• O que a ginástica reserva para 2017? - Parte 4


    JAPÃO

    Em uma crescente impressionante desde os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, a equipe feminina do Japão começa 2017 com grandes promessas juvenis que estreiam na categoria adulta e veteranas que podem surpreender. Esse ciclo é importantíssimo para o Japão, ciclo que será finalizado com os Jogos Olímpicos de Tóquio, quando as equipes estarão competindo em casa em um dos esportes que mais deu medalhas olímpicas para o país.

    Em 2008, a equipe feminina terminou numa inédita 5ª colocação. Em 2012, se classificaram em 6° para a final por equipes e terminaram em 8°. E foi no ano passado, nos Jogos do Rio, que a equipe teve sua melhor colocação: com 174,371, a equipe terminou em 4° lugar, menos de 2 pontos atrás da China, que ficou com o bronze.

    A posição conquistada nos Jogos do Rio mostra a força evolutiva da ginástica japonesa, que além dos bons resultados olímpicos também conquistou ótimos resultados nos últimos mundiais. Espera-se um trabalho ainda mais aprimorado até 2020, onde o ciclo olímpico poderá ser finalizado com uma medalha.

    Natsumi Hanashima

    Com boas linhas corporais e execuções nos elementos - como a maioria das japonesas -, Natsumi Hanashima estreia na categoria sênior da ginástica artística. Aos 16 anos, a jovem ginasta é uma das apostas dos atuais técnicos japoneses: ambos eram treinadores da equipe masculina desde 2008!

    Tem como especialidade salto e barras assimétricas, sendo regular em todos os aparelhos. Recentemente vem trabalhando num salto de valor 5.6 no código atual, que consiste num tsukahara com dupla pirueta na segunda fase do salto, o chamado "zamolodchikova". Nas assimétricas possui bons lançamentos e já vem treinando uma série específica para esse ano, que conta com um jaeger carpado e tsukahara esticado de saída, ambos com o mesmo valor de dificuldade (E).





    Kiko Kwajima

    Aos 15 anos, Kiko Kwajima é a melhor revelação do Japão desde Aiko Sugihara e Sae Miyakawa respectivamente. Vem chamando bastante a atenção dos internautas japoneses e dos fãs da ginástica artística atual! Considerando a trave seu aparelho de destaque, a jovem ginasta executa uma série muito difícil ​e ao mesmo tempo muito bem executada, faltando apenas uma coreografia mais expressiva, algo que está em falta na equipe japonesa.

    Sua série de trave possui elementos de valores altos, como por exemplo: arabian (F), pirueta grupada ("shishova", também de valor F), além de uma combinação de flick + flick + duplo mortal carpado de saída da trave, ótima e muito importante combinação para sua nota de dificuldade. Há rumores de que Kiko Kwajima almeja executar um mortal esticado com pirueta, acrobacia de trave mais difícil do código de pontuação, elemento G, valendo incríveis 0.7.

    Além da trave, possui um ótimo yurchenko com dupla pirueta, um dos mais belos da atualidade. Kiko é regular nos demais aparelhos, podendo, também, ter algum destaque no individual geral.




    Aiko Sugihara

    Uma das grandes revelações da equipe japonesa, disputou o mundial de Glasgow e foi peça fundamental do time japonês para a conquista do 4° lugar nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Especialista no individual geral (AA), Sugihara é regular em todos os aparelhos, possuindo ótimas execuções e uma linha muito bonita de apreciar.
    Um destaque importante é sua série de trave, onde almeja apresentar pela primeira vez um elemento inédito na ginástica artística, que consiste num duplo giro em Y, conhecido no solo como "memmel".
    Tem um solo muito bem executado, faltando apenas uma coreografia mais expressiva, ponto fraco da equipe japonesa e um fator importante para o ciclo atual, onde o artístico conta muito para uma boa nota final.

    Confira o novo elemento!



    Sae Miyakawa

    Passou um 2016 meio apagado devido a não ter se classificado para a final de solo nos Jogos do Rio, onde conseguiu ser a 4ª melhor do mundo no ano anterior em Glasgow. Assim como Sugihara, Sae foi uma peça importantíssima para o resultado expressivo da equipe japonesa nos Jogos Olímpicos. Possui o melhor salto e solo da equipe, sendo seus aparelhos de maior destaque. No salto, a jovem ginasta executa dois saltos, sendo o primeiro um rudi (reversão + 1.5 pirueta na segunda fase do salto) bem executado, almejando a evolução para um cheng, de valor 6.0 no atual código de pontuação. Seu segundo salto é um yurchenko com dupla pirueta, que a partir desse ano passa a valer 5,4.

    No seu solo está presente acrobacias de sequências de altíssimo nível: duplo mortal com dupla pirueta (silivas), tsukahara esticado (duplo mortal esticado com uma pirueta, o chusovitina), duplo esticado e um combo muito original de pirueta frontal + duplo grupado frontal!




    Post de Lucas Victor e Cedrick Willian

    Foto: Ivan Ferreira / Melo Gym / Gym Blog Brazil
  • You might also like

    9 comentários:

    1. Respostas
      1. http://www.fig-gymnastics.com/publicdir/rules/files/wag/CoP_WAG_2017-2020_ICI-e.pdf

        Excluir
    2. Amo as meninas do Japão, acho a ginástica delas muito original, só senti falta daquela limpeza de execução que elas mostravam em 2008. Sobre as novas meninas, estou na expectativa que consigam mais finais para o japão> Sobre Sae miyakawa, particularmente detesto a ginástica dela, muito suja, não consegue fazer o que se propõe, ou adapta as séries para conseguir realizá-las, ou não mais conseguirá segurar uma vaga dentro de uma equipe com 4 quatro ginastas.

      ResponderExcluir
    3. ''faltando apenas uma coreografia mais expressiva, algo que está em falta na equipe japonesa''

      Mas Kiki já tem uma postura muito boa e o pouco de coreografia que mostrou na trave JÁ é de muito bom gosto, porque tem cada bizarrice, de fato, tem certas equipes em que está faltando coreógrafos e/ou aquele estilo ''Paula Fernandes: eu que customizo as minhas roupas'' ''eu crio a minha coreografia [tosca] gostou''

      ResponderExcluir
    4. Que tripla pirueta linda da Aiko, melhor que o helicóptero em pane de uma certa ''musa''.

      ResponderExcluir
    5. "é a melhor revelação do Japão desde Aiko Sugihara e Sae Miyakawa respectivamente"

      Mai Murakami??? A única que impressionou mesmo foi Kiko Kwajima o resto é bem inconsistente. A equipe japonesa não costuma renovar muito para esse mundial pós-olímpico, por isso não apostaria em duas novatas. Dê uma olhada em Yuki Uchiyama e veja algo de melhor qualidade do que as que você apresentou.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Entendo seu ponto de vista e sua opinião, mas a nossa opinião é a do texto mesmo. Essa série tem a intenção de apresentar sempre as melhores novatas do ano na NOSSA opinião. Yuki Uchiyama realmente é muito boa, mas a nossa vontade foi de escrever sobre as quatro ginastas citadas.

        Excluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.