• Seleção feminina faz o melhor e fica no aguardo


    A seleção feminina acaba de encerrar sua participação nas classificatórias do Mundial. Apesar de terem cometido falhas, a equipe estava muito unida e deu o seu melhor. Terminaram em 4º lugar com 221.861 pontos e atrás de duas concorrentes fortes: Canadá e Grã-Bretanha.

    O Brasil começou no solo, aparelho onde atualmente estão muito bem. As falhas cometidas no solo precisam de melhorias que estão além do alcance delas: a falta de treinos no tablado novo. O tablado utilizado aqui, de marca britânica, é o mesmo que será usado nas Olimpíadas e, até onde se sabe, o Brasil não possui um tablado desses. Comparando as brasileiras com as britânicas, que estavam na mesma rotação, as britânicas se saíram melhores e mais controladas. Os erros do Brasil não foram por quedas ou falhas técnicas: os erros aconteceram nas chegadas das acrobacias, por falta de controle nas aterrissagens, porque o solo "joga" mais. O treino específico para isso só pode acontecer em um tablado exatamente igual a esse. O Brasil teria "cravado" mais chegadas das séries e ganhos pontos preciosos com uma simples atenção dos nossos governantes e demais envolvidos que pudessem agilizar um tablado para os treinos.

    No salto não competiram com os mais difíceis que podiam e mesmo assim foram ótimas. A falta dos yurchenkos com duplas tiveram motivos diferentes. Daniele Hypólito, por segurança, resolveu se prevenir adiando a estreia do exercício que já executa muito bem em treinos. Thaunny Lee estava chegando do salto ainda com um pouco de rotação e Alexandrov resolveu tirar e também preveni-la de uma possível lesão. Letícia Costa começou a sentir muitas dores no punho uma semana antes de viajar para o Mundial, causa também de não ter competido na paralela.

    A paralela foi o aparelho onde o Brasil realmente errou mas, ao mesmo tempo, teve as notas de execução um pouco abaixo do esperado. 12.800, 13.233 e 13.600 foram notas baixas para as série que Thauany, Flávia e Lorrane dos Santos apresentaram. Erros aconteceram apenas nas séries da Daniele e da Jade. Daniele se segurou e evitou erros maiores enquanto outra ginasta da equipe ainda tinha o "direito" de errar e ter sua nota cortada.

    Finalizaram na trave, com séries bem seguras e com a maior nota nesse aparelho. E isso pode ter sido bom ou ruim: bom por que acertaram e ninguém caiu; ruim porque todos sabiam que elas podiam mais. Depois dos erros que aconteceram nos outros aparelhos, optaram pela segurança das séries e acabaram tirando elementos e combinações que somariam mais. Thauany teve a ligação de layouts cortada última hora e Daniele poupou outros elementos para garantir uma série mais segura. As que conseguiram passar uma série completa e segura foram Jade e Lorrane, enquanto Flávia não caiu e perdeu a ligação dos layouts e reversões sem mãos.

    Lorrane foi a nossa melhor ginasta no individual geral seguida de Flávia; ambas provavelmente estarão na final do individual geral. Até o momento, Jade e Flávia estão bem colocadas para a final de trave e Flávia ainda pode pegar uma final de solo. A competição ainda não chegou nem na metade mas, dada a competição que a Romênia fez hoje mais cedo, fica claro que tudo aqui pode acontecer.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil
  • You might also like

    16 comentários:

    1. Realmente as barras derrubaram o Brasil,impossível não pensar na Rebeca neste momento,fez muita falta.

      ResponderExcluir
    2. A classificação e
      1-Rússia
      2-Grã-Bretanha
      3-italia
      4-japao
      5-canada
      6-Brasil
      7-Roumenia
      8-spanha

      Ainda tenho a esperança das brasileiras terminarem em 8.

      ResponderExcluir
    3. Decepcionado com a Jade e com a Flávia. Infelizmente na hora "H" o Brasil treme na base... Não arriscou, mas também não ganhou. Fora que estamos fora de todas as finais por aparelho. Uma pena! Muito triste.

      ResponderExcluir
    4. Pra mim a seleção que realmente brilhou foi a Itália. Elas foram muito guerreiras, pois mesmo com a Vanessa Ferrari fora do auge e com Rizelli lesionada, elas seguraram os nervos e fizeram uma competição linda.
      Mas as nossas meninas fizeram das tripas coração galera. Quem diria que a equipe brasileira teria uma nota de solo superior as das Russas e por 0,4 décimos a melhor trave do dia? Seria muito estúpido da minha parte vir aqui e criticá-las. Claro que queria ver uma competição perfeita, mas falhas acontecem e todas deram conta de recado, mesmo com a pressão que sofreram e com uma arbitragem duvidosa (pra mim, não adiantou muito colocar as árbitras naquelas ``baias``).
      Lorrane brilhou, e impôs respeito ao mostrar uma ginástica linda, segura e difícil. Merece muito estar no top 6 na final do AA, se Deus quiser, porque ela tem talento. A partir de hoje os acompanhantes da ginástica verão ela com outros olhos.
      Se as brasileiras não se classificarem, no máximo ficam em décimo lugar. Mas ainda acredito que verei elas na final, porque pelo o que vi das séries das Australianas (principalmente o solo) vejo que só com uma paralela e trave impecável para terem uma esperança.
      Já a França, é uma incógnita. A execução e a parte artística delas tem cativado os árbitros, mas assim como a Austrália, tem que ser perfeitas, coisa que nenhuma equipe conseguiu fazer hoje.

      ResponderExcluir
    5. Sei que é fácil sentar minha bunda gorda e criticar,mas o Brasil teve a chance de classificação nas mãos e deixou escapar,poderíamos tranquilamente estar a frente do Japão, mas o nervosismo de novo pois tudo a perder.Elas tem que manter a calma e o foco,sei que é fácil falar,mas a realidade é essa,como elas vão se comportar perante a torcida brasileira nas classificatórias Olímpicas,isso sim vai ser pressão,se não aprenderem a se controlar vai ser difícil pra gente assistir,me desculpem amo ginástica e gostaria de estar falando o contrário mas estaria sendo hipócrita se dissesse que está tudo bem.


      ResponderExcluir
    6. Agora é oficial, MyKayla Skinner será reserva.
      Star List das americanas:
      FX: Douglas, Dowell, Nichols, Raisman e Biles
      VT: Dowell, Douglas, Raisman, Nichols e Biles
      UB: Raisman, Douglas, Biles, Kocian e Dowell
      BB: Kocian, Douglas, Nichols, Raisman e Biles

      ResponderExcluir
    7. Que bom poder disputar uma vaga olimpica em pé de igualdade com diversas seleções do mundo. Obrigado seleção brasileira por manter a esperança da classificação. Quem diria que no dia em que recebemos a notícia da lesão de Rebeca, que ainda teríamos a possibilidade de conseguir a vaga no pré olimpico mundial. Estou muito feliz com a nossa seleção, mesmo que a vaga não venha agora. Erros acontecem, e mesmo assim somamos 221 pontos. O que eu não adimito é falarem que o Brasil fracassou, a gente botou para quebrar, mesmo com muita pressão em cima de uma trave. E atribuírem culpa por erros, culpa por ter somado 221 pontos!? A decisão da vaga vai ser apertada, tem seleção com 217, 219, 221, 222, 223, 224... A parada vai ser apertada mesmo. Isso é esporte.

      Segue um vídeo para os revoltados:
      http://m.youtube.com/watch?v=YqeSxkqRbEo

      Vamos torcer ainda há esperança. Parabéns GBB pela cobertura e seleção brasileira pelo exelente trabalho.

      ResponderExcluir
    8. Eu não entendo como é possível "se poupar" em um mundial. Foram uns dez pontos atrás da Rússia...Mas ainda gostei de ver a evolução de algumas ginastas e finalmente novos nomes se firmam neste esporte.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu também não consigo entender isso: "se poupar" num Campeonato Mundial!!???

        Excluir
    9. Pergunta de leigo,onde estão as juradas?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. A organização do Mundial mudou o posicionamento tradicional dos árbitros. Nestas reportagens são explicadas as mudanças:
        http://globoesporte.globo.com/ginastica-artistica/noticia/2015/10/linguagem-propria-e-novo-olhar-juizes-alinham-criterios-para-o-mundial.html
        http://globoesporte.globo.com/ginastica-artistica/noticia/2015/10/em-clima-de-espetaculo-mundial-tem-recordes-e-briga-por-vagas-olimpicas.html

        Excluir
    10. A série de Jade e Komova possuem o mesmo valor de dificuldade, 5.7, a Jade foi muito mais limpa que Komova e mesmo assim Komova tirou nota maior que a da Jade. Absurdo. Parece que q nota da Jade na trave é fixa. Se a Jade tivesse executado está série pelos USA, China ou Rússia tinha tirado uns 9 em execução.

      ResponderExcluir
    11. Ou eu estou ficando maluco vendo os vídeos das séries Brasileiras ou o mundo pirou. Pq falar que as barras assimétricas derrubou o Brasil é sacanagem! Quem derrubou o Brasil foi a arbitragem das barras. Thauany tirou 7.3 em execução sem ter queda, e com uma linha bem correta. Lorrane tirou 7.8 execução sendo que ela só mascou na pirueta na cubital. E Flavia tirou 7.7 em execução, e ela estava com uma boa postura. No mínimo a arbitragem deve ter deduzido estes pontos dos kips, que para mim foram bem satisfatórios. Gostaria que alguém me explicasse como funciona estas deduções, tem ginasta que envergou na pirueta e tirou 8.8 em execução. Não q a execução brasileira tenha valor de 8.8 mais uns 8.2 a 8.4 isso seria o correto.

      ResponderExcluir
    12. Siyi não quebrou o pescoço, mas acaba de quebrar a cara no chão uma dúzia vezes. E o resultado é o seguinte: O Brasil vai ter o terceiro melhor conjunto de trave na classificatória! Só perdemos para as russas, e provavelmente perderemos para as americanas. E por muito pouco, foi de décimos a vantagem das russas!

      Como diria Maria João: A trave não derruba ninguém!!

      ResponderExcluir
    13. Terminada a antepenúltima rotação e ainda estamos em 7 lugar na classificatória por equipes feminina. Resta apenas a passagem dos EUA que irão nos empurrar para o 8 lugar, na torcida para que a Holanda não nos ultrapasse !

      ResponderExcluir
    14. Eu acredito que graças as falhas das romenas estaremos no Rio,já neste Mundial.Let's Go Girls!!!

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.