• Ponor ou Iordache?


    Talvez essa seja uma das questões mais comentadas desde o Evento Teste no Rio de Janeiro. Com ótimas performances nessa competição, Catalina Ponor lutou até o fim por uma classificação olímpica para a equipe romena, enquanto Larisa Iordache lidava com mais uma lesão, novamente muito próxima aos Jogos Olímpicos. Dentro desse cenário, qual ginasta escolher?

    Larisa Iordache segurou as pontas para a Romênia durante todo o ciclo, sendo a única e maior chance de medalha do país em todos os Mundiais do ciclo exceto pelo Mundial de 2015, quando Marian Dragulescu retomou os treinos e competições e acabou conquistando uma medalha no salto. Entretanto, no Mundial de Glasgow Larisa não era apenas uma chance de medalha: era uma chance de manter a dignidade da equipe romena e terminar entre as 8 melhores equipes do mundo.

    Iordache deu conta do recado até o ano passado, quando ficou impossível organizar todas as coisas sozinha. Ela não podia errar e era praticamente obrigada a acertar todas as suas séries. Se não fosse assim, o resultado por equipes não viria e, no fim das contas, realmente não veio. Em Glasgow, a pior classificação da Romênia aconteceu: um 16º lugar por equipes.

    Catalina Ponor, que ainda estava no processo de volta às competições, assim como Larisa se viu obrigada a ajudar a equipe e vestiu o collant de volta. Subiu aos tablados convicta de que seria uma grande ajuda, só que a situação não melhorou: ao invés de ajudar Larisa na difícil tarefa da classificação olímpica, Ponor acabou ocupando o lugar de Larisa, que agora estava lesionada. A situação enfrentada por Iordache em Glasgow foi a mesma enfrentada por Ponor no Rio de Janeiro. Acabaram não dividindo as responsabilidades: o peso apenas passou de uma para a outra.

    Sem dúvidas Larisa é uma ginasta de grande valor e admirada no mundo inteiro. Adquiriu esse respeito por sua linda ginástica e também por lutar com todas as forças para manter o país no topo. A admiração que temos por Larisa também temos por Ponor, multi-medalhista olímpica e uma adição de elegância e beleza imensuráveis à ginástica mundial. O que ninguém queria, nesse momento, era ter que escolher uma das duas. Não dá pra sair dessa escolha sem ficar com o coração partido.

    No último Nacional Romeno e com notas bastante infladas (digo isso por que não dá para levar em consideração as notas dessa competição), as duas ginastas competiram bem. Analisando as séries que cada uma apresentou, Catalina Ponor parece melhor preparada do que Larisa Iordache.

    Depois da lesão, as chances de Iordache conseguir uma medalha diminuíram drasticamente. Isso por que a ginasta tem no individual geral sua melhor competição em finais, e seu solo e trave, que costumam colocá-la nas finais por aparelhos, não chegarão em nível competitivo dentro de um mês. Enquanto isso, as séries de Ponor precisam apenas de acertos finais.

    Com muito respeito pelo que Iordache fez durante todo o ciclo olímpico, Catalina deve assumir a única vaga olímpica da seleção feminina romena. E está treinando muito para isso: voltou aos treinos de barras assimétricas para tentar uma final individual geral! Mas, como todos sabem, é no solo e trave que as chances realmente existem, apesar de que a série de trave precisa ser melhorada dentro de um pensamento de composição mais inteligente.

    Como a luta de ambas foi para manter os resultados da Romênia, é justo que Ponor vá. Uma deve ser reserva da outra, mas, nesse momento, Ponor é quem está mais apta a bons resultados e possui chances de medalha. É péssima a obrigação da escolha, mas pensando de fato no bem da nação, na sobrevivência de uma escola de ginástica extremamente tradicional e bela, com o coração na mão torcemos por grandes resultados de Catalina Ponor. E que ela consiga desempenhar sua ginástica de forma impecável, e seja inspirada pela atuação de Iordache nos últimos três anos.





    Post de Cedrick Willian

    Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil
  • You might also like

    8 comentários:

    1. Vejo uma dor mundial quando falamos da ausência da equipe ROMENA nas Olímpiadas, temos que ser realistas, a questão não é medalha e sim nome a ser assegurado perante os olhos do mundo, a Romênia precisa de um impulso, exemplo e motivação que sirva para incentivar a ginástica dentro do próprio país, essa pessoa não é Larissa, e sim CATALINA PONOR, CATA ou simplesmente PONOR. Catalina é um grande nome, grande atleta, não vou mentir, o tempo tem prejudicado sua ginastica, mas a QUEEN tem uma presença, elegância, chic, sensualidade que coloca qualquer americana no chinelo. Meu voto é SIM para Catalina Ponor!

      ResponderExcluir
    2. Acredito que essa seja a última olimpíada da Catalina, vamos torcer para que ela seja a representante da Romênia. Provavelmente a Dani Sofronie e a Monica Rosu devem vir, vamos nos atentar a essas presenças ilustres.

      ResponderExcluir
    3. Já foi confirmado que é Catalina Ponor. Inclusive, ela será a Porta-Bandeira da Romênia! Apenas acredito que ela tenha potencial para medalha na trave, o que dependerá de acertos finais e concentração total, visto que ela tem a pressão da idade e de ser a representante única do país que é tradição da modalidade, porém, conta com sua expressiva e vitoriosa experiência. Em suma, ela arriscará tudo em prol da Romênia. Força Cata! Fight and get a medal !!

      ResponderExcluir
    4. Cata diva pra todo sempre. Acho que ninguém concentra melhor a força da ginástica romena do que ela. Tem beleza, habilidade, técnica. O fim da era Ponor vai deixar um vácuo no país tão grande quanto o de agora. Iordache não tem nem a simpatia de Cata e ainda por cima faz uma ginástica robotizada.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Não concordo, acho a coreografia da Iordache tanto pra tave quanto pro solo muito boas. Na trave a coreografia complementa perfeitamente em relação aos exercícios acrobáticos. É verdade de não passar muito carisma nas apresentações mas ao menos o faz fora.

        Excluir
    5. Assistir essas Olimpíadas no Brasil e ver Simone Biles ganhar tudo vai ser tedioso,essa promete ser uma das Olimpíadas menos competitivas da história e talvez a mais esquecível.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Concordo sempre. Tipo, todo mundo já sabe q ela vai levar tudo. E com certeza vão dar aquelas infladinhas que as americanas tanto gostam. Ou seja, vamos nos preparando p várias dobradinhas.

        Excluir
    6. Luisa Parente e Jade Barbosa explicam o que é a trave
      http://esportes.r7.com/esporte-fantastico/videos/-luisa-parente-e-jade-barbosa-explicam-o-que-e-a-trave-um-dos-aparelhos-mais-dificeis-da-ginastica-09072016

      Após mais de dois anos do acidente, Laís Souza apresentar melhoras na luta para voltar a andar
      http://esportes.r7.com/esporte-fantastico/videos/apos-mais-de-dois-anos-do-acidente-lais-souza-apresentar-melhoras-na-luta-para-voltar-a-andar-25062016

      Anitta dá dicas para solo de Daniele Hypolito com sucessos dela: 'Emocionada'
      http://g1.globo.com/fantastico/videos/t/edicoes/v/anitta-da-dicas-para-solo-de-hypolito-com-sucessos-dela-emocionada/5154613/

      Ginasta Arthur Zanetti tem na família seu maior apoio
      http://g1.globo.com/jornal-nacional/videos/t/edicoes/v/ginasta-arthur-zanetti-tem-na-familia-seu-maior-apoio/5157295/

      Atleta brasileira se inspira numa diva da música pop para os jogos do Rio
      http://g1.globo.com/jornal-nacional/videos/t/edicoes/v/atleta-brasileira-se-inspira-numa-diva-da-musica-pop-para-os-jogos-do-rio/5149321/

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.