• 1º dia de finais por aparelhos dos Jogos Pan-Americanos marca a história de muitos ginastas


    Sem dúvidas o primeiro dia de finais por aparelhos dos Jogos Pan-Americanos foi emocionante. Para os brasileiros, ver a bandeira do Brasil hasteada no centro de outras duas foi o momento mais emocionante, mas esse momento representava algo além da conquista do ouro.

    Para Zanetti, esse momento foi mais importante porque concretizou a conquista de um título que ainda não tinha: o de campeão pan-americano. Em 2011, apesar de ter sido campeão mundial pouco antes do Pan de Guadalajara, acabou perdendo a final para o americano Brando Wynn e ficou com a prata. Dessa vez foi um americano que ficou em segundo, Donnell Whittenburg, e o ouro ficou, merecidamente, com Zanetti,

    Mas não foi só o brasileiro que fez história. Outros ginastas tiveram seus momentos de glória e marcaram seus nomes na história da ginástica e esporte de seus respetivos países. A conquista foi além de um pódio e uma medalha.

    Yamilet Pena, da Republica Dominicana, mais uma vez partiu para o tudo ou nada. Na final de salto, arriscou o seu salto produnova, uma reversão com duplo mortal para frente, tendo nota de execução 7 e nota final 14. A média dos saltos foi suficiente para uma prata e essa foi a primeira medalha de seu país na história dos Jogos Pan-Americano. Marcou seu nome nos Jogos, marcou seu nome na história do país, virou uma heroína. As coisas podem ficar bem diferentes pra ela agora. Quem acompanha a ginástica mais de perto tem noção das dificuldades da ginasta, que é de origem humilde.

    Nessa mesma final, a cubana estreante na categoria adulta Marcia Videaux foi ouro e ressaltou, em entrevista televisiva, a importância da medalha para esse momento em que o país retorna ao cenário da ginástica internacional. No passado Cuba esteve entre os maiores medalhistas dos Jogos e da ginástica. Em alguns edições venceu até os Estados Unidos. Além do ouro de Videaux o país também conquistou o bronze nas argolas com o ginasta Manrique Larduet,

    Finalizando o dia histórico, o ginasta da guatematelco Jorge Hugo Lopez levou o ouro no solo. Com a série mais limpa da final, deixou os americanos Donnell Whittenburg com a prata e Sam Mikulak com o bronze. Nem as melhores previsões do mundo colocariam o ginasta como campeão e ele foi lá e fez. Questionado sobre suas pretensões olímpicas, Jorge disse que seu foco está nas Olimpíadas de 2020, já que começou tarde na ginástica, dando a entender que reconhece suas debilidades ao mesmo tempo em que é muito centrado, excelentes características para um ginasta.

    Os outros campeões nesse primeiro dia de finais foram: no cavalo com alças, o americano Marvin Kimble e o colombiano Josimar Calvo; nas barras assimétricas, Rachel Gowey. Foi um dia de muitas conquistas para os ginastas latino-americanos. Além dos já citados, a venezuelana Jessica Lopez se destacou com a prata nas assimétricas e o mexicano Daniel Corral levou o bronze no cavalo com alças.

    Confira os resultados: masculino: solo, cavalo com alças e argolas / feminino: salto e barras assimétricas

    Destacando a participação brasileira, outros ginastas estiveram competindo nas finais, fizeram boas séries mas terminaram sem medalhas. Daniele Hypólito ficou em 4º no salto, Francisco Barreto e Lucas Bittencourt ficaram em 6º e 8º no cavalo com alças e Arthur Nory ficou em 5º no solo. As finais continuam amanhã às 14:30, com a participação de Flávia Saraiva, Julie Kim, Caio Souza, Lucas Bittencourt, Francisco Barreto, Arthur Nory e Daniele Hypólito, finalizando a competição do Brasil.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Associated Press
  • You might also like

    6 comentários:

    1. Parabéns ao nosso campeã. Esse aí não tem conversa.
      A dani fica feliz com quinto lugar?
      De onde que ela tirou que nós brasileiros ficamos felizes com o número recorde de participação heim chegaaaaa....
      Queremos medalhas, e de Ouro...
      primeiro lugar.
      Se continuar assim cuba vai nos passar até o próximo ciclo, aliás se tivessem a verba e a estrutura que temos aqui, eles já teriam passado neste ainda?
      Acho que a Geogete já deu, só da desculpas. Vamos ter que mudar isso chegaaaaa....
      A questão é fazer uma peneira, deixar só quem ama o esporte de verdade e tem potencial. Porque ficar, quase vinte anos representando o País e não conseguir evolução. Tem alguma coisa errada. Vamos começar do zero então

      Parabéns ao nosso campeão. E Flávia é o nosso orgulho .....

      ResponderExcluir
    2. Temos que nos orgulhar da Dani sim. Se ela ainda não fosse uma das melhores ginastas da equipe não teria conseguido todas as classificações que obteve. E ela não tem mais vinte anos. As debilidades são visíveis, mas ainda mais evidente é a garra que ela tem. A Dani faz parte de uma história muito feliz da nossa ginástica. E não se consegue uma fábrica de medalhas de um dia para o outro.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Olha... Uma coisa é valorizar os feitos da Dani nos idos de 2001, quando ninguém falava absolutamente nada sobre ginástica no Brasil e a (merecida) prata no solo em Ghent despertou todo mundo para uma realidade possível. Porém, me recuso a sentir orgulho das performances dela no Pan. Temos que analisar nossos ginastas segundo seus resultados e segundo seu potencial. Tudo bem gostar dela, achar ela carismática (tem louco pra tudo), mas convenhamos: ela parece viver numa realidade paralela. Será que ela acompanha a ginástica de Simone Biles, Mustafina e chinesas? É mais fácil acreditar que ela ignora tudo isso para continuar vivendo uma mentira e se iludindo. DANI: FAÇA UM FAVOR A VOCÊ MESMA, VIRE UMA TÉCNICA BOA, LIVRE A GINÁSTICA BRASILEIRA DA GEORGETTE E SEJA FELIZ!

        Excluir
      2. Isso aí!!! Não aguento ver esse povo criticando a Dani... Falar é fácil, quero ver ter a garra e dedicação que ela tem!

        Excluir
      3. Nos orgulhar da Dani?! Eu li isso mesmo? Enquanto as americanas lutam para se superar e estabelecem um padrão de ginástica cada vez mais elevado (e inalcançável), nossas meninas tem como "inspiração" Daniele Hypólito, como sua ginástica dos anos 90. Resultado: passagens inexpressivas por campeonatos mundiais, raras medalhas em etapas de Copa do Mundo, chances nulas de qualquer medalha olímpica e desempenho fraquíssimo em competições de baixo nível técnico (vide Pan). Não adianta, a única época em que o Brasil teve uma verdadeira campeã foi nos anos dourados da Daiane. Chega de saudar a mediocridade de nossas ginastas, principalmente a Dani! Afinal, para que temos Alexandrov se continuamos com uma ginástica de segunda divisão? Vamos ampliar nossa visão, ter mais autocrítica e coragem para sair dessa estagnação... Um abraço a todos

        Excluir
    3. Sejamos justos, Daniele segurou as pontas junto com a Flávia. Foi bem no AA (ficou em quinto), no salto (que sempre foi seu calcanhar de Aquiles mesmo em seu auge) e na final do solo teve o MESMO erro que a Flavinha, escorregou na chegada do Tarasevich. Qual a diferença? A diferença é que muita gente não suporta ter de admitir que a Daniele ainda é importante para a equipe, sim. Medalhar em olimpíada e em mundial não medalha, mas é consistente e suas notas auxiliam o time. Não creio que ela esteja tivando vaga de ninguém.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.