• Finais por aparelhos do Evento Teste


    Aconteceram hoje as finais por aparelhos, todas reunidas em um só dia, e foi mais um dia feliz para o Brasil. A delegação brasileira finalizou a competição com quatro medalhas: duas de ouro, com Arthur Zanetti nas argolas e Flávia Saraiva no solo, uma de prata com Flávia na trave e uma de bronze com Rebeca Andrade nas assimétricas. Confira os resultados completos e análise da cada final!

    Solo masculino

    Com apenas um especialista forte nessa final, o ucraniano Oleg Verniaiev levou o ouro com 15,266. A série não é tão forte para uma medalha olímpica ou mundial mas, ao mesmo tempo, muito considerável para uma final individual geral. O irlandês Kiera Behan, que estava fazendo seu nome nesse aparelho e passou um tempo afastado se recuperando de lesões, conseguiu 15,058 e ficou com a prata. Vale lembrar que o ginasta também se classificou individualmente para os Jogos Olímpicos e, mantendo sua boa execução e aumentando a nota de partida, pode chegar próximo de uma final olímpica. O espanhol Nestor Abad pontou 14,833 e terminou com o bronze, na final que tinha seu compatriota medalhista Rayderley Zapata como principal candidato ao ouro, mas que acabou caindo e terminando na última colocação. Resultados completos.

    Salto feminino

    Dipa Karmakar, da Índia, mostrou a globalização e evolução da ginástica mundial. Quem imaginaria um ouro para a Índia em um campeonato importante como esse? Dipa também classificou seu país pela primeira vez para uma edição dos Jogos, coisa linda de se ver. Oksana Chusovitina parte para sua 7ª Olimpíada levando, também, uma prata no salto aqui no Evento Teste. As duas foram as que mais se destacaram na final, que contou com a presença de Daniele Hypólito. A brasileira fez um excelente yurchenko com pirueta e meia, mas chegou com o tronco muito baixo no salto podkopayeva e acabou terminando em 5º lugar. Resultados completos.

    Cavalo com alças

    Coisa rara de ser ver é uma final de cavalo com alças sem quedas, e aqui no Evento Teste não foi diferente. Um dos candidatos a medalha e muito conhecido nas finais de cavalo com alças, o croata Filip Ude, fez uma série desastrosa e terminou na última posição. Mais algumas quedas se seguiram com outros bons ginastas e, no fim das contas, o ouro ficou com o chinês Wei Sun, que realmente fez uma série brilhante, muito leve e bem executada. John Orozco, que não é um especialista nesse aparelho, ficou com a prata e e o húgaro Vid Hivegi ficou com o bronze. Orozco passou dos 15 pontos, nota MUITO considerável para a equipe americana. Resultados completos.

    Barras assimétricas

    Como era de se esperar, a Alemanha dominou o pódio da final, conquistando o ouro com a Elizabeth Seitz e a prata com Sophie Schedder. Rebeca Andrade terminou com o bronze com uma nota melhor que nas classificatórias: 14,433. A final de barras assimétricas foi muito disputada e com um nível bom, fato confirmado pelo número de 9 ginastas na final: Laura Waem, da Bélgica, e Larissa Miller, da Austrália, tiveram a mesma nota final nas classificatórias, com a mesma nota de dificuldade e execução. Destaque para a equipe francesa, representada pela "new senior" Oreane Lechenault e por Loan His, que, apesar de não terem conquistado medalhas, podem ajudar o país a figurar como uma das melhores equipes nesse aparelho nos Jogos. Resultados completos.

    Argolas

    Arthur Zanetti surpreendeu e levou o ouro, superando o grego campeão mundial Eleftherios Petrounias. Petrounias deu um pequeno salto na saída, fato que pode ter comprometido sua nota de execução, que poderia ter sido mais alta. Mesmo assim, 0,033 foi o que separou Zanetti de Petrounias, mostrando que ambos estão em uma disputa acirrada atualmente. Entretanto, acredito que o Zanetti está em uma situação menos favorável: um passinho na saída é um erro que ele não pode mais cometer se quiser uma nota realmente muito boa. O bronze ficou com o francês Samir Ait Said, que fez uma boa prova e até poderia ter pontuado mais que os 15,500 recebidos, talvez por ter sido um dos primeiros a competir. Resultados completos.

    Salto masculino

    Dois belíssimos saltos de dois grandes ginastas ucranianos: tanto Oleg Verniaiev como Igor Radivilov fizeram dragulescus incríveis! Terminaram com ouro e bronze, sendo separados pelo americano Jake Dalton, que apresentou um tukahara com tripla muito bom e uma reversão com pirueta e meia muito limpa e cravada (9,441 de execução!). Radivilov sempre tem chances de conseguir uma nota final e colocação melhores, mas precisa treinar mais a chegada de seu segundo salto, um tsukahara com duplo mortal carpado. Hoje não foi a primeira vez que teve problemas na chegada desse salto dificílimo, que ganha muita rotação no segundo voo. Resultados completos.

    Trave

    Outra final feminina muito interessante e disputada. Todas as ginastas classificadas tinham chances de sair com uma medalha. A final contou, inclusive, com a presença da holandesa Sanne Wevers e da alemã Pauline Schaeffer, medalhistas de prata e bronze no último mundial. E foi exatamente Sanne Wevers quem levou a melhor hoje: acertando todos os giros e conseguindo a sequência de duas estrelas sem mãos + reversão sem mãos, conseguiu 14,800 e ultrapassou Flávia Saraiva, que poutou 14,733. Flávia deve focar parte do treino na saída de sua série, onde sempre perde pontos preciosos. A sequência de cortada anel + sheep jump deve ser repensada, já que nunca é considerada e sempre contém desequilíbrios. O pódio foi completado por Lieke Wevers, com boa série e nota 14.366. Ana Sofia Gomez, da Guatemala, passou uma série muito boa, com uma sequência cravada de flic + pirueta. Outra série de destaque foi a da canadense Isabel Onyshko, que mesmo com um desequilíbrio grande conseguiu passar dos 14 pontos. Resultados completos.

    Barra paralela

    Muito disputada e com pouquíssimos erros, a final de paralela foi excelente. Verniaiev, presente em todas as finais hoje, competiu brilhantemente, tendo como o único erro evidente um passinho na saída. Cravou todos os trocos com muita facilidade, limpeza e uma linha corporal que só a Ucrânia tem. Foi seguido do turco Ferhat Arican, também ótimo em execução e conquistando uma medalha muito importante para sua carreira. Anton Fokin ficou em terceiro, com uma saída cravada de duplo pra frente e uma linha corporal de dar gosto de se ver. Foi a maior nota de execução do dia: 9,100! O alemão Lukas Dauser terminou em 4º lugar, com trocos impressionantes durante a série. Não teve nenhum troco fora da parada, todos limpos e muito precisos. O passo largo na saída acabou por deixá-lo fora do pódio. Resultados completos.

    Solo feminino

    Flávia Saraiva fez uma série muito melhor do que nas classificatórias e levantou a HSBC Arena. Com uma série empolgante e cravando quase todas as acrobacias, não teve adversária que conseguiu bate seu solo de 14,400. Daniele Hypólito infelizmente teve uma queda logo no começo, na sequência de pirueta e meia + dupla, mas tentou realizar um giro mustafina em um momento. O restante da série foi muito boa e poderia ter estado no pódio ao lado de Flávia. Larissa Miller, da Austrália, já foi finalista mundial nesse aparelho e, mesmo com alguns erros, consegui a prata. Fez uma série com potencial ótimo para finais importantes, basta acertar na hora certa. A alemã Leah Griesser terminou com o bronze, com uma série limpa e boa coreografia. Resultados completos.

    Barra fixa

    Andreas Bretschneider e Epke Zonderland firmaram uma briga pelo ginasta mais louco ou que arriscaria mais a vida! Brincadeiras à parte, o alemão Bretschneider teve uma série com nota de dificuldade mais alta mas o holandês Zonderland foi mais limpo, com destaque para sua belíssima combinação de kovacs + kolman. O americano John Orozco completou o pódio com uma boa série e nota final 15,366. O britânico Nile Wilson, que está voltando de lesão, teve muitos erros e terminou em último lugar. Oleg Verniaiev, cansado, também não conseguiu fazer uma série completa. Depois de passar por todos os aparelhos, errou a barra. Em um individual geral, hoje teria somado 89,814. Resultados completos.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil
  • You might also like

    9 comentários:

    1. Essas holandesas tão de brication with agente. Deixe estar, a Lei de Newton vos espera. Vamos ao importante! Parabéns as brasileiras, vocês foram excelentes!

      Daniele novamente chamando a responsabilidade;
      Flavinha simplesmente brilhando;
      Rebeca e Lorrane fazendo milagres em meio as lesões, algo que Jade fez e faz há anos;
      Carolyne, na primeira competição de grande porte e em casa, abriu nosso aparelho mais difícil!

      Um abraço para nossa seleção, um abraço para a galera do Gym Blog, um abraço para todo mundo! Ganhamos em casa e vamos para as olimpíadas! Outro abraço!

      Finalmente, valeu GBB, mais uma vez vocês não falharam!



      ResponderExcluir
    2. Que final de semana lindo pra ginástica brasileira! Meninas confiantes, seguras, consistentes que conseguiram a tão sonhada vaga olímpica. O mais bonito de tudo, foi a união e a alegria de competirem juntas, era visível que estavam se divertindo e nos divertiram também! Não foi fácil com certeza, mas elas fizeram tudo tão bem feito que pareceu que foi.
      Daniele - Segura e passou muita confiança pras mais novas.
      Jade - Também passou tranquilidade pras demais e fez provas maravilhosas.
      Carol - Errou onde podia e fez uma bela prova quando precisou ( cobriu bem a queda da Jade)
      Rebeca - Pra quem tá voltando de lesão, a senhora é destruidora mesmo!!!
      Flavinha - Personificação de um minion: Baixinha, fofa, mas que mostra serviço quando é exigida.
      GBB - Melhor meio de informações de ginástica do mundo! Rei, "dono e proprietário" das melhores infos!!!

      ResponderExcluir
    3. Ah... um adendo!
      Lorrane : Suas definições de guerreira foram atualizadas

      ResponderExcluir
    4. Esses macaquitos nunca aprendem, só mesmo na base do chicote pra aprender a parar de gritar igual a umas hérnias de disco... essas olim-piadas serão ''divertidas'' e vergonha alheia pra brasileiro com bom senso.

      Wevers arrasou como sempre mas ainda mais, que série belíssima!!!

      Agora quem sempre faz feio é a plateia brasileira com o seu ''entusiasmo'' inapropriado. Público deveria ser proibido nestas olim-piadas.

      ResponderExcluir
    5. Aiiiiiiiii, cadê o meu comentário??? Eu tinha elogiado a The Tânger... Exijo que publiquem pois sou muito fã de vocês...

      ResponderExcluir
    6. O que eu percebo, vendo as ginastas americanas (e ginastos), é que eles apresentam excelente estabilidade na prática de suas rotinas. Em compensação, os atletas de outros países não costumam ser muito estáveis, o que se passa** O que que os EUA tem que os outros não tem**

      Dinheiro* alguns poderiam dizer, mas eu não acredito que seja apenas isso, tem algo a mais, algum truque na hora do treino, algum aspecto psicológico bem trabalhado, sei lá.

      O caso da Wevers, a ginasta que descobriu um talento e tanto no giro, é bem instável em suas apresentações. Se fosse treinada ou mesmo se representasse os EUA, ela teria maior sorte neste quesito, diga-se, fundamental**

      ResponderExcluir
    7. Daniele chamou a responsabilidade.

      Jade...linda. Deveria botar FRONT PIKE e tentar ligar salto de dança com a Estrela sem mãos.

      Flavia brilhou. Pode se destacar mais na Trave caso faça salto cortada em arco isolado(E) e depois de pausa ligue uma reversao sem maos + sheep jump (0.2).


      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.