• O que a ginástica reserva para 2018? - Parte 2 - Rússia


    A equipe russa de 2018 já foi anunciada e duas das ginastas mencionadas nesse post já estão na seleção principal enquanto as outras duas integram a seleção reserva. Merecidamente, Angelina Simakova - sem dúvidas a melhor novata - e Aleksandra Shchekoldina estão na principal enquanto Valeriia Saifulina e Varvara Zubova terão que trabalhar mais um pouco.

    Angelina Simakova

    O que dizer dessa ginasta? Simakova já está pronta para competições e medalhas em 2018. O único caminho que falta é coloca-la para competir o máximo possível para conseguir e experiência e chegar em Doha acertando mais ainda suas séries. No solo, tem um artístico belíssimo e boas acrobacias, contando com a sequência de dupla e meia + pirueta e uma excelente tripla. Segue a mesma ideia na trave, com uma série dinâmica e uma ótima sequência de flic + dois layouts. Nas assimétricas não possui problemas de angulações nos trocos e lançamentos à parada, cravando praticamente todos de sua série que é curta, tem poucos descontos e já parte de 5,6. Para finalizar, conta com um rudi (reversão com pirueta e meia) espetacular no salto. Resumindo, Simakova é uma ginasta excelente de se assistir: segura, limpa, artística e forte.





    Aleksandra Shchekoldina

    Com muito potencial a ser explorado, Aleksandra Shchekoldina chega à categoria adulta. A ginasta é bem potente de pernas, fato que, com certeza, é um diferencial para ela por ser russa. No solo, apresenta acrobacias muito difíceis, como o duplo com dupla grupado que abre sua série e a tripla pirueta de costas que fecha. No salto, apresenta um yurchenko com dupla que sobra e pode evoluir para um amanar. Nas assimétricas e trave, apesar de já possuir séries com bom valor de dificuldade, ainda comete erros bobos, mas que, se fixados, podem coloca-la como uma das próximas “all-arounders” russas de sucesso nesse ciclo.





    Valeriia Saifulina

    Saifulina foi uma das juvenis que mais competiu pela Rússia no ano passado, mas sempre cometendo grandes erros. Dessa forma, a inconstância será sua principal adversária esse ano. Possui séries boas em todos os aparelhos, podendo ser uma carta na manga da equipe russa, mas precisa aumentar o grau de acertos de suas séries. Já apresentou um yurchenko com dupla no salto; série de assimétricas com nota de partida 5,6 - apesar de erros grandes de abertura de pernas; sequências difíceis na trave, como a rondada + mortal esticado e a entrada de mortal pra frente; solo bem artístico e bom boas acrobacias, mesmo com aterrisagens um pouco pesadas. Se quiser continuar integrando a equipe adulta assim como integrou a juvenil, precisa trabalhar em formas de cravar suas séries, para não terminar como uma daquelas ginastas russas cheias de potencial mas que nunca conseguiu seu lugar ao sol.



    Varvara Zubova

    Talvez a mais conhecida de todos, Zubova encantava desde muito novinha. Pequena e bem fortinha, tinha séries fortes e impressionantes desde uns 12 anos de idade. Chega agora à categoria adulta como uma das principais promessas da Rússia. Entretanto, no fim do ano passado, aparentemente seu rendimento caiu um pouco. Na Voronin Cup, com um corpo diferente e um pouco pesada, deu a impressão de que a puberdade chegou, época mais temida na vida das ginastas e treinadores. Apesar disso, Zubova é uma excelente ginasta, principalmente na trave, seu melhor aparelho: flic + dois layouts; reversão + mortal; saída de ronda + flic + duplo carpado. Sua série de barras assimétricas e solo provavelmente ainda não atingiram o ápice, apesar de já contar com uma saída de tsukahara estendido no primeiro aparelho e uma entrada belíssima de tripla no segundo. O salto é seu ponto fraco, talvez por sua baixa estatura, e apresentou no fim do ano apenas uma reversão + mortal grupado com meia volta.






    Post de Cedrick Willian

    Foto: FloGymnastics
  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.