• Lesões pré-olímpicas e suas perdas


    Como sempre, o ano olímpico é um ano recheado de lesões. As mais infelizes são aquelas que acontecem de última hora, exatamente nos meses que antecedem aos Jogos. Algo normal de acontecer mas muito triste para os ginastas que, além de terem participado da conquista da vaga olímpica do país, também batalharam para a conquista de sua vaga na equipe.

    Até o momento, nesse mês que antecede os Jogos, duas baixas olímpicas muito importantes já aconteceram: a primeira foi da ginasta belga Axelle Klinckaert, juvenil promissora que chegou à categoria adulta esse ano e foi mais do que importante no Evento Teste, quando suas notas contaram muito para a equipe que conquistou o direto de levar uma equipe completa para os Jogos Olímpicos depois de muitos anos. Axelle estava trabalhando em upgrades e poderia fazer de sua participação nos Jogos uma das mais importantes da história de seu país. Será substituída por Runne Hermans.

    A segunda acaba de acontecer: o americano John Orozco acaba de ser cortado dos Jogos por conta de uma lesão no joelho - rompeu o ligamento cruzado anterior. No ano passado o ginasta já havia superado a morte da mãe e uma lesão no tendão de aquiles. Conseguiu se recuperar e voltar a tempo de disputar muito bem os campeonatos avaliativos, conquistando uma vaga na equipe olímpica. O ginasta Danell Leyva será o substituto de Orozco, fazendo dos Jogos do Rio sua segunda participação olímpica.

    Espera-se que mais nenhuma lesão aconteça. Não é apenas uma questão de sonhos serem acabados de forma inesperada, mas uma perda para o esporte como um todo. A competição mais importante do mundo acontece depois de uma fina peneirada feita em todos os países até se chegar a conclusão de uma equipe com 5 ginastas. Toda essa seleção faz do esporte mais bonito ainda mais belo! Pensando assim, todos perdem: o ginasta, o sonho de competir nos Jogos Olímpicos; o país, suas chances de um bom resultado; os espectadores, as chances de assistir mais uma excelente apresentação.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Getty Images
  • You might also like

    2 comentários:

    1. Realmente, acho que pior do que lesionar antes de uma competição classificatória, é lesionar quando a vaga já é sua, deve ser muito mais triste e decepcionante do que lesionar antes da competição pela vaga;

      PS: A Bélgica já levou uma equipe completa em 1948;

      ResponderExcluir
    2. Por onde anda Angelo Assunção? Ninguém comenta está lesionado foi cortado? Alguém sabe? Pareceu tão promissor ano passado na Etapa de São Paulo.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.