• O que a ginástica reserva para 2017? - Parte 2


    RÚSSIA

    Enquanto a equipe chinesa era apontada para a prata, num (im)possível combate contra os Estados Unidos, a equipe russa surpreendeu: com os desfalques de Komova, Afanasyeva e quase sem recuperar Mustafina a tempo, a Rússia levou a prata olímpica por equipes numa excelente competição.

    A tradição falou mais alto e a equipe conseguiu dar a volta por cima, conquistando, também, várias medalhas individuais: Mustafina foi bicampeã olímpica de barras assimétricas e se manteve no pódio do individual geral olímpico. Maria Paseka também conseguiu uma medalha no salto. Mas para esse ano, com a gravidez de Mustafina e a incerteza que paira sobre a continuidade e saúde das veteranas, como fica a situação da Rússia?

    Algumas ginastas novas estão chegando à categoria adulta, mas não podemos deixar de contar com a presença de duas veteranas que ainda não competiram internacionalmente com todo o potencial que podiam: Angelina Melnikova e Natalia Kapitonova.

    Angelina Melnikova

    Em 2016, teve um começo de ano excelente nas competições nacionais. Com séries difíceis e execuções lindíssimas, dignas de russa, Melnikova conseguiu passar dos 60 pontos no individual geral do Nacional Russo em abril; foi campeã européia por equipes (contribuindo em todos os aparelhos) e conseguiu 59,525 no individual geral da Russian Cup no fim de junho. Entretanto, até os Jogos do Rio, seu rendimento baixou. Nas competições individuais, era esperada uma briga pelo pódio individual dos Jogos e outro na trave, mas a ginasta estava visivelmente cansada. Com notas acima de 15 na trave e barras assimétricas, um yurchenko com dupla pirueta no salto e um solo com grandes acrobacias, saltos e giros, Melnikova pode se redimir esse ano. A ginasta tem tudo para chegar no Canadá como uma das principais candidatas ao ouro no individual geral, mas tudo vai depender de como será planejado seu treinamento até lá. O Mundial pós-olímpico sempre está "em aberto", e Melnikova pode ser a ginasta que fará a Rússia brilhar nos pódios esse ano.



    Natalia Kapitonova

    Brilhante tanto em dificuldade quanto em execução nas barras assimétricas, Natalia Kapitonova passou o ano de 2016 como um potencial não aproveitado. A ginasta tinha tudo pra despontar como integrante da equipe russa feminina nos Jogos Olímpicos do Rio, mas ficou apenas no quase, garantindo a vaga de primeira reserva. Sua falta de experiência pode ter sido determinante na hora da escolha, já que sua principal adversária pela vaga, Daria Spiridonova, tinha títulos em Mundial e Europeu, enquanto Natalia era recém sênior. Sua série de barras incluía um belíssimo combo de stalder carpado com pirueta + Komova II + Pak + Van Leeuwen, uma sequência de alto grau de dificuldade que bonifica(va) em 0.5, o que lhe rendia notas na casa dos 15 pontos consistentemente. O solo promissor tinha como carro chefe um Tsukahara grupado de entrada e o giro Mustafina na sua montagem, enquanto sua série de trave se destacava pela complexa combinação de flic + flic + mortal esticado. Caso recupere essa série e fixe alguns detalhes, Kapitonova tem tudo pra se destacar em 2017 como a principal especialista da equipe.



    Elena Eremina

    Atual campeã europeia individual da categoria júnior, Elena Eremina vem sendo acompanhada desde bem nova pelos fãs da ginástica russa em todo o mundo, e estreia com certa responsabilidade no adulto este ano. Após um ciclo de protagonistas veteranas, Tóquio parece ser a grande chance de uma nova geração promissora, porém ofuscada: liderar a segunda melhor equipe do mundo; tarefa árdua, vamos combinar. Como sugerido acima, Elena é uma generalista que pode ser importante nos quatro aparelhos. No salto, entretanto, apresenta problemas técnicos bastante evidentes, com uma dupla pirueta “na conta” (rotação lenta na longitudinal). Nas barras, elementos e combos complexos, mas crua na execução: Nabieva + Pak, Van Leeuwen, Stalder carpado com meia + Jaeger carpado, saída em Tsukahara grupado. Na trave, boa execução, mas peca na regularidade: entrada em layout, sequência de flic + layout + layout e saída em dupla pirueta e meia. No solo, um ótimo potencial acrobático, já tendo apresentado os seguintes elementos: duplo esticado, Tsukahara grupado, tripla pirueta, uma e meia ao passo indiretamente ligada a dupla e meia e duplo giro em Y.



    Anastasia Ilyankova

    Especialista de barras - mas muito eficiente nos demais aparelhos -, Anastasia Ilyankova é mais uma debutante da seleção que deve ter seu destaque na equipe adulta a partir de agora. No último Campeonato Europeu, surpreendeu ao conquistar duas medalhas de ouro por aparelho, e por isso vamos começar por eles. Nas barras, apresenta excelente execução e ótima dificuldade, com Hindorff + Pak, Maloney + oitava com meia + Ezhova, Van Leeuwen, oitava com pirueta + Tsukahara de saída. Na trave, rondada + mortal esticado (pernas levemente flexionadas e afastadas), estrela sem mãos + flic, Ilusion, dois giros de perna elevada (L e Y) e saída em duplo grupado. No solo, muito boa execução, com Tsukahara de entrada, dupla e meia + mortal grupado, duplos giros em L e em Y. No salto, um FTY muito bom e com sobra pra upgrades.




    Post de Cedrick Willian, Nadia Carim e Stephan Nogueira

    Foto: Divulgação
  • You might also like

    7 comentários:

    1. Respostas
      1. Pra mim é Varvara quem vai brilhar. Não sei se ela entra no sênior esse ano já, mas eu vejo nela muito potencial!

        Excluir
      2. Eu vi uma apresentação dela na ''copa Voronin'', acho que é esse o nome, nossa!!!! Que espetáculo!!

        Excluir
    2. A Rússia surpreendeu no Rio esse ano,apesar de as chinesas na minha opinião estarem bem meia boca.Shang Chunsong poderia ter feito mais e Fan Yilin poderia ter batido a Mustafina na final de paralelas,no entanto nem se classificou.Torço pra Melnikova conseguir medalha no AA esse ano,apesar de que prevejo mais um ciclo de dominação americana no team final e AA.

      ResponderExcluir
    3. Oi, sei que não tem nada haver com a matéria, mais gostaria de uma informação. Onde é possível comprar protetores palmares como os que os ginastas usam? já procurei em diversos sites e não encontrei.

      ResponderExcluir
    4. A vaga do individual geral desse ano está em aberto, a pausa de simone abre um leque de opções para medalhistas no AA, VT e FX. Se estiver saudável, acredito que nesse ciclo a Russia será liderada por Angelina, ela é perfeita e tem tudo para colecionar medalhas. Sobre o retorno de Komova, tenho minhas dúvidas, apesar de amá-la tenho que concordar que ela não tem saúde para se manter no topo da elite mundial, mas espero que ela retorne bem às competições. Creio que Kapitonova se firme na equipe, sobretudo pelo baixíssimo rendimento de Seda, esta inclusive não servirá mais para uma equipe que poderá contar com Iliankova (amo de paixão), Eremina e Zubova. Destaque para a gravidez da rainha Aliya, que deixará uma vaga de AA aberta por, pelo menos, 3 anos. Se ela ainda voltar, né.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. https://www.youtube.com/watch?v=1CaWAyKFpk8

        Lindo!!!

        Excluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.