• Com Mihai Brestyan, Austrália deve voltar ao top 8


    A Confederação de Ginástica Australiana anunciou oficialmente o novo head coach da seleção feminina de ginástica do país: nada mais e nada menos que Mihai Brestyan, detentor de 21 medalhas mundiais e olímpicas com suas ginastas de maior destaque: Alicia Sacramone e Alexandra Raisman. Com muito trabalho, mas agora com mais uma grande ajuda, a Austrália pode voltar a figurar nas finais por equipes internacionais.

    Mihai começa imediatamente. A demora na contratação, desde o anuncio da saída de Peggy Liddick, foi justificada pela confederação australiana, através de seu CEO Mark Rendell: "O processo foi demorado, mas a Confederação Australiana foi clara em seu objetivo de garantir um dos melhores treinadores do mundo para conduzir os padrões de desempenho, tanto de atletas como de treinadores, para serem competitivos internacionalmente". As chances da Austrália voltar ao top 8 internacionalmente não se deve apenas ao fato de Mihai ser o novo head coach da seleção. Até o momento, Peggy Liddick - que tem cidadania australiana - não afirmou que vai deixar o país, podendo continuar como treinadora em algum clube. Sem contar que Xinming Guo, como foi informado aqui no blog, também é novo treinador do Caloundra Gymnastics Club, escola de ginástica australiana.

    Todos esses fatos e o bom direcionamento da ginástica na Austrália sugerem uma massificação de bons treinadores e conhecimentos em todo o país. Mihai é reconhecido por muitos treinadores americanos por ser de grande ajuda técnica durante os campings de treinamento nos Estados Unidos.

    Enquanto o Brasil ainda sofre com a reformulação da ginástica feminina pós-Rio, tanto na questão financeira como em questões de treinamento técnico, a Austrália se solidifica mais uma vez. E é bem provável que volte a bater de frente com vários países em competições internacionais, ameaçando, inclusive, o lugar que a equipe brasileira suou para conquistar de volta.

    Post de Cedrick Willian

    Fonte: Gymnastics Australia
    Foto: Divulgação
  • You might also like

    11 comentários:

    1. as meninas do Brasil tem muito pontencial, na verdade a atual geração tem muito potencial temos uma especialista e BB com chances de medalha mundial e olimpica (Flavia.S)
      temos uma AA que tambem tem chances de medalha tanto no AA quanto no VT (Rebeca.A)
      a lorrane que também é uma boa AA e podendo ser uma exelente especialista no solo quem sabe, e nesse ano temos a Thais fidelis que já subiu pra categoria senhor com back hs step out + Arabian e convenhamos, um arabian não é pra qualquer uma, com um bom apoio é um bom treinador com certeza essas 4 vão ser um time tano, mais enquanto isso é esperar a boa vontade dos patrocinadores que pelo visto não estão muito animados em apostar na ginastica .

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Só agr fui ver que Jade e Daniele vão continuar na seleção. Espero que os técnicos não sejam burros de não levar.Thaís Fidelis e deixar Jade ou Dani. Elas estão velhas, Daniele nem saltar tá sabendo. Espero que a equipe seja Flávia, Lorrane, Rebeca e Thaís Fidelis.

        A 5° vaga será entre Daniele Hypolito x Jade Barbosa x Carolyne Pedro. Não acredito que a ginástica dá Carolyne Pedro dê algum resultado. Acho ela pode, Porém tem um corporal lindo. Se fosse americana os técnicos de lá com certeza saberiam usar ela pra salto,.paralela, trave e solo.

        Daniele Hypolito teve que suar a camisa pra Carolyne Pedro não pegar a vaga dela nas Olimpíadas. Teve que se reinventar, gostei dá Dany em 2016, tava confiante, charmosa, mostrando que era dona da casa. Mais aquela queda no solo é aquele míseros 14.266 na trave (O aparelho que ela se diz especialista). Me arrependi com ela.

        Jade é a única que tem chance de conseguir a 5° vaga, Só se voltar forte igual 2007. Mais Jade não é boa em nenhum aparelho.

        Excluir
      2. Agr que Amanar foi pra 5.8 partiu fazer tripla pirueta né? Falando nisso quanto tá valendo uma tripla pirueta no Salto?

        Excluir
      3. Estou confiante que com a parada de Biles e Mustafina. Podemos medalhar por equipes, AA, VT , BB e talvez FX.

        Flávia, Rebeca, Lorrane e Thaís não se lesionei até o Mundial por favor. Quero ver as 4 em altíssimo nível.

        Excluir
      4. Amanar foi para 5.8 mas todos os outros aparelhos tiraram um requerimento de 0.5 ponto, ou seja, não mudou muita coisa. A tripla vai valer 6.2. No AA a Flávia e a Rebeca tem chances, na BB a Flávia, e agora pra 2017 creio que a Rebeca tem chance no Vt. Agr no solo vai ser complicado hein? Mesmo com a pausa da Biles tem muitas americanas que são monstros no solo, e provavelmente vão pegar ouro e prata esse ano, sobra o bronze que vai ser difícil de pegar. Com a queda da Rússia vai ser mais fácil do Brasil pegar medalhas por time, mas não se esquece que Japão vai vir com tudo nesse ciclo e que GBR deve melhorar tbm.

        Excluir
    2. Engraçado como que muitas pessoas criticam as veteranas que ainda estão competindo mas se esquecem que na época delas choveram medalhas especialmente em mundiais, começando com a Dani e a Daiane no ciclo olímpico até Atenas. Depois com a Jade durante o ciclo olímpico de Londres e mesmo depois. Acho que a última medalha em mundial do Brasil no feminino foi em 2010 em Roterdam, não* Ou eu estou enganado... Depois houve um verdadeiro apagão de qualidade e a equipe brasileira ficou extremamente dependente das veteranas até a volta de renovação da equipe. E vale ressaltar que sem as veteranas é provável que o Brasil não tivesse se classificado para as olimpíadas de Londres.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Meu querido. Dani era boa no tempo dela, o tempo dela já foi agr é a vez das outras. Ela quer ser uma Oksana Chusovitina dá vida mais pelo menos Chusovitina pega finais né?
        Daiane MGM crítica ela, pelo contrário se ela tivesse na rio 2016 fazendo Arábias o solo dela iria ser essencial pra equipe.
        Jade não é péssima ginasta, pelo contrário tmb ajudou na soma do Brasil na rio 2016. E na final por equipes fez bonito! Só que ela acerta na HR errada e erra na HR certa.

        E cá entre nós.. Quem precisa de Daniele Hypolito numa equipe que teremos Rebeca Andrade , Flávia Saraiva, Lorrane Oliveira e Thaís Fidelis.

        Só aceito Dani na equipe se ela vier com Produnova ou tripla pirueta e meia no salto. E uma entrada Arábias na trave.

        Excluir
      2. Só que eu não acho que elas estão na equipe apenas porque querem mas porque até então não tem tido renovação, eu posso estar errado. Admito que já concordei com muitos aí pelo youtube da vida ao criticarem a presença delas na equipe brasileira, mas novamente, talvez não seja apenas porque querem estar lá e barram a entrada de novatas com potencial, mas por falta mesmo de novatas boas, até agora.

        Sobre ela querer imitar a Chusovitina, por que não*

        Só acho que ela e outras deveriam ser mais inteligentes e criativas e mudarem de ''skills'' quando estes já não estão ajudando, explorar outros meios de se manter a dificuldade mas com originalidade, coisa que as holandesas começaram a fazer desde o último ciclo.

        Excluir
      3. As holandesas são uma demonstração audaciosa e criativa de como aumentar a competitividade sem aumentar diretamente a dificuldade, especialmente na trave, no caso delas, mas evidente que tem outros canais similares pra todos os aparelhos.

        Excluir
    3. Quero muito que as meninas do Brasil melhorem...


      Ainda que a Flavia e a Rebeca sejam incríveis, a Lorrane precisa ser mais consistente. Eu queria muito que ela desse um upgrade na paralela e acertasse o Dos Santos no solo. Thais é uma grande promessa e segue com muita dificuldade na trave. Sobre as ginastas mais velhas, eu ficaria sempre com a Jade.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Oi? Tanta ginasta boa é tão querendo investir na Dani? Rebeca , Flávia , Thaís, Lorrane e Jade pramin é equipe pra medalhar. Nem de reserva a Dani deveria estar pq Carolyne Pedro tá servindo mais. O Brasil dispensou um talento incrível como o dá Milena THEODORIO e hj depebde de Daniele Hypolito caindo em todos somos, Ganhando 14.116 na trave. Horrível!

        Assistir as Holandesas dão sono, deveriam tirar -1.0 pra séries com apenas 3 passadas. Holandesas pensam que trave e solo é lugar pra dançar balé, os giros é até bonitinho, gosto dá Sanne. Mais não dá todas fase só giros né? Vemos o fracasso delas no salto kk.

        Lorrane pramin soma mais que Rebeca e Flávia, só precisa melhorar a paralela e fazer os elementos dá casa Dos Santos I e Dos Santos II corretamente. Thaís tá com uma trave muito forte, talvez a mais forte do ciclo de 2017 até agr. Com dificuldade 6.4 é um lindo Arábian na trave! Se ela melhorar o solo é saltar yurchenko, AMERICANAS DESFALCADAS E RÚSSAS PÉSSIMAS DA NOVA GERAÇÃO SEGUREM O BRASIL QUE VEIO NEDALHAR!

        Excluir

    Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.