maior chance, e quem sabe as Barras?

        Rebeca, tem muitas chances no VT E FX, e muito potente, não sei se ela e forte para brigar por medalhada no AA, mas com certeza e um talento que pode contribuir muito.

        Jade, ainda tem muita ginastica pela frente, desde que atualize.

        Marcos Almeida

        Excluir
    4. Estou passado com a Jade,que coreografia é essa,nem de longe lembra aquela de 2007/2008 que era horrorosa,mais parecia um robozinho querendo tocar berimbau.Palmas para quem elaborou a coreografia,lindíssima !

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Sim!!! Eu fiquei positivamente impressionado com a coreografia E com as postura dela no duplo esticado, que SEMPRE era um pouco carpado. Foi um desastre pra seleção ela ter se lesionado ano passado. Ela tem as melhores séries em todos os aparelhos: solo, trave, salto e principalmente barras, que tá difícil de deslanchar.

        Excluir
    5. Todo ano os textos da série 'o que a ginástica reserva para xxxx' recebem os mesmos comentários chatos de quem não viu alguma ginasta que goste no post. Não tem como falar de todo mundo, respeite a escolha do autor do artigo.
      A Daniele ainda deve ser importante pra equipe, mas apresenta as mesmas séries desde 2010, não têm o que falar mais, todo mundo já conhece o que ela pode fazer. Algumas das meninas mais novas ainda não tiram notas mais altas que ela, mas ainda podem melhorar a execução e principalmente aumentar a dificuldade, coisa que a Dani não faz hoje em dia.
      Então....
      Jade - Solo tem a melhor coreografia da carreira dela, só falta melhorar os saltos ginásticos. Trave com ligações inteligente.
      Rebeca – Incrível, impressionante como ela melhorou a UB, só falta firmeza na trave como o texto menciona. Sendo sincero eu tinha expectativas maiores pra trave e solo dela, não parecem combinar com o estilo dela. Sempre achei que uma trave mais agressiva como as da Alicia Sacramone/Shawn Johnson fariam mais o estilo dela, com ligações tipo front tuck/back tuck/layout ligados ao salto ginástico seriam inteligentes, é o que a nova trave da Aly Raisman propõe. A música e coreografia no solo, sem comentários, péssimas. Alguém sabe por que ela tirou o double layout do solo?
      Flavinha - Perfeita, falta colocar a dupla pirueta no salto e aumentar dificuldade na UB, pode brigar por top 5 no mundial desse ano.
      A Julie se recupera da cirurgia a tempo para o mundial? Espero que sim, seria importante pra equipe.

      ResponderExcluir
    6. Belo texto, parabéns ao blog! Eu não conhecia a Thauany. Alguém sabe informar a dificuldade da UB que ela apresenta? E espero que a Kim se firme no quesito regularidade. Vamos que vamos!

      ResponderExcluir
    7. Pois Daniele está dando um upgrade no solo:
      Vai abandonar 1,5 + 1,5. As quatro passadas serão:
      Tsuka carpado
      2,5 + mortal com pirueta (bonifica 0,2)
      tempo + grupado
      duplo carpado

      ela tá treinando um quádruplo giro, mas ainda n tá legal
      o gogean dela e o duplo giro em L estão sendo aperfeiçoados.

      Elementos D+, muita limpeza e bonificação!

      Pódio no Pan!!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ai você caiu da cama e acordou! HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
        Larga de ser ridículo... seu piadista! rsrs

        Excluir
      2. Se o que você escreveu no comentário for verdade torço para que dê certo.

        Detalhe , uma coisa e realizar nos treinos , outra coisa e realizar e acertar essas acrobacias em competições.

        Mas ela tem que ousar mesmo, quem não arrisca não petisca, se não atualizar pode dizer ADEUS a 2016.

        Excluir
    8. Alexandre Vieira Charles01 março, 2015 08:55

      Faria muito mais sentido a Dani voltar com o duplo esticado de valor F, que um tsuka carpado que ela jamais executou em competições oficiais.
      Tsuka carpado só a vi realizando no tumbling até hoje, nunca no solo.
      Dani está treinando umas coisas novas sim, como uma nova sequência de três mortais na trave que bonifica 0,2!
      Nada consistente por enquanto...

      Vai Daniiiiiiiiiii

      Amo demais!

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.