• Rússia conquista dois ouros por equipes nos Jogos Europeus 2015


    Tanto no masculino como no feminino, Rússia conquistou o ouro por equipes e sagrou-se campeã da primeira edição dos Jogos Europeus da história. A equipe feminina liderou a final desde o primeiro dia de competições. Já a masculina decidiu a final no segundo dia, quando conseguiu ultrapassar a Ucrânia, que ficou na segunda posição.

    Aliya Mustafina ficou por conta das melhores performances da Rússia e só não teve a melhor nota na trave, onde Seda Tutkhalyan conseguiu um 14.600. Tanto na trave como no solo, Aliya, Seda e Victoria Komova apresentaram novas séries com ótimas novidades e bom grau de dificuldade, mostrando que a equipe pode chegar muito bem preparada para o Mundial. As três ginastas apresentaram séries para deixá-las como ginastas garantidas na equipe que vai para a conquista da vaga olímpica em outubro em Glasgow.

    No masculino, o destaque ficou com Nikolai Kuksenkov que contou 5 das 6 notas que podia para a equipe. A disputa contra a Ucrânia foi acirrada: os ucranianos tiveram uma excelente competição no primeiro dia e começaram o segundo dia muito bem no salto sobre a mesa, mas deixaram a desejar na paralela e barra fixa, onde contaram com duas notas 15 de Oleg Verniaiev mas com outras duas notas 13 de Mykyta Yermak.

    Com notas excelentes e dignas de excelentes resultados no próximo Mundial, Verniaiev liderou a classificatória individual geral masculina e Mustafina liderou a feminina. Ambos os ginastas são favoritos em Baku nessa final e provavelmente levarão o ouro.

    Confira os resultados por equipes assim como os classificados para a final individual geral e finais por aparelhos que ainda faltam.

    MASCULINO

    Final por equipes

    1 - Rússia - 178.963
    2 - Ucrânia - 177.429
    3 - Azerbaijão - 174.195

    Resultados completos.

    Classificados individual geral

    1 - Oleg Verniaiev (UKR) - 91.532
    2 - Nikita Ignatyev (RUS) - 89.065
    3 - Oleg Stepko (AZE) - 88.231
    4 - Fabian Hambuechen (GER) - 87.432
    5 - Dzmitry Barkalau (BLR) - 87.365
    6 - Brinn Bevan (GBR) - 86.264

    Resultado completo com os 18 classificados.

    Classificados para as finais por aparelhos

    Salto

    1 - Oleg Verniaiev (UKR) - 15.333
    2 - Oleg Stepko (AZE) - 14.833
    3 - Tomi Tuuha (FIN) - 14.650
    4 - Ferhat Arican (TUR) - 14.483
    5 - Casimir Schmidt (NED) - 14.416
    6 - Cristian Bataga (ROM) - 14.416

    Resultados completos.

    Paralela

    1 - Oleg Verniaiev (UKR) - 15.666
    2 - Marius Berbecar (ROM) - 15.633
    3 - David Belyavskiy (RUS)  - 15.600
    4 - Oleg Stepko (AZE) - 15.566
    5 - Ferhat Arican (TUR) - 15.366
    6 - Axel Augis (FRA) - 15.100

    Resultados completos.

    Barra fixa

    1 - Vlasios Maras (GRE) - 15.766
    2 - Fabian Hambuechen (GER) - 15.633
    3 - Oleg Verniaiev (UKR) - 15.400
    4 - Nikita Ignatyev (RUS) - 15.366
    5 - Marijo Moznik (CRO) - 15.100
    6 - Andrey Likhovitskiy (BLR) - 15.000

    Resultados completos.

    FEMININO

    Final por equipes

    1 - Rússia - 116.897
    2 - Alemanha - 110.397
    3 - Holanda - 110.099

    Resultados completos.

    Classificadas individual geral

    1 - Aliya Mustafina (RUS) - 58.865
    2 - Giulia Steingruber (SUI) - 56.565
    3 - Sophie Scheder (GER) - 56.432
    4 - Lieke Wevers (NED) - 55.099
    5 - Tea Ugrin (ITA) - 54.765
    6 - Valentine Pikul (FRA) - 54.566

    Resultado completo com as 18 classificadas.

    Classificadas para as finais por aparelhos

    Trave

    1 - Seda Tutkhalyan (RUS) - 14.600
    2 - Giulia Steingruber (SUI) - 14.400
    3 - Sophie Scheder (GER) - 14.133
    4 - Andreea Iridon (ROM) - 14.100
    5 - Lieke Wevers (NED) - 14.066
    6 - Georgina Hockenhull (GBR) - 13.833

    Resultados completos.

    Solo

    1 - Aliya Mustafina (RUS) - 13.966
    2 - Silvia Zarzu (ROM) - 13.933
    3 - Lieke Wevers (NED) - 13.900
    4 - Giulia Steingruber (SUI) - 13.633
    5 - Lisa Verschueren (BEL) - 13.600
    6 - Valentine Pikul (FRRA) - 13.600

    Resultados completos.

    Post de Cedrick Willian
  • You might also like

    4 comentários:

    1. Gente que lindo ver Komova e Musta juntas de novo,adorei os upgrades, nunca imaginaria Komova fazendo duplo esticado,claro que até o mundial muita coisa deve ser melhorada e vai, mas é só questão de tempo, pois a concorrência na Rússia subiu muito de um ano pra cá,nós fãs só temos a ganhar com isso. E quanto a rainha Musty calando muitas bocas que pediram sua aposentadoria,linda de morrer,até errando ela lacra.Pode ser que a Rússia dê muita dor de cabeça para a Martha no mundial, se estas meninas conseguirem polir suas séries até lá a briga vai linda de se ver,tomara!

      ResponderExcluir
    2. ñ vi nada demais nessa tres,quanto a dor de cabeça que ela vai dar em Martha se for,dor de barriga.

      ResponderExcluir
    3. Ameaçar os EUA a essa altura é quase impossível. Qualquer time que queira desafiar as americanas precisa de 3 saltos de valor 6,5, e isso só pra começar; provas de solo na faixa dos 14.8-15. Acho que salto e solo são as duas provas que dão vantagem enorme para as os EUA, na trave e nas barras outras equipes competem de igual pra igual ou até superam: China e Romênia na trave, Rússia e China nas barras. No entanto, mesmo assim as americanas estão longe de serem fracas nesses dois aparelhos. Não ajuda muito o fato de Rússia e Romênia estarem meio "caídas" nos últimos anos. Catalina Ponor e Sandra Izbasa já voltaram a treinar, mesmo pq a Iordache não salva o time sozinha. O núcleo do time russo é o mesmo de Londres, a Kharenkova e a Spiridonova foram reforços muito bem vindos, mas as duas são especialistas. Quanto ao desempenho das russas nos jogos europeus, eu achei bom, não impressionou muito, mas a Komova foi bem, considerando que ela ficou tanto tempo sem competir, gostei principalmente do solo, onde ele executou boa dificuldade, fora que ela lutou pra ficar na trave dessa vez; a Seda foi quem me agradou mais, ela tem um estilo mais agressivo, me lembrou um pouco a Daniele Hypólito. A Mustafina mostrou que no individual geral, pelo menos por enquanto, ela é a única opção. A situação da Romênia é meio preocupante, sem a Iordache o time fica muito fraco, e o nível das provas de paralela tá ruim para uma time que quer pódio em mundial e olimpíada. Vamos aguardar o retorno da Ponor e da Izbasa...
      Mas é isso: desafiar os EUA, pelo menos na competição por equipe, é quase impossível, a emoção mesmo fica na briga pela prata, com China, Rússia e Romênia.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Realmente para as olimpíadas os EUA prometem levar uma equipe poderosíssima ,principalmente com a volta das veteranas junto com Biles o negócio vai feder pra concorrência,isso se tratando só da competição por equipes. No AA Biles deve estar preparando vários upgrades,pois no mundial passado ela provou não ser tão superior as demais,ganhou sim mas não com grande vantagem.Alguém já reparou na junior russa Sokova,parece que tem futuro a menina e tem idade pra ir ao Rio,tomara que as russas se preparem melhor para as olimpíadas,ganhar vai ser difícil mais pelo menos segurem a onda na hora e façam bonito,sonhar não custa nada né gente!

        Excluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.