• O pesadelo das lesões e o sistema de treinamento da seleção feminina


    O Mundial chegou e o Brasil tem que lidar com uma questão muito mais séria do que a classificação olímpica: por que tantas ginastas estão lesionadas? Fora as fatalidades, outros aspectos devem ser analisados. Milena Theodoro, Rebeca Andrade e Julie Kim fazem parte das ginastas que se lesionaram esse ano e que poderiam fazer do Mundial de Glasgow uma classificação olímpica tranquila.

    Muitos anos atrás, o modelo de treinamento em ginástica artística feminina a se seguir era o modelo soviético. O modelo de seleção permanente. O modelo que controla a vida da ginasta por completo: escola, saúde, alimentação, família, treino, relações pessoais, etc. O mundo inteiro copiava a extinta União Soviética enquanto ela existiu porque era esse o modelo que funcionava: as soviéticas eram as melhores do mundo. Devagar, outras campeãs foram surgindo, assim como novos modelos de treinamento.

    A seleção permanente era um método relativamente fácil de se executar dentro do regime soviético, já que, com a quantidade de países que lidavam, era possível ter um número maior de meninas para que "sobrassem" apenas as que sobreviviam ao método arcaico. Alexander Alexandrov e Oleg Ostapenko trabalharam durante muito tempo como treinadores das seleções soviéticas e fizeram parte do sucesso das equipes.

    Apesar do sucesso, esse é um padrão perigoso a seguir. Pode ter funcionado muito bem os países europeus, mas no Brasil os resultados mostram que a situação é bastante complicada. O sistema de treinamento usado por Oleg Ostapenko, entre 2001 e 2008, e por Alexander Alexandrov, desde 2013 até agora, trouxe resultado e medalhas, mas o preço pago foi muito alto. Você já se perguntou por que antigamente as ginastas tinham seu auge com 15 ou 16 anos e depois o rendimento caía drasticamente, forçando as mesmas a pararem e darem lugar para a próxima juvenil de 14 anos? Já se perguntou por que raramente participavam de mais de uma Olimpíada? Por que hoje no mundo temos ginastas com mais de 25 anos competindo normalmente a ainda conseguindo medalhas?

    A maioria dos opinadores que defendem a seleção permanente de acordo com os resultados que o Brasil teve na "Era Daiane" não sabem como foi o processo até chegar às principais ginastas daquele ciclo: Lais Souza, Daiane dos Santos, Daniele Hypólito, Jade Barbosa, Ethiene Franco e Ana Cláudia Silva foram as que sobreviveram. Lais Souza passou por várias cirurgias assim como Daiane dos Santos. Khiuani Dias, um dos principais nomes para a equipe Olímpica de 2008, acabou lesionada e substituída pela inexperiente Ethiene. Ana Cláudia até que tentou continuar depois de 2008, mas as lesões cirurgias e lesões não a deixaram em paz. Sem contar a Jade, que ficou com um problema no punho durante anos. Para chegar nesse número ínfimo de boas ginastas e cheias de pinos (apenas 7), várias outras talentosas ficaram para trás.

    Por quais motivos? Quando decidiu-se juntar todas as ginastas talentosas na seleção permanente em Curitiba, praticamente todos os clubes do Brasil perderam suas ginastas. Ficaram zerados, sem espelho, sem categoria de base, sem material de trabalho. A maioria das ginastas, que eram excelentes em seus clubes, acabaram sem notoriedade nenhuma em Curitiba. Agora elas eram ruins de ginástica, não serviam mais. Choravam muito. Mas isso não era problema: os coordenadores tinham ginastas para "descartar" assim que houvesse a primeira lesão, a primeira crise emocional, a primeira saudade de casa. Era uma pressão constante, de domingo a domingo. Funcionou? Podemos dizer que deu resultado, classificou a equipe para as Olimpíadas, deu uma medalha de ouro no solo para Daiane assim como não deixou nenhum legado. O preço pago para a classificação olímpica em 2008 foi alto: lesões, traumas emocionais e um buraco juvenil para o ciclo 2008-2012.

    Apesar dos erros passados, a situação da ginástica feminina do Brasil volta a ser remediada pela seleção permanente. Situação passageira, que dura enquanto a ginasta consegue se manter saudável, e não dá diretrizes para um trabalho continuado da ginástica no país. Chegar na categoria adulta sem nenhuma lesão séria é praticamente impossível. Corre-se muitos riscos quando se assume esse sistema de trabalho com uma seleção.

    Quando Alexandrov chegou ao Brasil, promessas de treinamento continuado nos clubes, sob a supervisão dele, parecia algo surreal. Seriam feitos campings de treinamento onde ginastas e treinadores seriam convidados para participarem de acordo com o ranking do Campeonato Brasileiro. Poderiam executar suas tarefas nos clubes e essas seriam fiscalizadas na próxima convocação de treinamento. Alexandrov, que é um treinador e um estrategista excelente (além de possuir muito domínio do código de pontuação), também faria visitas aos clubes e centros de treinamento. Isso tudo seria muito interessante: as ginastas não perderiam seus contatos com a família, amigos e treinadores pessoais e continuariam mantendo suas rotinas de vida como sempre foi. O diferente seria os profundos conhecimentos técnicos de Alexandrov adicionados ao treino.

    Ao invés disso, caímos no treino de segunda a segunda. Caímos na rotina de treinar o dia inteiro e repetir séries exaustivamente. As limitações físicas não são respeitadas: repetição após repetição de exercícios acontecem até a ginasta chegar num overtraining. O corpo não aguenta! Esgotamento físico total, principalmente se o corpo estava condicionado de outra forma. O emocional abalado ajuda a piorar as coisas. A ginasta, cansada, pede para parar. O treinador pede que ela executa mais uma vez. Aí acontecem as lesões.

    A seleção feminina hoje está trancada no Centro de Treinamento. Moram juntas num condomínio, acordam e vão para o ginásio. Almoçam no ginásio, estudam no ginásio e só voltam o condomínio quando o treino acaba. Ninguém assiste os treinos. Alguns dias os treinos são abertos para a imprensa e só. Não há como negar que o nível técnico melhorou demais e que estavam totalmente aptas a conseguir a vaga olímpica, mas as lesões deixaram a classificação completamente duvidosa. Hora de questionar: valeu a pena?

    Hoje os clubes estão desamparados. Estão desprovidos de suas principais ginastas - espelhos para as mais novas - e treinadores, que estão trancados no CT. Apesar do CEGIN hoje funcionar como um clube, o sistema de treinamento é praticamente igual ao CT. Tudo corrobora para que a seleção conte sempre com aquelas que estão lá dentro, e aqui de fora temos de cruzar os dedos para que nada errado aconteça. Temos poucas lá dentro. Todas são importantes. Se mais uma lesionar, o que pode acontecer?

    Ainda ficamos tristes com o enorme número de ginastas e treinadores que estão aqui fora, sonhando em representar o Brasil, mas que nunca terão o mínimo de chance. Ou a ginasta é muito boa treinando apenas com seu treinador no seu próprio clube (Letícia Gonçalves e Luisa Kirchmayer) ou o treinador entrega ela para o CT, sendo que ela pode não aguentar e ser dispensada a qualquer momento. É muito difícil pra uma ginasta e treinador - fora CT - sonhar com algo maior do que um campeonato estadual ou nacional.

    Agora fica uma questão: o que fazer para mudar essa situação? O que pode ser melhor que a seleção permanente? Voltamos ao começo do texto, quando o mundo inteiro copiava as soviéticas, melhores ginastas do mundo. É hora de voltar os olhares para quem atualmente tem o maior sucesso e as melhores ginastas do mundo. Apesar de alguns detestarem a ginástica dos Estados Unidos, os resultados e medalhas mostram quem é o maior detentor de títulos. Só pra deixar claro: não estamos falando de estilo de ginástica e sim de modelo de treinamento.

    Os Estados Unidos hoje é a maior potência da ginástica feminina. Desde a última participação da União Soviética nos Jogos Olímpicos de Barcelona, aconteceram 5 Olimpíadas: Atlanta, Sidney, Atenas, Pequim e Londres. Dessas, os Estados Unidos esteve presente em todos os pódios por equipes e conquistou 2 ouros, 2 pratas e 1 bronze. Se existe hoje um modelo de sucesso que deve ser profundamente analisado, estudado e copiado, esse modelo é o americano.

    Vamos usar Simone Biles como exemplo de sucesso do treinamento americano. Atualmente considerada a melhor ginasta do Mundo, e provavelmente de todos os tempos, em apenas 2 mundias já conquistou 9 medalhas incluindo 6 ouros. Bicampeã mundial no individual geral e no solo, a ginasta não passa o dia inteiro num ginásio e muito menos tem uma treinadora renomada e detentora de títulos e passagens por grandes seleções. Como pode ter conseguido ir tão longe?

    Bom, quando Simone Biles apareceu no Nacional Americano representando um clube sem tradição alguma, Marta Karolyi enxergou seu potencial. Um contato brasileiro com a treinadora dela seria assim: "Nossa, sua atleta é muito talentosa a partir de amanhã ela treina no CT. Você não pode vir, mas ela será bem-vinda. Temos orçamento apenas para ela e essa é a única chance dela entrar na seleção". Ao invés disso, o que a até então desconhecida Aimee Boorman escutou da coordenadora de seleções foi: "Nossa, sua atleta é muito talentosa, queremos ajudar você e ela a crescerem. A partir de hoje vocês estão convocadas para os campings americanos de treinamento!".

    Biles não teve que deixar sua família, nem sua treinadora (que estava com ela desde os 6 anos!), nem seus amigos de infância. A melhor ginasta do mundo treina em seu clube, frequenta uma escola regular e tem vida social no fim de semana. Mais exemplos: Shawn Jonhson treinava com seu técnico em seu clube apenas 4 horas por dia e frequentava uma escola regular; Bridget Sloan, campeã mundial individual geral em 2009, treinava em seu clube e frequentava uma escola regular; Samantha Peszek, vice-campeã olímpica por equipes em 2008, treinava em seu clube e frequentava uma escola regular; Alicia Sacramone, quando se tornou especialista de trave e salto depois de 2008, treinava em seu clube apenas 3 horas por dia. Não existe seleção permanente nos Estados Unidos. A treinadora de Biles e a própria Biles, se optassem por não aderir ao CT, nunca teriam uma chance no Brasil. E o nosso Brasil está cheio de campeãs mundiais em potencial!

    Boorman cresceu com o conhecimento compartilhado dos outros treinadores. Todos tentaram ajudar e deram suas opiniões sobre os treinos de Biles e não "tomaram" a ginasta das mãos dela. Uma vez, em entrevista, ela agradeceu o técnico Mihai Brestyan, que treina Alexandra Raisman, dizendo que ele a ajudou bastante nos conhecimentos e técnicas de solo, principal aparelho de Simone Biles. Se você assistir uma série de Biles em 2012 e outra em 2015, verá uma evolução enorme e impressionante. Chegará a acreditar que ela passou 3 anos trancada em um ginásio, excluída do resto do Mundo, apenas treinando!

    Brincadeiras à parte, o Brasil merece a chance de um treinamento melhor. Lesões sempre vão acontecer, mas vamos deixá-las para os casos de fatalidade e não para o excesso de treinamento e repetição. As nossas ginastas merecem uma tentativa de terem suas vidas pessoais, seus treinadores e seus clubes valorizados. Nossos melhores treinadores estão desistindo! Alguns irão dizer que esse foi o sistema utilizado no ciclo olímpico de 2008 - 2012, mas aquela tentativa frustrada e sem coordenação de treinamento em clubes não pode ser levada em consideração. Não havia um treinador chefe, o Brasil contava apenas com as veteranas que sobreviveram ao último ciclo e os campings foram menos que esporádicos.

    Todos estão com o coração na mão. Todos os amantes da ginástica, assim como as ginastas e os treinadores, querem a classificação olímpica. Estamos torcendo muito, muito mesmo, mas ao mesmo tempo estamos tristes com as lesões de ginastas tão queridas e essa situação toda: treinador desistindo, treinador diagnosticado com depressão, várias ginastas se quebrando, clubes largados...

    Fica a esperança para que os coordenadores da nossa seleção feminina repensem tudo. Avaliem os erros e acertos. Deem uma chance para o novo, para o moderno, para o que existe atualmente de melhor. Somos latino-americanos, calorosos, gostamos do fim de semana em nossas casas, passeando com o cachorro, abraçando pai e mãe. E que enquanto fazemos isso o nosso querido Alexandrov passe mais tempo avaliando estratégias, pensando em elementos novos e séries para as ginastas. Todo mundo feliz sem deixar de fazer o seu trabalho, se afastando de leões e tentando ao máximo trilhar um caminho de sucesso.

    Post de Cedrick Willian

    Foto: Ricardo Bufolin
  • You might also like

    31 comentários:

    1. Uau! Quando comecei a ler o texto não pensei que ele fosse tão bem embasado, exemplificado e explicativo. Parabéns pela elucidativa análise. E pensar que quando o Alexandrov foi contratado a promessa era exatamente essa que vc defende.

      ResponderExcluir
    2. �� concordo.....

      ResponderExcluir
    3. Eu coloco até os pés para cima, se precisar.

      ResponderExcluir
    4. Parabéns pela matéria.
      É triste ver realmente, treinadores ótimos desistindo, Treinadores com depressão. Ginasta serem dispensadas , humilhadas e descartadas como se não fossem ninguém.
      Por não agradar, ficar puxando o saco. Por não abaixar a cabeça diante de absurdos cometido pela coordenação técnica.
      Atletas como vc disse exaustas por repetições de séries, com edemas.
      Atletas sendo largadas pelo canto, tendo que se virar sozinhas.
      Sem contar que a coordenação Pensa que é Deus. Escolhendo já pra 2016 quem querem para as Olimpíadas independente de avaliações.
      É triste muito triste a coordenação só pensar em se beneficiar. usando o CT como trampolim dos seus projetos particular. E ninguém se manifesta por medo de represálias. Os bastidores da ginástica é podre. O técnico pode ser o melhor a ginasta pode ser boa mais se não agradar a cordenadora ela ferra com a pessoa.
      Acho que o COB juntamente com a CBG deveriam rever essa situação.
      Parabéns pela coragem. Ganhou uma fã.

      ResponderExcluir
    5. Parabéns pela matéria.
      Já estava passando da hora de alguém se manifestar sobre essa coordenação técnica.

      ResponderExcluir
    6. Que texto fantástico! Há um bom tempo não lia um texto tão verdadeiro da nossa querida ginástica brasileira. Parabéns C. Willian!

      ResponderExcluir
    7. Belíssimo texto. Lembrei da nossa conversa em BH. Concordo com tudo que falou. E vamos aguardar a classificação! Nos mantenha informados amigo.

      ResponderExcluir
    8. Sua principal crítica ao modelo brasileiro e soviético é o descarte, que é a principal vantagem do sistema americano hoje. Sinceramente, seu texto ficou sem sentido algum ao elogiar e focar no modelo americano. Quer elogiar algo dos EUA? Olhe para o financiamento. É quase totalmente privado. Qualquer ginásio meio boca lá têm um fosso. Agora diga a mesma coisa do Brasil, da Rússia, da Romênia. E aquele vácuo juvenil brasileiro de 2012 foi culpa das lesões? Oi? Acabaram a seleção nacional e a ginástica terminou sem a grana pública, a única forma de financiamento que o esporte daqui foca. Como você queria ter juvenis, sem dinheiro algum? Como fazer? Quer um modelo interessante, o qual com poucas ginásticas dava show, e muitas delas ainda competem até hoje? Olhe para a escola romena! O único defeito lá é o principal defeito da maioria dos países, dependência da grana pública. Atualmente a Romênia está sucateada por isso. Mas veja número mínimo de meninas e escolas por lá, e veja o que ainda consegue. Agora, EUA? Com exércitos de ginastas? Onde só as sobreviventes, que aguentam o treinamento, ficam? E lá é ainda pior, pois só foca o físico. Fala sério.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Os EUA só descartam ginastas boas porque tem mais outras 30 excelentes.

        A iniciativa privada dos EUA é incrível, concordo. Mas lá não se paga absurdos por um tablado como se paga aqui no Brasil. A ginástica é um esporte pago, não um favor do governo. Talvez seja por isso que as pessoas valorizam tanto.

        A culpa do buraco juvenil foi os clubes abandonados e as ginastas mais novas traumatizadas, não as lesões. Hora alguma disse isso no texto.

        A ginástica terminou sem grana pública ou privada porque saiu sem nenhuma medalha. Única esperança era a Daiane, que tinha ficado quase o ciclo inteiro lesionada. Treinou pouquíssimo e não conseguiu segurar suas chegadas.

        Onde só as sobreviventes que aguentam o treinamento ficam é no Brasil. Se 5 ginastas americanas se quebrarem hoje, incluindo a Biles, os Estados Unidos montam uma equipe com as reservas, vai pro Mundial e ainda ganha.

        Repito suas palavras: fala sério.

        Excluir
      2. Nós temos talentos demais Aqui. Mas nossos treinadores ainda estão despreparados. Nossas meninas são exploradas.
        Trabalham sem nehuma condição. São verdadeiros talentos, fazem magicas. São mal treinadas, com treinamento excessivos em toca de um lanchinho com presunto e queijo.
        E ainda trazem esses Russos ganhando fortunas, pra quebrarem nossas atletas.
        Até a Olimpiada quebrarão mais talentos.

        Excluir
      3. Nós temos talentos demais Aqui. Mas nossos treinadores ainda estão despreparados. Nossas meninas são exploradas.
        Trabalham sem nehuma condição. São verdadeiros talentos, fazem magicas. São mal treinadas, com treinamento excessivos em toca de um lanchinho com presunto e queijo.
        E ainda trazem esses Russos ganhando fortunas, pra quebrarem nossas atletas.
        Até a Olimpiada quebrarão mais talentos.

        Excluir
    9. Eu acho quem quer medalhas realmente,tem de se esforçar muito,técnica,dificuldades e psicológico forte,passear com cachorro e finais de semana no shopping ou praia,pode fazê-lo depois das grandes competições que é o que as americanas fazem,porque se quer um esporte fácil procure outro que não seja Ginástica Artística.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. O esporte exige grandes esforços,mas necessita de suporte adequado como, tratamento físico,psicológico nutricional etç. Quantos,ou quais possuem isso? fala -se muito em mudanças,acho que está na hora de mudar alguns dirigentes de clubes e seleção. Muitos com ideias pra la de vencidas.

        Excluir
    10. Acho que deveria ter algum tipo de fiscalização,atletas são seres humanos e não robôs, que ao se lesionarem são esquecidos e até mesmo acusados por parte de dirigentes e treinadores de serem responsáveis pelas próprias lesões. Adorei seu post Cedrik. Se continuar assim,a ginastica do país vai ficar só na esperança de dias melhores. É preciso ver se os clubes estão dispensando tratamento adequado para que suas ginastas tenham boa recuperação.

      ResponderExcluir
    11. infelizmente no Brasil falta mudar muita coisa.. nao so na mentalidade e na cultura, mas como tambem no incentivo e financiamento no esporte, na arte e cultura. Precisamos de um processo de massificacao da ginastica.

      ResponderExcluir
    12. Excelente texto. Parabéns pela análise. Levanto a mão: Alexandrov como nossa Marta Karolyi!
      Jardel.

      ResponderExcluir
    13. Porque os clubes não se impoem???se todos ,de forma organizada baterem o martelo as coisas andam.Aceitar de braços cruzados o destino q a cbg decidir e ter q aceitar a tudo.
      Simone Biles e o maior bom exemplo a ser seguido daqui pra frente.Soberba!!

      ResponderExcluir
    14. Quem dera se a Ginástica Artística do Brasil fosse tão valorizada quanto é o futebol brasileiro. Vemos claramente nossas ginastas dando o melhor de si e depois serem dispensadas na primeira lesão. Vamos acordar Brasil!! Vamos valorizar o que realmente deve ser valorizado! Pega como exemplo as americanas e veja o quanto elas tem incentivo e principalmente patrocínio e financiamento que as ajudam a terem o prestígio que elas tem hoje. Infelizmente não consegui continuar na ginástica artística quando era criança e é mais triste ainda ver o esforço das nossas meninas não ser reconhecido. Torço muito pela nossa seleção e vejo um futuro promissor para nossa ginástica!! <3 <3

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Enquanto houver futebol,nunca haverá incentivo ou verba para outro esporte(única exceção ´e o volei).E depois das Olimpíadas então ,se não houver pelo menos duas medalhas esquece.

        Excluir
    15. Eu não entendo muito de política esportiva, mas aí vai: a questão é que é mais barato e fácil garimpar talentos nos clubes Brasil afora e levar os ginastas para viver e treinar num único lugar do que melhorar as condições em clubes locais. Quanto ao tipo de sistema que funcionaria melhor para o Brasil, concordo que o atual regime de treinamento não tem feito nada bem para as ginastas em geral, mas talvez fosse o caso de fazer alguns ajustes ao invés de simplesmente tentar copiar o sistema americano. Muitos atletas no Brasil não tem condições de arcar com o próprio treinamento e precisam de ajuda do governo, lá nos EUA, além da enorme quantidade de ginásios, as famílias pagam mensalidades, é meio que "cada um por si", mas também deve bem mais fácil conseguir patrocínios individuais do que aqui.

      ResponderExcluir
    16. rei do pop
      mitou no texto

      ResponderExcluir
    17. Concordo em partes. ...pois um dos melhores treinadores americanos, é um russo pai de uma campeã olímpica de 2008 e tds sabem quem é Valeri Liukin es atleta da união soviética, da era Shawn ambas levaram ouro nesta olimpiada, e as mesmas, só foram competitivas somente em um ciclo.
      Quais métodos vocês acham que foram e são utilizados?
      Os Usa vencem pela quantidade. Infelizmente é assim, pois mais de noventa por cento das atletas de altíssimo rendimento rendimento, corre esse risco, É o preço a se pagar ...Concordam?
      Pois o maior feito de nossa ginástica, foi de Daiane, o que ela fazia era muito além de que um ser humano"ginasta" da época, jamais ousou fazer, porém pagou um preço altíssimo por isso com várias lesões.
      Mely de Jesus estava fazendo uns movimentos , que até hoje não conseguimos repetir.
      Ginastas medianas, que não arriscam tudo, consegem manter se por vários ciclos, é o caso de nossa Dani.
      Para se construir um campeão, podem ter certeza que o caminho não suave, não existe outro meio, tem que ir além do imaginável.
      Um dos erros do Brasil, justamente por não termos quantidade de atletas de ponta, fazemos muita pressão e é jogada toda a responsabilidade quando surge apenas um ou duas promessas de encher os olhos, foi o que aconteceu com a Rebeca e temo muito quem aconteça, com a Flávia.
      A coordenação não tem essa visão, pressão e cobrança, é pra cima das veteranas, elas têm a obrigação, não deveriam ter deixado estas meninas em super exposição e evidência, deixassem fluir natural, ai sim como fator surpresa, esse foi o erro.
      Tenho muita admiração pela pessoa e história da Georgete, mais não é a pessoa ideal para estar a frente dessa empreitada.
      Enfim, esse é caminho se almejamos um pódio.
      Se sairmos dessa linha, vamos cair no abismo novamente.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Se continuarmos nessa linha ficaremos à mercê das lesões. Roleta russa total.

        Excluir
    18. Lindo texto. Acredito que o sistema de treinamento não pode desconsiderar os vínculos de afinidade e afetividade das atletas com os técnicos que as acompanham desde a base. Isso é a diferença para o sistema americano de Marta Karoly. No Brasil, existem poucos clubes investindo em ginástica. Por isso, acredito que o COB e a CBG deveriam criar um Programa de cofinancimanto de CT´s regionais para fomentar a abertura de centros de treinamento no País. Deveria haver pelo menos 5 CT regionais federais, sendo pelo menos 1 em cada região geográfica. Isso é a médio prazo. A curto prazo, acredito que todos os técnicos da base tem o direito de acompanhar seus pupilos na concentração, como legítimos tutores que são de fato.

      ResponderExcluir
    19. http://www.folhavitoria.com.br/esportes/noticia/2015/10/tecnico-russo-cobra-investimento-na-base-para-a-ginastica-artistica-brasileira.html

      ResponderExcluir
    20. Creio q o buraco deixado após 2008 vai além do q analisemos.Foi muito estranho.
      Daiane colocou a ginástica nos holofotes e muitos procuraram a prática do esporte após a conquista dela em 2003.
      Os métodos utilizados para aprimorar as atletas estao ultrapassados,mas há um desleixo e novos e promissores técnicos deveriam se impor ,senão vai ser assim por mto tempo ainda.
      E pensar q temos uma jóia rara chamada Rebecca e q esta toda quebrada.
      Qta irresponsabilidade com essa menina e outros talentos.É ináceitavel.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É Até lá eles quebrarão mais atletas.
        Precisamos fazer um grande manifesto contra esses enganadores.
        Isso me lembra FELIPÃO E PARREIRA.
        Temos que esperar tomar de 7X1 pra percebermos que sāo ultrapassados?

        Excluir
      2. Vão fazer o diabo daqui pra 2016,tem que justificar o salário altíssimo dos russos. Enquanto isso? os brasileiros que formam a base desvalorizados como sempre.

        Excluir
    21. Ponor esta fora do Mundial de 2015!!!

      ResponderExcluir
    22. Falando em lesões,Rebeca,quem está dando treino para as atletas que ficaram no ct/? será que ja estão abandonadas,órfãs de técnicos? contei numa foto que Lorrane ou Lorena postou pelo menos sete fora as pessoas que não estavam na foto . CBG gastando a rodo,talvez a delegação mais numerosa do mundial. Enquanto isso,tem atletas bancando seus gastos para defender o país,isso é Brasil. Como podemos criticar o futebol? com todo esse aparato tem que trazer medalhas,não ficar entre as oito. Cedrik,você é corajoso,não fica em cima do muro como alguns em certos blogs. Texto sobre lesões nota mil. Sou ex-ginasta e sei o sofrimento que é. Os clubes deveriam indenizar os atletas que ficam com algumas sequelas parafusos,placas,prótese,vai fazer exame admissional em algumas empresas e ve se passa?

      ResponderExcluir
    23. A pouco tempo passamos por isso, minha filha de 10 anos com um grande potencial, foi pra Curitiba morar sozinha, não aguentou, ficou 4 meses e veio embora, agora tá na escolinha pra poder passar o tempo. É uma pena foram anos perdidos e sonhos frustados.

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.