• O que a ginástica reserva para 2014? - Parte 6


    Sexta parte da série "O que a ginástica reserva para 2014".

    GRÃ-BRETANHA

    Emily Crowe

    Após um ano bastante apagado por causa de uma lesão sofrida durante preparação para disputar a última edição do AYOF, Emily é a grande esperança de renovação da equipe britânica pra 2014. Destaque nas provas de trave e solo, aos 14 anos a ginasta já apresentava séries com potencial de 5.6 em ambos os aparelhos. Em sua última competição internacional, a Olympic Hopes Cup em Liberec, teve resultados pouco expressivos no geral, mas contribuiu para a conquista do título por equipe da Grã-Bretanha e alcançou a segunda maior nota do salto com um FTY.



    Gabby Jupp

    Gabby se tornou sênior em 2013, como principal promessa da Grã-Bretanha para o ano. Sua primeira competição foi a American Cup do ano, uma experiência importante para ganho de experiência, se apresentando muito bem. Logo após competiu no British Championships, onde foi a campeã e provavelmente o ponto mais alto da sua carreira. O próximo passo era o Campeonato Europeu, onde ela poderia fazer uma competição limpa que lhe trouxesse resultados. Entretanto, uma lesão na saída da trave a deixou fora do restante da temporada 2013. Gabby ainda tinha muito para evoluir, apesar de já apresentar bons exercícios, como o flic + layout + layout na trave; a saída de duplo esticado com pirueta da paralela e o tsukahara e duplo twist grupado no solo. Recuperada e "apenas" com suas séries antigas, consideramos Jupp como a principal ginasta da equipe britânica na equipe do Mundial esse ano.



    Ruby Harrold
    Ruby Harrold também se tornou sênior em 2013 e foi uma promessa britânica que vingou, apesar de não ser tão boa em todos os aparelhos. No Mundial, saltou apenas um yurchenko com pirueta e teve nota D de 5.1 na trave e 5.4 no solo. Apesar disso, tinha uma série de paralela bem original, com nota D de 6.3, que lhe rendeu uma medalha de prata em Doha, na Copa do Mundo de Ginástica Artística, e uma final no Mundial, terminando na sétima colocação. Harrold precisa evoluir um pouco mais nos outros aparelhos, principalmente salto. Apesar disso pode fazer parte da equipe britânica no Mundial esse ano, já que tem uma série de paralela que é praticamente garantida na final.




    Rebecca Tunney

    Foi uma ginasta promissora e essencial para a equipe britânica nos Jogos de Londres, mas teve um 2013 meio apagado e triste. Com séries mais simples e resultados bem menos expressivos, Tunney chegou ao Campeonato Mundial com chances de final de barras, seu melhor aparelho, mas acabou por conseguir apenas um 19° lugar na final do individual geral, somando menos de 53 pontos e saindo do campeonato como a ginasta britânica com o resultado mais fraco dentre as que foram para Antwerp. Sua série de barras começa com uma sequência complexa de voos, tendo um Komova II + Pak + Chow + Shootover + Passagem Ray, conexão que bonifica em 4 décimos e é o destaque da montagem que soma um 6.4 de dificuldade. Sua execução pouco polida nas piruetas e postura incorreta do corpo nas retomadas dos voos comprometem e muito sua nota E. O solo é o segundo aparelho de Rebecca, que apresenta um flic sem mãos + duplo twist grupado de entrada, sequência que bonifica em dois décimos. Tunney, apesar de arriscar nas diagonais, também apresentando uma sequência de 1.5 ao passo 2.5 de terceira passada, acaba não mostrando a mesma habilidade nos saltos ginásticos, que além de terem pouco grau de dificuldade, são realizados com pouca amplitude e postura incorreta das pernas. Por esse motivo, sua nota de dificuldade chega a no máximo 5.8. Essa nota D é a mesma que ela realiza no seu terceiro melhor aparelho, o salto, onde ela realiza um ótimo yurchenko com dupla pirueta. O aparelho mais fraco da britânica é exatamente a trave, onde ela mostra baixa dificuldade (5.6 considerando todas as ligações), inconsistência e execução ruim, principalmente nos elementos de dança.



    JAPÃO

    Yuki Uchiyama 

    Principal promessa do Japão para o Mundial de Nanning, a jovem Yuki obteve resultados bastante interessantes durante o ano passado, e mostrou potencial para figurar entre as representantes japonesas nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016. Atual campeã da NHK Cup no individual geral e nacional no solo, é uma ginasta versátil, segura em seus aparelhos mais fortes, barras e, como visto anteriormente, solo (DTG, tripla pirueta). Na trave, já apresenta elementos de boa dificuldade, precisando, no entanto, de mais consistência (rondada-mortal esticado e duplo carpado de saída). Durante o Nacional Juvenil que aconteceu em agosto e serviu como seletiva para o Japan Junior International, de maneira atípica, cometeu muitos erros e acabou ficando de fora da competição.



    Murakami Mai

    Murakami começou a impressionar o Mundo quando ainda era uma ginasta juvenil e apresentava um solo monstruoso: duplo esticado, duplo mortal com dupla pirueta, sequência de pirueta + pirueta e meia para frente e tripa pirueta. Teve alguns problemas com lesões e era inconsistente em competições internacionais, o que ocasionou em sua não participação dos Jogos de Londres. Os admiradores da ginasta puderam ver o real potencial de Murakami apenas em 2013, quando ela conseguiu uma vaga na final de solo no Mundial. Murakami tem uma parte artística muito boa e uma excelente coreografia, principalmente se tratando de uma japonesa. Nessa final, fez tudo o que pode e, aos meus olhos, que presenciaram essa final ao vivo, Murakami não poderia ter saído do Mundial sem uma medalha. A ginasta tem potencial no salto (onde também tentou uma final) e uma boa trave, o que a coloca como uma ginasta necessária na equipe japonesa esse ano, principalmente quando ela pode dar chance aos árbitros de apreciarem sua série na final mais uma vez.



    Asuka Teramoto

    É uma ginasta com boa explosão pra uma japonesa, e atualmente tem como principais aparelhos o solo e o salto. Sua série de solo tem como ponto forte os mortais com piruetas, sendo as 3 primeiras passadas realizadas dessa forma: dupla pirueta frontal + mortal grupado, dupla e meia de costas + mortal esticado e tripla pirueta. Com pouco risco na parte de dança, sua nota de dificuldade pode alcançar até 5.7 quando tudo é feito de forma precisa. Nos Jogos Olímpicos de Londres, Teramoto conseguiu a terceira vaga de reserva pra final, ficando a apenas dois décimos de ficar entre as oito finalistas. No salto, seu segundo melhor aparelho, Asuka atualmente arrisca uma reversão-mortal esticado com pirueta e meia (ou Rudi), que tem um 6.2 de dificuldade, mas que ainda não é realizado de forma segura. A ginasta japonesa conseguia fazer um yurchenko com dupla pirueta (5.8) com uma execução muito boa, mas desde os Jogos de Londres ela não apresenta a mesma facilidade com ele (tendo realizado só uma vez em 2013, e de forma incorreta). Se Teramoto realizar ambos os saltos com sucesso na classificatória do Mundial de 2014, uma final nesse aparelho seria mais do que certa. Nas barras, Asuka também não desaponta, tendo já ido pra final desse aparelho no Mundial de 201, mas a jovem japonesa não vêm realizando sua série de 5.9 com a mesma consistência, tendo alguns problemas de postura durante o exercícios, apesar dos lançamentos serem perfeitos. Sua série de trave também é promissora, partindo de 6.2 quando ela acerta todas as ligações, mas a inconsistência é um fator que pesa bastante em seu desempenho nas competições.


    Natsumi Sasada

    Sasada se destaca pela originalidade em suas séries, sobretudo nas barras e trave. Na série de barras, a ginasta japonesa realiza um desloque (valor E), elemento difícil e bastante incomum nesse aparelho, que em combinação com uma série de stalders de boa dificuldade, faz sua nota D alcançar os 6.0. Na trave de equilibrio, Natsumi inova realmente com sua entrada fantástica e extremamente arriscada de rondante-mortal esticado com pirueta, que tem o valor máximo entre os elementos de trave (G). Seguindo com pouco risco nas acrobacias do resto da série, sua nota de dificuldade pode alcançar apenas 6.1 quando todos os elementos são validados, devido a falta de conexões durante a série (a única que a ginasta realiza pra bonificação é um salto cortada + salto anel, que bonifica ''apenas'' em 0.1). Sua inconsistência é um outro problema sério em sua série, que costuma ter muitos desequilíbrios e execução não muito correta nos elementos de dança. Sua série de solo é composta por alguns elementos interessantes, como uma entrada de tsukahara grupado e um giro memmel, mas peca um pouco na falta de dificuldade no resto do exercício, sobretudo na parte acrobática, ela realiza apenas exercícios D's avulsos pra compôr sua terceira e quarta passadas. Por esse motivo, a nota máxima de dificuldade da série é 5.5. O salto é de longe o aparelho mais fraco de Natsumi Sasada, com um simples (porém limpo) yurchenko com pirueta (5.0), que não tem altura suficiente pra se tornar algo mais complexo.


    Texto de Cedrick Willian, Bernardo Abdo e Stephan Nogueira.
    Foto: Thomas Schereyer

    Esse é o quinto texto de 2013/2014 da série " O que a ginástica reserva". Todo fim de ano faremos postagens sobre os maiores nomes que competirão no ano seguinte. O último texto será exclusivamente escrito sobre ginastas do Brasil.
  • You might also like

    8 comentários:

    1. Solo excelente de Mai Murakami, como ele saiu do último mundial sem nenhuma medalha? Mais uma das injustiças da ginástica!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Com certeza foi a maior injustiça do Mundial 2013.

        Excluir
      2. nossa nem me fale , muita injustiça, bem medalha nem sei mas merecia levar mais de 14, 500 um giro quadruplo perfeito, DE lindo e um silivas sensacional . , eu demetiria esses arbritos que combinam dar notas baixas

        Excluir
      3. Seleções que ameaçam o brasil em 2016, se todas manterem o nivel já era , mas tão é melhorando cada vez mais aii fud***u tudo

        Excluir
    2. Será que ate 2016 sai a materia do Brasil???? Pq ta de mais...

      ResponderExcluir
    3. Boas ginastas, apenas isso ! Não vejo nada de excepcional nelas.

      Que venha o texto das brasileiras

      ResponderExcluir
    4. De fato HOJE estas seleções possuem barras e traves mais fortes que as do Brasil (e talvez alguns solos), isso é FATO.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.