• Brasil conquista mais duas medalhas nas finais por aparelhos em Jesolo


    Flávia Saraiva continuou o sucesso do Brasil nas finais por aparelhos que aconteceram hoje em Jesolo. Finalista de solo e trave, conseguiu o ouro no primeiro e a prata no segundo, mesmo empatada com duas outras concorrentes.

    Sem conseguir sua melhor série na trave, Flávia poderia ainda ter ganho essa final com uma margem alta de vantagem. Pontuando 14,100 e empatada em 2° com a francesa Marine Boyer, a ginasta teve desequilíbrios e ainda perdeu a ligação de reversão sem mãos + sheep jump + flic, que bonifica em 0,2 que seriam suficientes para o ouro. No solo, evoluiu para uma série melhor, cravando o tsukahara carpado, elemento novo em série. Pode completar mais os saltos de dança para não dar margem de dúvidas aos árbitros, que na dúvida muitas vezes optam por desconsiderar o valor do elemento.

    Rebeca também esteve nas mesmas finais que Flávia, entretanto ficou fora do pódio. No solo foi muito bem nas acrobacias, mas pode ter tido elementos de dança desconsiderados. Na trave fez uma boa série, mas falhou na saída, chegando com o tronco muito baixo e passo largo para frente. Na paralela teve um erro grande ao tocar os pés na barra durante a transição do elemento van leewen, o que comprometeu sua nota final, 13,800, e que poderia ter passado dos 14 pontos. Finalizou em 4° no solo, 5° nas assimétricas e 6° na trave.

    Ambas se encontram muito bem no cenário internacional, principalmente se tratando do novo código de pontuação. Nenhuma vez na história o Brasil conseguiu ficar à frente da Rússia numa competição por equipes, essa é uma final para ser lembrada. O Brasil competiu contra equipes titulares da Rússia e dos Estados Unidos, se portando muito bem e mostrando ginástica atualizada e de qualidade.

    Shallon Olsen (CAN) levou o ouro no salto e Elena Eremina (RUS) levou o ouro na paralela. Riley McCusker ficou com o ouro na trave (USA) e Abby Palson (EUA) acabou empatando com Flávia no primeiro lugar do solo.

    As notas finais do Brasil nas finais por aparelhos foram:

    Rebeca Andrade - Solo (13,550), trave (13,350) e paralela (13,800).
    Flávia Saraiva - Solo (13,900) e trave (14,100)

    Confira os resultados completos.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Divulgação
  • You might also like

    6 comentários:

    1. Uma Pergunta. É normal as notas das séries das ginástas ficarem baixas no começo do novo códio e ciclo olímpico?

      ResponderExcluir
    2. https://www.youtube.com/watch?v=YhAGfIsasbQ

      Controle e segurança emocional, dois diferenciais que não víamos nas gerações mais antigas.

      Posso estar dizendo alguma besteira aqui mas vamos lá, é errando que se aprende.

      O Brasil da época da Danny Hypólito, da Daiane dos Santos e da Jade, podemos resumir assim, já apresentava muita dificuldade, mas tinha pouco controle ou sei lá, técnica, do que essa maravilha do vídeo que estou vendo.

      Alto nível de dificuldade já diz muito sobre o nível de qualidade da ou do ginasta, pelo menos nesse quesito.

      Ok, só que na parte da técnica, o Brasil, ou pecava, ou era muito inconsistente. Mas agora, com esses exercícios nas alturas, essas aterrissagens super seguras, realmente percebe-se que a tal ''técnica'' que faltava à equipe brasileira, finalmente foi ''conquistada'', e os primeiros resultados já são assombrosos.

      Interessante que, ao mesmo tempo que o Brasil deu um salto de qualidade neste quesito, nos últimos anos, Rússia e Romênia tem patinado muito mais.

      ResponderExcluir
    3. Eu vi que a Flávia também estar treinando um Double Layout. Se ela ficasse com um Tsukahara carpado, Double Layout e um Double Double, ela teria chance de uma final no solo no mundial? Pois você ver, ela é Boa tanto na trave quanto no solo, mas em campeonatos grande,ela só se sobresai na trave. Torço muito por ela, ela merece, mas ela e o técnicos deve acrescentar mais dificuldades em sua rotinas, não acha?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. O campeonato desse ano é só AA e individuais por aparelho, se por exemplo ela tiver uma serie de solo com tsuka carpado, tsuka grupado, duplo esticado + a ligação de pirueta e meia + dupla, dependendo da execução ela poderia sim pegar uma final no solo também dependendo das outras competidoras.

        Excluir
    4. GENTE O ACONTECEU COM A JORDAN CHILESGINÁSTICA AMERICANA ESTA MUITO AFIM DE VÊ LA COMPETIR FOI ANUNCIADA EM DUAS COMPETIÇÕES MAS FOI SUBSTITUÍDA POR OUTRAS. QUERO NOTÍCIAS ELA SEMPRE FOI VISTA COMO UMA PROMESSA . ELE TEM UM AMANAR PERFEITO JÁ O REALIZAVA AOS 14 ANOS. E SERIA MUITO FORTE NO SOLO E NA TRAVE.

      ResponderExcluir
    5. E o Campeonato Europeu de Ginástica?

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.