• Svetlana Boguinskaia fala sobre sua carreira, vida pessoal e preferências na ginástica


    O texto desse post é uma tradução da colaboradora Marina Aleixo do vídeo abaixo, em que Svetlana Boguisnkaia foi entrevistada durante a Copa do Mundo de Ginástica em Cottbus.


    Repórter: Olá Svetlana, muito obrigada pelo seu tempo, seja bem vinda a Cottbus.

    Svetlana: Muito obrigada! Obrigada pelo convite para que eu viesse ter uma conversinha com você.

    Repórter: Você chegou a competir aqui quando você era ginasta?

    Svetlana: Eu competi aqui como ginasta. Eu me lembro que tinha mais ou menos 10 ou 11 anos, e tivemos uma competição amistosa aqui. Eu era júnior e me lembro que não tive uma boa experiência porque cai no exercício de solo e fiquei com um roxo no meu joelho, mas competi mesmo assim e fui muito bem. Tenho boas memórias de terminar bem, mas uma memória ruim de uma lesão. Quando voltei a competir nunca competi neste evento, que é a Copa do mundo. Mas é muito interessante ver tantas ginastas boas aqui, de todas as partes do mundo.

    Repórter: Você acha que a ginástica mudou muito desde os tempos em que você competia?

    Svetlana: Absolutamente sim! Primeiro de tudo, nos meus tempos você tinha que competir nos quatro aparelhos e tinha que ser uma ginasta completa. E hoje há ginastas que talvez não sejam fortes em todos os aparelhos, mas elas são especialistas em um evento em particular. E eu acho que isso dá a elas a oportunidade de viajar e mostrar o melhor que elas têm a oferecer em cada aparelho.

    Repórter: Se você fosse uma ginasta nos dias de hoje, qual movimento você gostaria de realizar

    Svetlana: Qual movimento ou qual aparelho?

    Repórter: Humm, ambos!

    Svetlana: Bem, eu diria que o meu movimento favorito seria saída da paralela de triplo mortal grupado. Eu fiz isso com uma júnior a muitos anos atrás, na Rússia, mas nunca mais o realizei. Acredito que tinha 13 ou 14 anos na época e naquele tempo você não precisava de tantas dificuldades, mas amaria fazer esse movimento nos dias de hoje. E hoje em dia as barras são bem mais distantes então eu teria mais velocidade e energia na preparação do elemento... Já em um aparelho, eu diria a trave de equilíbrio... Eu amava trave e amava competir sob pressão. Sempre amei estar num lugar onde 30 ou 40 mil pessoas estavam me assistindo e estar nesse pequeno aparelho. Eu sempre me sobressaí quando estava sob pressão, então a trave seria o meu aparelho preferido.

    Repórter: Você sentia a pressão quando estava lá e todas as pessoas estavam te assistindo? Você percebia isso ou estava tão focada que nem via?

    Svetlana: Como uma ginasta eu nunca notei as pessoas, quando estava no pódio estava na minha própria atmosfera, eu tentava cantar minha música preferida dentro de mim e focava exatamente no que eu tinha que fazer.

    Repórter: E agora como uma técnica?

    Svetlana: Como técnica é uma situação bem diferente. Eu fico bem mais nervosa porque não depende só de mim. Como ginasta eu sabia que iria lá e o fazia, porque tinha o controle. E como uma técnica você não tem controle nenhum porque tudo depende da atleta! E quando minha atleta comete algum erro eu fico machucada emocionalmente, pois penso que cometi algum erro. Por isso é uma experiência completamente diferente, então penso que é muito mais difícil ser uma treinadora do que uma atleta.

    Repórter: Isso é bem interessante! (risos). Nós vemos que você está aqui agora como uma técnica do Uzbequistão, qual é exatamente seu papel? Você viaja para o Uzbequistão ou você fica nos Estados Unidos pela maioria do tempo?

    Svetlana: Eu moro nos Estados Unidos e fui contratada no ano passado pelo Uzbequistão para ser não como uma técnica, mas como uma assistente para o time e técnica pessoal da Oksana Chusovitina. Então tenho um papel para ambos, um pouco para o time, e para Oksana. Entre este e o próximo ano eu estarei ajudando e gerenciando ela também.

    Repórter: Então, você tem que ir a Uzbequistão para isso, ou ela virá para os Estados Unidos? 

    Svetlana: Nós iremos treinar em todas as partes do mundo, treinaremos um pouco na Alemanha, na maioria do tempo nos Estados Unidos e um pouco também no Uzbequistão, mas eu não vou até lá porque é bem longe e os ginásios de lá não são tão bem equipados. Na verdade, é até difícil de acreditar e explicar a situação e tipos de ginásio existem lá. Muito, muito velhos, o equipamento é antigo, eu realmente não sei como ela [Chusovitina] consegue treinar lá e ser tão boa quanto ela é atualmente. Então por isso iremos tentar treinar na Alemanha e nos Estados Unidos principalmente. 

    Repórter: Quando vocês treinam nos Estados Unidos, vocês têm um ginásio próprio?

    Svetlana: Eu não sou dona de um ginásio, mas usamos o "Discover Gymnastics", em Houston no Texas, onde há uma enorme estrutura e onde Oksana e eu somos sempre bem-vindas.

    Repórter: Eu ouvi dizer que você faz muitas coisas, que tem uma pizzaria, tem uma linha de collants, como você maneja todas essas coisas?

    Svetlana: Sabe, eu tive muita sorte na minha carreira como ginasta e acho que mais tarde na minha vida. Acho que ajudando muitas pessoas e fazendo um pouquinho de cada coisa. Então recentemente fui adicionada à empresa DreamLight, uma companhia de collants, e a Oksana estará usando um de seus collants nesta competição. Eles pediram para eu me tornar parte da companhia e criar meus próprios designs, fui muito agraciada e estou animada com isso - a linha está indo extremamente bem. A pizzaria sim, há 6 anos eu e meu marido investimos em uma pizzaria e nos tornamos proprietários, é uma experiência muito diferente estar na indústria de alimentos, eu sempre amei pizzas e agora sei muito a respeito de comida e a respeito de boas pizzas e nós servimos comidas deliciosas lá, então estou animada de fazer isso mas obviamente não faço isso eu mesma. Estou no restaurante quando posso estar e ajudo o máximo que posso quando estou na cidade. Porque viajo tanto, nós temos um time de empregados e temos todas as coisas funcionando independentemente. E, quando preciso comer um prato de graça, sei que sou sempre bem-vinda (risos).

    Repórter: Tem mais alguma coisa que você gostaria de fazer, dentro da ginástica, ou fora? Algo que seja seu sonho!

    Svetlana: Bem, viajar, eu diria. Sempre gostei de outros países, de visitar, aprender novas culturas, experimentar novas comidas. Meu sonho - e até estava falando isso para alguém no ônibus hoje - meu sonho é ir à Índia! Eu quero muito visitar a Índia um dia, e talvez levar minha família e mostrar para eles que nem todas as pessoas são tão afortunadas como nós somos. E ver como algumas pessoas vivem no mundo, um país de terceiro mundo, me informar e à minha família sobre como outras pessoas vivem em países diferentes.

    Repórter: É algo importante, eu acho. Se você tivesse que escolher uma equipe de ginástica nos dias de hoje, quem você escolheria, e porque?

    Svetlana: Eu escolheria a equipe dos Estados Unidos. Elas trabalham duro, muitas crianças, pagam para treinar ginástica - muito dinheiro - e trabalham muito duro! Qualquer coisa que você diz a elas, elas tentam fazer o melhor. Elas tem todas as oportunidades do mundo, acesso à educação, mas vêm ao ginásio e dão 100 ou 200% a cada dia. E eu fico maravilhada de ver, pessoas maravilhosas e crianças esforçadas. É o que tenho a dizer.

    Repórter: Elas tem o time mais forte da atualidade. Você acha que alguém pode vencê-las?

    Svetlana: Sim, definitivamente. Acho que a Rússia virá com um time forte, se todas as meninas se manterem longe de lesões, Mustafina, Komova, Afanasyeva, há muitas ginastas excelentes. Acho que a Romênia, Ponor e Izbasa estão voltando, estou animada para vê-las ajudar Iordache a trazer o time para o topo. Então espero que os Estados Unidos tenham competição em relação a outros países! Será muito mais emocionante assistir.

    Repórter: Muito Obrigada!

    Foto: Divulgação
    Repórter: Tina Gerets, da agência MINKUSimages
  • You might also like

    3 comentários:

    1. Fabiano Araújo22 abril, 2015 16:41

      É impressionante a confiança dela e a força no olhar!

      ResponderExcluir
    2. Muito legal a entrevista com a Boguie,sou fã dela assim como sou fã de Yelena Shushunova da mesma geração que ela ,por acaso o GymblogBrazil tem alguma notícia de Shushunova?Eu ficaria agradecido.

      ResponderExcluir
    3. Essa mulher e' de uma simplicidade fascinante. Conversei com ela pelo facebook por um bom tempo. Fiquei emocionado por ela ter respondido e conversado normalmente comigo. Tambem ja troquei mensagens com Aurelia Dobre que e' um amor!

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.