• Saída de duplo carpado na paralela: I'm not impressed.


    Se você não aguenta mais essa mesma saída nas séries de paralela de todos os ginastas do mundo inteiro, junte-se comigo nesse desabafo! E não é porque a saída é feia, é fácil, é difícil, nem nada disso: é porque já deu, cansou. Convenhamos: uma saída de tsukahara não é muito mais interessante que uma saída de duplo carpado? Até a saída de duplo grupado eu acho mais interessante, apesar de valer menos! Entendo que os ginastas precisam fazer uma saída de valor mínimo D para ganhar o valor máximo dos requisitos de composição. E a saída mais segura, entre as saídas D, é a de duplo carpado! Entretanto temos outras saídas bem interessantes que poderiam ser usadas (código 2013-2016). Confira:

    SAÍDAS VALOR D

    Duplo carpado
    Tsukahara grupado vindo da suspensão e saindo de frente (acho que essa deveria ter valor E)
    Mortal carpado ou esticado para frente, com dupla ou dupla pirueta e meia
    Mortal esticado para trás com dupla pirueta
    Roethlisberger: consiste em um balanço atrás com meia volta + mortal para trás (confira o vídeo)



    SAÍDAS VALOR E

    Duplo grupado para frente

    SAÍDAS VALOR F

    Belyavskiy: consiste em um duplo carpado para frente
    Duplo grupado para frente com meia volta
    Duplo twist

    SAÍDAS VALOR G

    Hiroyuki Kato: consiste em um duplo twist grupado com meia volta. Confira essa saída no minuto 3 do vídeo abaixo.
    Tsukahara grupado saindo na lateral de paralela. Na verdade, o tsukahara é o mesmo exercício que Kato faz, só que executado com técnica diferente. No exercício de Kato, o ginasta faz meia volta no primeiro mortal e meia volta no segundo mortal. No tsukahara, o ginasta executa a pirueta completa no primeiro mortal.



    Se você se pensar um pouco, apenas 4 ginastas executaram a saídas diferentes de duplo carpado nos Jogos de Londres. Estes foram:

    David Belyavskiy, da Rússia, que executou o duplo carpado para frente (F);
    Daniel Corral e Mykola Kuksenkov, que executaram o duplo grupado para frente (E);
    Marcel Nguyen, que executou a saída de tsukahara grupado (G).

    Qual seria a solução para que os ginastas começassem a ousar mais na saída da paralela e sair da mesmice de sempre? Será que, se baixassem o duplo carpado para o valor C, os ginastas arriscariam outras saídas para ganhar o requisito de composição integral (5 décimos)? Será que o código não poderia fazer uma tabela de requisitos de saídas exclusiva para a paralela, em que saídas C não pontuassem, saídas D pontuassem em 0,3 e saídas E ou mais pontuassem em 0,5? Deixe a sua opinião.

  • You might also like

    5 comentários:

    1. Pior que é mesmo... sempre a mesma saída, nada de ousadia. Tem séries que se bobiar os árbitros nem esperam pra fazer nota D pq já sabem tudo o que vai ser executado. Baixar para C o Duplo carpado acho que vai ser dificil mais seria o ideal. Gosto muito de um ginasta aqui em SC que arrisca e faz saída de Duplo grupado para frente, é muito legal de ver de perto...

      ResponderExcluir
    2. Deveriam diminuir o seu valor pra C, aí os ginastas seriam 'obrigados' a fazer uma saída diferente. Eu gostaria muito de ver os ginastas saindo de mortais com pirueta da paralela, e possuem algumas que valem D, não sei porque os ginastas não as usam ):

      Carlos Ferreira.

      ResponderExcluir
    3. E eu já estou de saco cheio em ver o solo feminino terminando com o duplo carpado também. Claro que na última passada as meninas já estão mortas de cansadas e o duplo carpado é o que sobra, mas já enjooei. Aliás, não gosto do grupado nem do carpado como passada. Adoro as ginastas que começam com duplo com dupla ou duplo esticado e na outra passada fazem tripla pirueta (o que já é bem comum), nesses casos aceito o grupado ou carpado. Mas as que fazem duplo carpado, duplo grupado, dupla pirueta(ou dupla e meia) na mesma apresentação acho que tá pecando um pouco na falta de dificuldade.

      ResponderExcluir
    4. Também não vejo graça no duplo carpado !!

      ResponderExcluir
    5. Muito obrigada, falecida Mukhina, por alguém ter a mesma opinião que eu!

      Já falei sobre isso em algum post anterior aí. E ainda tem gente que acha que estou sendo crítica demais e falam "Mas é a saída mais segura", "Mas é tão bonito quando crava", e etc, etc...

      Amizade, qualquer saída é linda quando chega-se cravada. E concordo com o anônimo ali de cima: um dos piores erros da FIG foi subir a dificuldade do duplo grupado. Eu adoro demais a Mustafina, mas vocês acham que eu fiquei feliz ao vê-la executar um duplo grupado no solo? Claro que não! As passadas da série de 2011 já eram perfeitas, e condiziam com sua preparação de 2012 (com ou sem lesão).

      Já está na hora de diminuir o duplo carpado no solo feminino também. Particularmente, se for para sair com o minimo aceitável (D), acho bem mais bonita a saída de dupla e meia pirueta. Em questão de primeiras acrobacias, as que entram, o DD grupado já enjoou. É bonito, é difícil, mas muita gente faz hoje em dia, e foi absurdo a FIG subi-lo para H e deixar o Dos Santos II como G. Porque convenhamos, qual a ginasta do circuito internacional, categoria A, que executa o DTE hoje? Desconheço qualquer uma.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.