• O que a ginástica reserva para 2016 - Parte 5


    JAPÃO

    A equipe japonesa, mesmo com os desfalques de suas ginastas inicialmente selecionadas, competiu em Glasgow com a melhor equipe de todos os tempos. Apesar de já terem conseguido um 5º por equipes nos Jogos Olímpicos de Pequim e conquistado várias medalhas individuais com Koko Tsurumi no Mundial de 2009, o nível técnico da seleção japonesa nunca esteve tão alto. Tanto que, mesmo sem nenhuma medalha, o 5º lugar por equipes em Glasgow, o 4º lugar de Sae Miyakawa no solo e o 6º lugar de Mai Murakami no individual geral são tão bons quanto qualquer resultado ou medalha que o Japão já obteve no feminino.

    Koko Dobashi

    Estreante na categoria adulta, possui séries regulares em todos os aparelhos. No salto faz apenas um yurchenko com pirueta (5.0). Nas assimétricas possui apenas um (5.4), sendo seu aparelho mais fraco. Na trave possui um (5.7) de dificuldade, onde uma rondada + mortal estendido está presente em sua série. No solo, seu melhor aparelho, faz (5.8) de dificuldade. Tripla pirueta e tsukahara grupado, ambos de valor (E) no código atual, fazem parte das linhas acrobáticas. Koko relativamente não tem grandes dificuldades para Integrar o time olímpico, já que as novatas estão à um patamar acima do nível das séries que apresenta.



    Murakami Mai

    De reserva ao 6º lugar no individual geral de Glasgow, Murakami surpreendeu fazendo a melhor competição da sua vida. Inicialmente fora da equipe, mesmo depois de ter sido a única finalista por aparelhos no Mundial de 2013, ninguém pensaria que a ginasta poderia chegar tão longe. Foi peça fundamental no último Mundial, onde todas as suas notas entraram pra a equipe na fase classificatória, que também foi a classificatória olímpica. Com trave e assimétrica regulares, teve o 2º melhor solo da equipe (5.8) e o 2º melhor salto (yurchenko com dupla: 15.066), isso além de ter competido o individual geral sem falhas (57.132). Depois de provar por tantas vezes que merece ser atuante na equipe, será que os dirigentes japoneses cometerão novamente o grave erro de deixar a ginasta fora dos Jogos Olímpicos?



    Asuka Teramoto

    Mais experiente da equipe, participou dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012. Sendo a única a competir uma Olimpíada no atual time japonês. Possui como melhor aparelho a trave, onde foi finalista no mundial de 2014. Nesse aparelho, Asuka possui 6.2 de dificuldade, onde conta com uma saída de rondada (B) + Tripla Pirueta (F). No salto, a ginasta salta reversão com uma pirueta e meia (6.2). Seu solo, tem a nota de dificuldade 5.6 e nas barras assimétricas parte de ótimos 5.9. Todas as notas de Asuka contribui 100% com a equipe. Se manter o nível igual aos mundiais passados, sua vaga está certamente garantida nos Jogos Olímpicos esse ano.



    Aiko Sugihara

    Estreou em 2015 e não teve todo seu potencial explorado no Mundial. Apesar disso, teve e atualmente tem uma das melhores séries de barras assimétricas da equipe. Mesmo sem grandes acrobacias no solo, possui uma linha corporal muito bonita e flexibilidade para executar belíssimos saltos de dança, deixando tanto esse aparelho como a trave com ótimas impressões. Salta um yurchenko com pirueta e meia extremamente limpo, dando espaço para um upgrade para a dupla pirueta. Com certeza pode e deve melhorar as notas de dificuldade de seus aparelhos, principalmente no solo e na trave. Se explorar todo o potencial que tem, pode se manter na equipe esse ano e representar o Japão nos Jogos do Rio.



    Sae Miyakawa

    Melhor saltadora e melhor ginasta de solo do país, surpreendeu a todos com um solo monstruoso no último Campeonato Nacional Japonês ocorrido em 2015, quando finalizou sua série com silivas (um duplo com dupla grupado), exercício de valor (H) no código atual. Seus saltos são : RUDI (6.2) e um yurchenko com dupla pirueta (5.8), ambos muito bem executados! Sae possui a série de solo mais difícil do mundo em nível acrobático. Após o Mundial de Glasgow, a ginasta já esteve treinando movimentos de dança em sua série, onde pecava muito. Em dezembro, no Toyota International Cup , Sae apresentou um solo com 6.8 de dificuldade! Em sua série de solo há: duplo esticado com uma pirueta (H); uma sequência de mortal esticado com pirueta de frente (C) + Duplo Grupado Frontal (E), bonificação de 0.2; duplo com dupla (H) e finaliza de duplo esticado (F). É uma das favoritas ao pódio desse aparelho nos Jogos do Rio.



    Yuki Uchiyama

    Com uma trave inconsistente, um solo mediano (conta com uma diagonal de dupla pirueta de costas) e apenas um yurchenko com pirueta no salto, Uchiyama tem nas barras assimétricas a sua maior arma para a conquista de uma possível vaga nos Jogos Olímpicos. Com 6.2 de dificuldade, tem a melhor e mais difícil série da atual equipe japonesa, série que conta com uma sequência de stalder com pirueta + komova II + um belíssimo pak. Internacionalmente, chegou a pontuar 15.000 na final por equipes do Asian Championships, sendo que já conseguiu 15.400 num campeonato no Japão.



    Post de Cedrick Willian e Lucas Victor.

    Esse é o quinto texto de 2016 da série " O que a ginástica reserva". Todo fim / começo de ano faremos postagens sobre os maiores nomes que competirão no ano seguinte. O último texto será exclusivamente escrito sobre ginastas do Brasil.

    Foto: Ivan Ferreira / Gym Blog Brazil
  • You might also like

    4 comentários:

    1. Memorizem o que eu vou dizer: Sae Miyakawa vai ser campeã olímpica no Floor Exercise.

      ResponderExcluir
    2. Ola, alguém sabe dizer se vai haver transmissão da Etapa de Baku da Copa do Mundo de Ginástica?
      obrigada

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Haverá transmissão da etapa neste link:
        http://www.idmantv.az/canli/idman-canli-yayim.htm

        Excluir
    3. Delegação da Bélgica visita ginásio de Ginástica Artística
      https://www.youtube.com/watch?v=lHyrBDNw8b8

      ResponderExcluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.