• Análise e resultados do Mundial de Ginástica Artística 2014 - Final individual geral feminina


    Termina a final individual geral feminina do Mundial de Ginástica Artística 2014 e a americana Simone Biles sagra-se bicampeã Mundial de Ginástica Artística, conquistando o título de campeã pela segunda vez consecutiva. A última vez que isso aconteceu foi em 1993 e 1994, com a ginasta também americana Shannon Miller. A romena Larisa Iordache fechou a sua participação com a prata e americana Kyla Ross terminou com o bronze.

    Simone Biles competiu muito bem, mas não tão bem quanto no ano passado. Pela primeira vez Simone se mostrou um pouco nervosa na trave, onde errou bastante comparada consigo mesma, além de ter tido pequenos errinhos na paralela. Extremamente boa no salto e solo, compensou os erros nesses aparelhos. Simone Biles repetiu uma história rara no Mundial desse ano, conquistando o título de campeã pela segunda vez seguida, e chega no ano que vem com as chances de conquistar o ouro mais uma vez e fazer algo inédito.

    Larisa Iordache finalmente acerta um individual geral importante. A romena cotada para uma medalha nessa final em 2012, quando competiu com uma lesão no pé, ficou fora do pódio. No ano passado, uma queda na trave, seu melhor aparelho, também a deixou fora da briga. Esse ano finalmente Iordache conseguiu sua medalha de forma brilhante: apenas 0.466 atrás de Biles. Iordache tem séries difíceis na paralela, trave e solo, sendo o salto o seu único aparelho com nota D abaixo de 6. Um salto amanar a teria colocado como campeã na final de hoje.

    Kyla Ross, medalha de prata no ano passado, competiu com uma lesão nas costas que, com certeza, atrapalhou muito a ginasta. Mesmo assim, com séries bastante sólidas e limpas (sua principal característica), Kyla se manteve no pódio esse ano. Muitos acreditam que Kyla não dura muito tempo na ginástica e que pode não conseguir chegar em 2016 dada à grande concorrência americana. Entretanto, todos os feitos que Kyla consegui até agora, feitos conquistados principalmente por ser uma americana que resistiu a um ano pós-olímpico, já são dignos de uma aposentadoria de sucesso. Mas... qual é a equipe que não gostaria de ter uma ginasta como Ross na equipe? Pode ser muito cedo para pensar que Martha Karolyi abrirá mão dela.

    A russa Aliya Mustafina estava correndo atrás da prata juntamente com Iordache, mas entregou as chances quando desequilibrou quase toda sua série de trave. Mesmo assim conseguiu uma boa nota e foi atrás do bronze no solo, onde teve uma queda. Mustafina terminou em 4º lugar colada em Kyla Ross que não teve erros nenhum. Apesar dos erros, Mustafina consegue se manter entre as principais ginastas do mundo, algo louvável para a equipe russa, que vem sendo um peso que Mustafina carrega praticamente sozinha pelo 2º ano consecutivo.

    Competindo em casa, a chinesa Yao Jinnan também corria atrás da prata e também perdeu as chances quando errou a saída da sua série de trave. Ela não teve queda, mas a saída baixa pode ter gerado descontos somados de, no mínimo, 0.7. Continuou a competição com chances de bronze mas, assim como Mustafina, também errou o solo. Como já foi dito, a China está muito fraca nessa aparelho. Jinnan quase não apresenta potência de pernas para acrobacias mais fortes e colocar uma tripla pirueta na terceira passada parece loucura de quem montou a série, principalmente para uma ginasta que tem dificuldades de terminar a série em duplo mortal grupado.

    Vanessa Ferrari, ginasta italiana na ativa desde 2006, continua impressionando. O 6º lugar conquistado nessa final tem saber de vitória. Ferrari continua muito competitiva, com séries ótimas, principalmente no solo. Recentemente a ginasta voltou a executar o yurchenko com dupla pirueta, salto que fortalece ainda mais o seu individual geral.

    A russa Alla Sosnitskaya terminou na 7ª colocação, 0.033 á frente da venezuelana Jessica Lopez que volta a figurar entre as dez melhores ginastas do mundo. Ellie Black representa bem o Canadá terminando em 9º e Claudia Fragapane conquista um 10º lugar para a Grã-Bretanha nessa final.

    Outros ótimos resultados: a polonesa Martha Pihan na 14ª colocação e Ana Filipa fazendo história para Portugal e terminando na 16ª colocação. A ginasta espanhola Roxana Popa poderia terminar entre as 10 primeiras, mas acabou errando e pontuando muito baixo na trave e no solo.

    Confira os resultados completos: http://gymnasticsresults.com/worlds/2014/wag/aafinal.pdf
    Foto: Site oficial do Mundial 2014
  • You might also like

    20 comentários:

    1. O resultado foi o esperado,até que enfim a Lordache ganhou alguma coisa,ñ aguentava mais vendo ela em 4,só espero que ela ñ cai de produção até o ano olímpico.
      Dessa vez a diva queridinha ñ teve sorte,perdeu até pra chata da Ross, espero ñ vê-la o ano que vem,o ginasta sem graça. O pódio foi todo rosa igual a final por equipe com o pódio todo vermelho.

      ResponderExcluir
    2. Viram a cara da diva só porque perdeu pra chata da Ross?
      Ñ entendi esse premio de elegância do mundial ,pra a feiosa Yao Jinnan,quem tinha de ganhar era a Larissa, essa sim tem elegância!

      ResponderExcluir
    3. Viram a cara da diva só porque perdeu pra chata da Ross?
      Ñ entendi esse premio de elegância do mundial ,pra a feiosa Yao Jinnan,quem tinha de ganhar era a Larissa, essa sim tem elegância!

      ResponderExcluir
    4. Ouro merecido pro Diamante dos EUA, solo e saldo e com ela mesmo, passou bem pelas barras e trave, nitidamente nervosas, mas quem não ficaria? Foi campeã mundial ano passado, entrou nesse mundial como favorita, liderou o ranque de pontuação nesse mundial! Ela foi uma heroína.


      Larissa brilhou!!! Está faltando um Amanar, pra brigar de igual pra igual com Biles. Notei que o Amanar ainda espanta as ginastas! Quando essas ginastas resolverem saltar um Amanar! Biles aparecerá com uma tripla!

      Mustafina, não estava tão preparada pra esse mundial, UB que e seu melhor parelho esta partindo de 6.3! Mas sabemos que ela pode mais que isso, a trave cheia de ligações, e em finais e quase impossível consegui conecta todas elas, parece que desistiu do Amanar de vez!!?

      Kyla e um exemplo de ginasta, consistente e perseverante.

      E a hegemonia continua......

      ResponderExcluir
    5. Pelo visto, Martha Karolyi vai homenagear o Rio em 2016, pois se em Londres passaram o carro, aqui as americanas vão de Bonde. A coisa tá pior do que eu pensava. Para um país com tanta tradição no esporte como a Rússia, essa dependência do Alexandrov soa impressionante. Agora é torcer para a China criar uma ginasta mutante em menos de dois anos, ou simplesmente não vai ter graça.
      Mas falando sério, torci pela enésima vez para a Iordache, e fiquei satisfeito com o resultado, até porque a Biles tá com o satanás o coro, coisa impressionante.

      ResponderExcluir
    6. A última vez foi com a Khorkina (2001/2003)

      ResponderExcluir
    7. Muito orgulhoso da larissa,graças a Deus a nuvem negra saiu de cima dela e ela pode mostrar toda seu brilho,e melhor mostrar que Biles não está tão intocável como todos pensam,um amanar pra Larissa resolvia a coisa toda hoje,mas a prata já foi lindo.Triste pela Musty,parecia que pela primeira vez ela estava competindo entregue, e quanto a Kyla ela rebate as críticas mostrando que é um verdadeiro pilar pra equipe americana,mesmo competindo lesionada.Agora é torcer pelo ouro da Larissa na trave e no solo,mesmo Biles sendo melhor acrobata o solo de Larissa é de longe o mais lindo da competição,sorte pra minha bonequinha romena!!!!!!!

      ResponderExcluir
    8. Como é que a Biles (e um monte de gente) não tem deduções por artistry? Tinha adorado esse Código, na teoria tudo é ótimo. Mas mesmo assim, a FIG e seus juízes ficam premiando ginástica pós-moderna tediosa e encorajando dança sem técnica ou emoção. Tudo isso é só para não dar nota baixa para todo mundo? Se as ginastas fizerem séries que mereçam uma nota baixa, é obrigação dos juízes uma dar nota baixa. E ainda disseram que os juízes estavam pegando pesado, ano passado. Não vejo. As notas de trave e de solo, das ginastas que tem chance de medalha, ainda estão muito altas. As de salto também, tiraram um bocado de deduções do código de 2009, o que é um regresso, apesar de terem reduzido o D-score de alguns saltos.

      FIG está brincando com a subjetividade do esporte, o fator que fez a ginástica artística tão maravilhosa. Estão nos vendendo mediocridade como se isso fosse bom o suficiente. Sem esperanças para esse esporte. Depois do pior quadrênio de todos os tempos (2001-2004), ainda conseguiram piorar. Parece até que a FIG não leva a falha de seus códigos e jurados a sério.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. artisticidade e algo muito subjetivo, Bile entre outras, não estão sendo deduzidas porque estão de acordo com o código. O código pede pras ginastas se movimentarem o tempo todo, e não ficarem muito tempo paradas nas diagonais, e isso vem sendo respeitado, sendo assim não tem o porque serem deduzidas, até porque coreografia e musica e algo muito pessoal, cada um se expressa da forma que quer, desde que siga o Código.

        Estilo e algo muito pessoal, Russas gostam de musicas dramáticas e clássicas, já Romenas gostam de musicas alegres, os EUA também.

        Excluir
      2. Deveria se chamar agora Ginastica de acrobacias,pois é só o que conta,realmente tá chata a Ginástica dita Artística,vc. realmente tem toda a razão.

        Excluir
      3. O solo do Feminino daqui a pouco vai estar igual a do masculino só piruetas e acrobacias que eles valorizam,foi monótono esse Mundial quase igual do ano passado,quase sem renovação,a única boa novidade foi Larissa Iordache acertando suas séries.

        Excluir
      4. Esse aqui gente é fan da escola de russa, quem mandou mustafica cair, se não tivesse caído o teria ficado com bronze. Aceita Simone é a melhor que doe menos

        Excluir
      5. [Quote: artisticidade e algo muito subjetivo, Bile entre outras, não estão sendo deduzidas porque estão de acordo com o código (...)]

        O código, na parte de artistry, pede mais do que só se movimentar. Pede para ter "estilo", "transmitir emoção", "personificar alguma coisa", tudo muito vago. E é exatamente por isso que a FIG está brincando com subjetividade. Estão aproveitando do fato do esporte e do código serem "subjetivos", e por isso, ter uma desculpa para vender mediocridade.

        A coreografia de Biles claramente podia ser mais bem elaborada, e ter uma dança mais coesa e com mais técnica, transmitindo mais alegria no processo. O que a FIG está fazendo é dar pontos (mesma coisa que encorajar) para ginástica incompleta, não evoluída e "quase lá".

        Imagina se, por exemplo, Olga Strazheva circa 1989 estivesse competindo agora. Ela deixaria de receber as mesmas deduções que Biles. Como é que isso é justo? Para que fazer performances completas? Artistry virou apenas outro espaço para codewhoring [sic], já que uma performance medíocre e uma claramente superior ,tecnicamente, preenchem os mesmos requisitos. Ainda não se tem motivo para trazer a verdadeira artistry de volta.

        [Quote: O solo do Feminino daqui a pouco vai estar igual a do masculino só piruetas e acrobacias que eles valorizam]

        Daqui a pouco vai estar? Já está assim. Esse Código não valoriza nada, a única coisa que ele fez no solo é punir ginastas (dando notas "feias") com motivo, e não punir outras sem motivo.

        [Quote: Esse aqui gente é fan da escola de russa, quem mandou mustafica cair, se não tivesse caído o teria ficado com bronze. Aceita Simone é a melhor que doe menos]

        Troll, mas responderei mesmo assim. Eu diria que Mustafina está no caminho certo, em coreografia. Mas ainda pode melhorar bastante. Ela está competindo em nível igual com as outras e merece todas as deduções possíveis no momento, também.

        Artistry não é restrito a escola russa, balé, ou música clássica moderna. Mustafina não é automaticamente artística porque ela preenche esses requisitos. Não é preciso abusar do strawman e nem projetar preconceito e síndrome de underdog ;) .

        Excluir
      6. Nossa, não aguento mais isso. Só porque a ginasta não se estica toda como a komova etc quer dizer que ela não é artística?? DIGAM QUE DAIANE NÃO ERA ARTÍSTICA???? Daiane, Billes, Raisman etc se expressam de seu jeito, com suas características.
        Dizer que Billes não é artística é uma GRANDE IGNORÂNCIA, não passa de picuinha de torcedor da ginástica tradicional.
        Se liga e vai aprender o real conceito de ARTE!! (quer nem eu sei)

        Excluir
      7. Acho que não se pode criticar rotina do estilo cheerleader porque, de novo, PROJETAM preconceito e acusam você de fazer a falsa equivalência de clássico = bom. O preconceito não está em mim e não sou eu que estou fazendo a equivalência.

        Como é que a rotina de Biles sucede em seu estilo? Se não gostam do exemplo da Strazheva, então tente Dawes em 1996.

        Raisman é péssima.
        Biles está no caminho certo. Tem movimento. Falta polir a coreografia e fazer os passos terem algum sentido.
        A rotina de Daiane é outro caso, pois era diferente de tudo o que foi feito na história do esporte. A rotina de 2003 e 2004 da Daiane eram inovadoras e novos paradigmas. Sem falar que ela entendia mais do ritmo de sua música do que Raisman e Biles.

        Isso não é um caso de estilo, e sim de ser notável naquilo que faz. A Biles não é. Dawes não perderia os mesmos pontos que Biles, mesmo tendo uma coreografia (o que é um fator objetivo), e, em minha opinião, emotividade (fator subjetivo) superiores.

        A única grande ignorância é ignorar o fato de que FIG está, praticamente, dizendo que a rotina incompleta e mediana é tão valiosa quanto a rotina bem pensada. Não tem mais motivo para fazer rotina bem pensada, a não ser a boa vontade. Esse código não mudou em nada do anterior. A seção do código é vaga e só abriu espaço pra codewhoring.

        As atletas e seus técnicos estão se esquivando de deduções tolas do código, não necessariamente realizando os requisitos.

        Excluir
      8. Sinceramente, onde vocês querem chegar com essa negação de realidade? Comparar a Daiane com a Biles? Ah, pelo amor. Mesmo a Biles sendo menos robótica que as demais compatriotas, as diferenças estão ali e Muito Visíveis: (http://www.youtube.com/watch?v=XyQ5XBg7xaU)

        Pode ser o termo mais manjado do mundo, mas a Daiane tinha "ginga". Os movimentos de braços e pernas eram naturalmente coordenados com o tronco, e eram realizados sem esforço. Parecia uma pessoa normal se movimentando.

        A Biles não (http://www.youtube.com/watch?v=Yr61mrLUB64), mais parece que pegaram um pauzinho, colaram quatro fitas e começaram a balançar. O tronco da menina simplesmente não se meche hora alguma. E como eu disse, ela já tem movimentos muito mais naturais se comparada as compatriotas. Aquela reboladinha da Daiane mesmo, provavelmente com muito treino a Biles até conseguiria com naturalidade. Já a coitada da MyKayla nunca! A mulher é mais dura que pão da semana! Tentou dar uma requebrada antes do terceiro salto e quase desloca a coluna (http://www.youtube.com/watch?v=VUiALs-4ag0), imagina rebolar? Antes do segundo salto, ela dá uma dobradinha de perna que é uma tristeza. Dá vontade de subir no tablado e colocar óleo. Sem condições. E ainda existe gente sem saber o porquê da medalha da Mustafina.

        O trabalho que as russas e romenas têm no balé, as brasileiras já possuem (ou ao menos possuíam) naturalmente, seja por passar vergonha dançando É o Tchan quando pequenas, seja pelas inúmeras festas e danças. E isso é um movimento natural do corpo, não apenas coreografia. Já as americanas não! Custava ensinar um Twist quando pequenas? E não adianta enterrar as coitadas em horas e horas de movimentos extremamente rápidos e ensaiados a exaustão como meros requisitos. Se esses movimentos não receberem importância e forem trabalhados para a naturalidade, vai continuar feio e robótico como de fato É hoje em dia!

        Não sou contra esse estilo físico. Faz parte, e para um esporte ter graça sempre deve existir liberdade paras as diferenças, ou vai ficar um mesmo do mesmo como, por exemplo, é hoje a as paralelas dos homens. Agora esse estilo “menino de lata” é que não dá.

        Excluir
    9. Foi provado que Biles não é imbatível como várias pessoas falaram aqui. Sendo que se Iordache tivesse cravado a sua série de trave teria vencido a Biles mesmo sem Amanar, porque a diferença foi de apenas 0,466 décimos.
      Então em 2015, Biles que se cuide, porque Rebeca tem chances de derrota-la e tem um Amanar e terá um solo tão bom quanto o dela!!

      ResponderExcluir
    10. Engracado o povo criticar a FIG e ums jurados desse geito acho que cada atleta faz dentro do seu limite o que pode , esse mundial especificamente vi que muitas atletas evoluiram e outras coisa como andreia joao fala USA a ginastica e muito difundida e cada esquina abre um ginasio novo mega equipado e com varia pessoas procurando cabe outros paises tb correm atras , acho os juzes justo . E engracado povo fala ataparecem que esturam o codigo de pontuacao e fizeram curso, vcs acham qu qual juri que analiza un mundial.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Googleie: "argumentum ad verecundiam"

        O apelo que você faz não torna nenhuma crítica menos válida.

        Excluir
    11. Alguém poderia mostrar isso pra Biles:
      http://www.youtube.com/watch?v=NIf8Cu1Hesk
      Quem sabe assim ela aprenda...

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.